Grey's Anatomy (Temporada 2)

Temporadas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 | Geral

Grey's Anatomy (2005 – ?) é um dos mais bem-sucedidos dramas médicos da atualidade. Foi criada por Shonda Rhimes

Raindrops Keep Falling on My Head [2.1]Editar

[Meredith narrando]: Para ser um bom cirurgião, você deve pensar como um bom cirurgião. Emoções são complicadas. Dobre-as, guarde-as e entre em um aposento limpo e esterilizado onde o procedimento é simples. Cortar, suturar e fechar. Mas às vezes você se depara com um corte que se recusa a sarar. Um corte que estoura os pontos e se abre todo.

Meredith: Vamos jogar um jogo sobre qual vida é a pior. Eu ganho. Eu sempre ganho.
Cristina: Não vai querer jogar comigo.
Meredith: Ah, vou sim. Até vou primeiro. [George cospe a bebida]
Cristina: George, tem cerveja escorrendo das suas narinas.
Meredith: Falei que eu ganhava.
Cristina: Não, não ganhou.
Meredith: Eu falei que Derek é casado. Casado tipo adúltero, mentiroso e cretino.
Cristina: Estou grávida. Eu ganho. [Joe, o garçom, desmaia] Okay, talvez Joe ganhe.

George: Conhece Joe?
Bailey: Ah, sim. Eu era a única mulher interna do meu ano. Não conhecia ninguém e ninguém me conhecia. Exceto Joe. Ele me conhecia.
George: Ah. Então.. você e Joe?
Bailey: Tudo o que vocês pensam é em como abaixar as calças de alguém. Vocês são nojentos. [bate em George] Por isso que pegou sífilis.

Cristina: A clínica tem uma política. Não me deixaram confirmar minha consulta a menos que colocasse uma pessoa para contato de emergência. Alguém para estar lá e... você sabe, pra me ajudar depois. Enfim, eu coloquei o seu nome. Por isso te contei que estou grávida. Você é minha pessoa.
Meredith: Eu sou?
Cristina: Sim, você é. Tanto faz.
Meredith: Tanto faz.
Cristina: Ele me deixou. [Meredith abraça Cristina] Você sabe que isso constitui abraço?
Meredith: Fica quieta, eu sou sua pessoa.

Derek: Então, eu subo as escadas, e enquanto vou andando pelo corredor, vou tentando me preparar para o que vou ver quando entrar no quarto. Eu piso em uma jaqueta masculina que não pertence a mim. E tudo o que sei... apenas muda. Porque a jaqueta que não pertence a mim é uma jaqueta que eu reconheço. O que eu sei agora é que quando entrar no quarto, não verei apenas que minha esposa está me traindo. Verei que ela está me traindo com Mark, que por acaso era meu melhor amigo. Eu fui embora, voei para Seattle.
Meredith: E aí me conheceu.
Derek: E aí eu te conheci.
Meredith: O que eu fui pra você? A garota que você ferrou pra superar ser ferrado?
Derek: Você foi como retornar ao ar puro. Como se eu estivesse me afogando e você me salvou. É tudo o que eu sei.
Meredith: Não é suficiente.

[Meredith narrando]: Eles dizem que a prática faz a perfeição. A teoria diz que quanto mais você pensa como um cirurgião, mais parecido fica. Quanto mais conseguir permanecer neutra, clínica. Cortar, suturar e fechar. Mais difícil fica não ser assim. Parar de pensar como um cirurgião, e lembrar o que é pensar como um ser humano.

Enough Is Enough (No More Tears) [2.2]Editar

[Meredith narrando]: Eu tenho uma tia que sempre que colocava alguma coisa pra gente beber, dizia: “Diga quando”. Ela dizia “Diga quando!” e, é claro, a gente nunca dizia. Nós não dizíamos por causa da possibilidade de mais. Mais tequila, mais amor, mais qualquer coisa. Mais é melhor.

Meredith: Não somos nós, são eles. Eles e seus pênis infantis babacas. Não me disseram que tinham uma esposa. Não deram a menor pista de que iam acabar com você.
Cristina: Não é porque Burke acabou comigo. É como ele acabou comigo. Como se fossem negócios. Tudo muito profissional. Como se ele fosse meu patrão.
Meredith: Ele é seu patrão.
Cristina: O pior é que eu me importo..
Meredith: Ugh, eu vou vomitar de novo. [Se levanta e se ajoelha sobre o vaso] Não. Espera. Falso alarme.
Cristina: O problema é o estrogênio.
Meredith: Não, o problema é a tequila.
Cristina: Sabe, eu costumava ser toda profissional, daí ele chega e me engravida.
Meredith: Com seu estúpido pênis infantil.
Cristina: Agora estou tendo urgências hormonais. Ele me arruinou. Estou arruinada! Ele me transformou nessa... Grávida idiota e gorda. Quem se importa! Estrogênio!
[Izzie e George entram no banheiro]
Meredith: Pênis. Pênis, Izzie.
Cristina: Estrogênio, George.

Bailey: Se alguém chega aqui morto ou morrendo, você tenta e tenta mais, por quê?
George: Pela experiência.
Bailey: Ah, não, o quê mais? Há algo mais. [George não responde] Pense nisso, você vai entender, uma hora você vai entender.
[Depois]
George: Por que nós tentamos em todos os pacientes mortos ou morrendo que chegam aqui?
Olivia: Experiência?
George: Porque poderemos dizer as famílias que tentamos tudo o que podíamos.

Addison: Dra Grey, posso falar com você por um momento? [Meredith olha pra Bailey]
Bailey: Não olhe pra mim por ajuda. [Addison e Meredith saem]
Addison: Presumo que ele tenha falado porque me deixou.
Meredith: Dra. Shepherd, com todo o respeito, isso não tem nada a ver comigo.
Addison: Sério? Então você não o aceitou de volta? Boa menina.
Meredith: E no futuro, adoraria se pudéssemos manter nossa relação estritamente profissional.
Addison: Meredith, às vezes as pessoas fazem coisas desesperadas por um pouco de atenção. Sempre há dois lados para uma história.

Meredith: Me sinto vazia.
Izzie: É o que acontece depois de duas horas vomitando.
Meredith: Ai, eu me sinto vazia.
Cristina: Sortuda, eu me sinto irritada.

Meredith: [evitando Derek] Eu sou uma pia com o ralo aberto. Tudo o que falar sairá direto pelo cano. [sai andando]
George: Ela bem que poderia ter escolhido uma metáfora melhor.
Izzie: Dá um tempo, ela está de ressaca.

Addison: Tivemos sucesso demais, eu você. Ficamos ocupados e preguiçosos. A gente nem preocupava em brigar mais, Derek, e Mark estava lá e eu sentia sua falta e agora eu sinto muito. Eu sinto mais do que você poderia imaginar, mas pelo menos estou falando com você sobre isso.
Derek: Eu sou uma pia com o ralo aberto, Addie.

[Meredith narrando]: Há algo a ser dito sobre um copo cheio só pela metade. Sobre saber quando dizer “basta”. Acho que é um limite controlável. Um barômetro de necessidade e do desejo. Isso compete a cada um. E depende do que está sendo servido. Às vezes tudo o que queremos é um gole. Outras vezes, nada é suficiente. O copo não tem fundo. E tudo o que queremos é mais.

Make Me Lose Control [2.3]Editar

[Meredith narrando]: Cirurgiões são maníacos controladores. Com um bisturi na mão, se sentem imbatíveis. Não há medo, não há dor. Você fica com 3 metros e à prova de bala. E depois você sai da Sala de Operação. E toda aquela perfeição, toda aquela beleza, simplesmente somem.

Cristina: Uhh, uhh, uhh você é idiota. Você é sádica e estúpida e eu quero te matar.
Meredith: Endorfinas são ótimas. Endorfinas elevam seu humor. Dizem que isso nos fará sentir melhor.
Cristina: Oh, Deus. Você se sente melhor?
Meredith: Eu sou burra.
Cristina: Sua amante vagabunda.
Meredith: Sua puta grávida.
Cristina: Dormir com nossos chefes foi uma ótima ideia.
Meredith: Sabe o que está acabado pra mim? Barcas! Eu amava barcas. E Derek tem uma paixão por barcas. Agora toda vez que eu vejo uma maldita barca...
Cristina: Sabe o que está acabado pra mim? Enxerto na artéria coronária! E aneurismas aórticos. Deus, eu amava aneurismas aórticos.
Meredith: Você já chorou?
Cristina: Quê?
Cristina: Acha que nos sentiríamos melhor se chorássemos? Sabe, apenas deixássemos sair?
Meredith: Provavelmente, sim.
Cristina: Quer chorar agora?
Meredith: Não!
Cristina: Ok, vamos correr.

Chief: Eu fiquei sentado em casa por uma semana assistindo Oprah distribuir coisas na TV. Oprah, Derek!

Addison: Sabe, do jeito que eu vejo, nós poderíamos lidar com isso de três formas. Opção um: eu poderia me desculpar, você poderia me perdoar e voltar pra casa e nós poderíamos seguir em frente como adultos. Ou, opção dois, eu poderia me desculpar, você poderia me perdoar, voltar pra casa, mas poderia usar isso contra mim sempre que discutirmos.
Derek: Está tentando ser engraçada?
Addison: Satã tem senso de humor.
Derek: Qual a terceira?
Addison: Não sei qual é a terceira opção. [Addison beija Derek] Só sei que eu ainda amo você.

Izzie: [para Alex] É exatamente sobre isso que estou falando. Por que você tem tanto medo de mostrar as pessoas que você é uma pessoa decente?

Derek: Talvez devesse ter pensado nisso antes de ter dado a chefia ao Burke e convidado Satã a Seattle.
Chief: Satã?
Addison: Bom dia. Richard, gostei do chapéu.
Derek: Satã falando.
Addison: Na verdade, eu prefiro ser chamada de rainha de tudo o que é ruim. [Richard ri] Mas responderei por Satã.

Alex: Você pode falar, sabe, quer dizer, se precisar.
Meredith: Estou bem.
Alex: Você repetiu isso muitas vezes hoje, nem parece mais como uma palavra. Só estou dizendo que pode falar comigo. Porque, sabe, mesmo se eu repetisse cada palavra que disser, ninguém por aqui gosta de mim, eles apenas me chamariam de mentiroso e seguiriam em frente.

Meredith: [chorando, para Derek] Odiar você é exaustivo pra caramba. Eu não quero mais fazer isso.

[Meredith narrando]: Ninguém gosta de perder o controle, mas para um cirurgião não há nada pior. É um sinal de fraqueza, de não se estar à altura do cargo. Ainda assim, há momentos em que tudo escapa ao seu controle. Quando o mundo para de girar e você percebe que o seu bisturi brilhante não irá salvá-lo. Não importa o quanto você lute, você cai. Pelo menos há um lado bom em cair. É a chance que você dá aos seus amigos de te segurarem.


Deny,deny,deny [2.4]Editar

[Meredith narrando]: A chave da sobrevivência para um interno cirúrgico é a negação. Negamos que estamos cansados, negamos que estamos com medo, negamos o quanto queremos o sucesso. E mais importante, negamos que estamos em negação. Nós apenas vemos o que queremos ver e acreditamos no que queremos acreditar, e funciona. Nós mentimos tanto pra nós mesmos que depois de um tempo as mentiras se confundem com a verdade. Negamos tanto que não conseguimos reconhecer a verdade estampada nas nossas caras.

Derek: Addison me beijou. Meredith me beijou. Minha namorada e minha esposa me beijaram no mesmo dia.
Bailey: McDreamy, vá sentar perto de quem se importa.

Addison: Ora, ora, mas que agradável. Posso entrar nessa ou não gostam de ménage à trois?
Meredith: Eu tenho que ir.
Derek: Meredith... [para Addison] Você realmente é o Satã, sabe, né? Se Satã tomasse uma forma física, ele seria você... está em todo lugar, o tempo todo.
Addison: Não sou Satã.
Derek: Por que não subiu na sua vassoura e voltou pra Nova Iorque, onde você pertence?
Addison: Pare de ser vulgar.
Derek: Pare de ser uma vagabunda adúltera.
Addison: Sabia que teve uma época em que você pensou em mim como sua melhor amiga?
Derek: Houve uma época em que pensei em você como o amor da minha vida. As coisas mudam.
Addison: Derek, já pensou que mesmo se eu for Satã e uma vagabunda adúltera, eu ainda posso ser o amor da sua vida?

Meredith: Você tem esposa.
Derek: Sim.
Meredith: Sua vida é complicada.
Derek: Sim.
Meredith: Não preciso de complicação, já tenho complicação demais.
Derek: Sim.
Meredith: Para de dizer sim.
Derek: Tentarei não fazer nenhum movimento brusco.
Meredith: Você acha isso engraçado?
Derek: Addison vai embora. Ela não tem mais nenhum paciente aqui. Não tem motivo pra ela estar aqui.
Meredith: Nenhum?
Derek: Nenhum sequer.

[Meredith narrando]: Às vezes a realidade tem um jeito de chegar e te pegar pelo traseiro. E quando a represa estoura, tudo o que você pode fazer é nadar. O mundo do fingimento é uma jaula, não um casulo. Nós só conseguimos mentir pra nós mesmos por algum tempo. Estamos cansados, estamos com medo, negar não muda a verdade. Mais cedo ou mais tarde, temos que colocar a negação de lado e encarar o mundo, com as pistolas em punho. Negação. Não é um riozinho qualquer, é um baita oceano. Então, como você consegue não se afogar?

Bring the Pain [2.5]Editar

[Meredith narrando]: A dor vem de várias maneiras. Uma pontada, uma dorzinha, uma que vai e volta. Dores normais, nós temos todos os dias. E aí, tem aquela dor que não dá pra ignorar. Um nível de dor tão grande que bloqueia todo o resto; faz o resto do mundo desaparecer até que tudo o que conseguimos pensar é em como dói. Como lidamos com a dor é por nossa conta. Dor. Nós a anestesiamos, aturamos, abraçamos, ignoramos... e para alguns de nós, a melhor maneira de administrá-la é na marra.

[Cristina, Meredith e Izzie estão inclinando as cabeças, assistindo o pornô no quarto do paciente]
Cristina: Isso não parece confortável.
Meredith: Acredite em mim, não é.

Ellis Grey: É horrível ser adulto. Mas o carrossel nunca para de girar. Você não pode descer.

Meredith: [para Derek] Okay, lá vai. Sua escola. É simples, ou ela ou eu. E tenho certeza que ela é ótima. Mas, Derek... eu te amo... de um jeito que me faz fingir gostar do seu gosto musical, deixar você comer o último pedaço de torta, até seguraria um rádio em cima da cabeça em frente a sua janela, tanto que me faz odiar você. Então, me escolha. Me escolha. Me ame. Estarei no Joe hoje de noite. Então, se decidir assinar os papeis, pode me encontrar lá.

Derek: Olha, eu fui casado por 11 anos. Addison é minha família. São 11 Ações de Graça, 11 aniversários, 11 Natais. E aí um dia eu devo simplesmente assinar um pedaço de papel e acabar com minha família? Ninguém faz isso. Não sem um pouco de hesitação. Eu tenho direito a um pouco de dúvida aqui! Pelo menos um momento para entender a magnitude do que significa cortar alguém da minha vida. Eu tenho direito a pelo menos um momento de dúvida cruel. E um pouco do seu entendimento seria legal.

Cristina: Então, é isso. Eu trabalho muito. Eu sou competitiva. Estou sempre certa. E eu ronco.
[Burke parece confuso]
Burke: Quê?
Cristina: Eu tô tentando aqui.
Burke: Ahhhh. Ah.. [finalmente entende] Ah! Ah.
Cristina: É. [ela sorri]
Burke: Então?
Cristina: Certo. Nós somos um casal. Tanto faz. Não faça uma festa por isso. [ela o beija]

Bailey: Ainda não assinou os papéis do divórcio, não é mesmo?
Derek: Bailey, me diga o que fazer. [os dois riem] Deus, por que é que tem que ser tão difícil?
Bailey: Não é difícil. É doloroso, mas não é difícil. Você já sabe o que fazer. Se não soubesse, não estaria sofrendo tanto.

[Meredith narrando]: Dor. Você só tem que enfrenta-la. Esperar que vá embora sozinha. Esperar que a ferida que causou, sare. Não há soluções. Nem respostas fáceis. Você só respira fundo e espera até que passe. Na maioria das vezes, a dor pode ser tratada. Mas às vezes a dor te pega quando você menos espera. Te ataca de modo traiçoeiro e não te deixa. Dor. Você só tem que lutar contra, porque a verdade é que não dá pra se livrar dela. E a vida sempre traz mais.

Into You like A Train [2.6]Editar

[Meredith narrando]: Geralmente, há duas categorias de pessoas – as que amam surpresas e as que não amam. Eu não amo. Nunca conheci um cirurgião que gostasse, porque como cirurgiões, gostamos de estar a par de tudo. Temos que estar, porque quando não estamos, as pessoas morrem e processos acontecem. Estou divagando? Acho que sim. Certo, então, na verdade, meu ponto não tem nada a ver com surpresas ou mortes ou processos, ou mesmo cirurgiões. Meu ponto é que: quem quer que tenha dito: “o que você não sabe não pode te machucar”, era um completo e total idiota. Porque pra maioria das pessoas que conheço, não saber é o pior sentimento do mundo. [vê duas pessoas com uma barra entre elas] Okay, certo. Talvez a segunda pior coisa.

Cristina: Aí está você. Procurei em todos os lugares por você.
Burke: Que foi?
Cristina: Preciso achar a perna desse cara. O chefe vai me expulsar do programa se eu não achar. Não posso voltar a Los Angeles. É ensolarado lá. Todo os dias.
[Burke sorri]
Cristina: O quê? Você é meu namorado! Quer dizer, eu sei que não tenho muita experiência com isso, mas namorados não deveriam ajudar em situações como essa?
Burke: Cristina, quando estamos de plantão eu não posso ser seu namorado.
Cristina: OK, então quando estamos de plantão, eu posso ter sexo com outro?
Burke: [para] Dra. Yang, eu vou embora agora.

Addison: Então, já tomou uma decisão, Dra. Stevens?
Izzie: Como?
Addison: Se vai ou não me odiar. Você não é amiga da Meredith? Eu sou a bruxa má que chegou e estragou a vida dela e traiu o Doutor... espera, como que vocês o chamam?
Izzie: Uh—McDreamy...
Addison: Certo. Deus, isso não o envergonha?
Izzie: É, eu acho que sim.
Addison: Então, quando decidir o quão importante é pra você me odiar, me avise.

Bonnie: [sabendo que está prestes a morrer] Você acredita no Paraíso?
Tom: Sim. E você?
Bonnie: [chorando] Eu quero.

[Meredith narrando]: Como cirurgiões, há muito que devemos saber. Temos que saber que temos o necessário. Temos que saber como cuidar dos nossos pacientes... e como cuidar uns dos outros. Eventualmente, temos que descobrir até mesmo como cuidar de nós mesmos. Como cirurgiões, temos que estar a par. Mas, como seres humanos, às vezes é melhor permanecer no escuro, porque no escuro talvez haja medo, mas também há esperança.

Something to Talk About [2.7]Editar

[Meredith narrando]: Comunicação. É a primeira coisa que aprendemos na vida. O engraçado é que, à medida que crescemos e aprendemos mais palavras e começamos a falar de verdade, mais difícil fica saber o que dizer. Ou pedir o que realmente precisamos.

Bailey: Dê meia volta e se afaste.
Derek: De quê?
Bailey: Da minha interna.
Derek: Não estava indo pra lá.
Bailey: Sim, estava, olha, você não pode fazer isso, não tem o direito, não mais.
Derek: Só quero saber se ela está bem.
Bailey: Não, não está. Ela é um acidente humano, e todos estão desacelerando para olhar os estragos. Ela está fazendo o melhor que pode com o que ainda tem, eu sei que você não consegue ver isso porque está muito envolvido, MAS NÃO PODE AJUDÁ-LA AGORA! Você só vai piorar. Se afaste. Deixa ela melhorar.

Cristina: Eu sou sua melhor interna. E você está me desperdiçando com vômitos e febres, e eu entendo, até mereço, Mas, por favor, não pode me afastar dessa cirurgia. E mereci essa cirurgia. Eu roubei essa cirurgia.
Bailey: Do que está falando, Yang?
Cristina: Você. Me punindo. [Bailey levanta as sobrancelhas se perguntando do que se trata] Você não faz ideia do que estou falando, faz? [Bailey apenas a encara] Bom, então quem tem me bipado o dia todo? As enfermeiras estão me chamando sem parar.
Debbie: [da estação de enfermeiras] Um pouco de respeito e você poderia ter se livrado de um dia muito longo, Dra. Yang.
Bailey: [sorri] Irritou as enfermeiras?.. Burrice...

Alex: Para um beijo ser bom de verdade, deve significar algo. Você quer que seja com alguém que não consegue tirar da cabeça, porque quando seus lábios finalmente se tocarem, você vai sentir em todo lugar. Um beijo tão quente, tão profundo, que você nunca quer se separar. Não pode trair seu primeiro beijo. Acredite em mim. Você não vai querer, porque quando achar aquela pessoa certa, seu primeiro beijo é tudo.

[Meredith narrando]: No fim do dia, há algumas coisas que é inevitável não falar sobre. Algumas coisas que nós simplesmente não queremos ouvir, e algumas coisas que dizemos porque não conseguimos nos calar mais. Algumas coisas são mais do que as que são ditas, são aquelas que você faz. Algumas coisas você diz porque não há outra opção. Algumas coisas você mantém com você. E, não sempre, mas de vez em quando, algumas coisas simplesmente falam por si só.

Let It Be [2.8]Editar

[Meredith narrando]: Na oitava série, minha classe teve que ler “Romeu e Julieta”. Por pontos extras, a Sra. Snyder nos fez atuar todas as partes. Sal Scafarillo foi Romeu. Como o destino quis, eu fui Julieta... todas as outras garotas ficam com inveja, mas eu pensava diferente. Falei para a Sra. Snyder que Julieta era uma idiota. Para começar, ela se apaixonou pelo cara que não podia ter, depois culpou o destino pela sua própria decisão errada. Sra. Snyder me explicou que quando o destino entra, às vezes as escolhas saem pela janela, e que eu teria sorte se um dia sentisse aquele tipo de amor verdadeiro. Na madura idade de 13 anos, eu tinha a clareza de que o amor, como a vida, é sobre tomar decisões. E o destino não tem nada a ver com isso. Todo mundo pensa que é super romântico, Romeu e Julieta, amor verdadeiro, que triste. Se Julieta foi burra o suficiente pra se apaixonar pelo inimigo, beber a garrafa de veneno e ir dormir em um mausoléu, ela mereceu o que recebeu.

Bailey: Estou grávida, seu idiota cego.
Webber: Você o quê?
Bailey: Meu batimento cardíaco é 110, estou queimando 3000 calorias por dia, minhas pernas estão inchadas, estou tendo indigestão e gases. Sabia que carregar um menino no seu útero significa que você queima 10% calorias a mais do que se fosse uma menina? Adivinha o que estou esperando. Tentei por 7 malditos anos e um mês antes de receber minhas respostas sobre as bolsas, o palito fica azul. Homens... desde o começo simplesmente sugam a vida de você. Não vou sair. Estou grávida.

Alex: [se referindo a um paciente que vai remover os seios e ovários para prevenir possível câncer] O negócio é esse: eu gosto dos seus peitos.
Izzie: Deus, o que há de errado com você? Por que você tem que ser tão – qual seu problema?
Alex: Eu gosto dos seus peitos e gostaria de tê-los perto se pudesse, acredite. Mas não seria o fim do mundo se você se livrasse deles... porque, na verdade, eu quero você.
[Izzie bate nele]
Alex: Ow! Por que isso?
[Ela o beija]

[Meredith narrando]: Talvez Romeu e Julieta estivessem destinados a ficarem juntos, mas só por um tempo, e depois o tempo acabou. Se eles soubessem disso antes, talvez tudo tivesse ficado bem. Eu disse a Sra. Snyder que quando eu crescesse, eu faria meu próprio destino. Não deixaria nenhum cara me afogar. Sra. Snyder disse que eu teria sorte se alguma vez tivesse esse tipo de paixão por alguém, e se eu tivesse, nós ficaríamos juntos pra sempre. Até agora, eu acredito que na maioria do tempo, o amor é sobre escolhas. É sobre derramar o veneno e o punhal e fazer seu próprio final feliz... na maior parte do tempo. E, às vezes, apesar de todas as suas melhores escolhas e intenções, o destino ganha de qualquer jeito.

Thanks for the Memories [2.9]Editar

[Meredith narrando]: Gratidão, apreciação, dar graças. Não importa quais palavras você use, todas significam a mesma coisa. Felicidade. Nós temos que estar felizes. Gratos pelos nossos amigos, pela família. Felizes apenas por estarmos vivos. Quer gostemos disso, ou não.

Cristina: [sobre convidar Burke para o jantar de Ação de Graças] O que eu deveria fazer? Afastar meu namorado por causa da Ação de Graças? Eu tentei. Ele não iria se afastar. Ele é como algo grudento que não se afasta.

George: [depois que seu irmão atira no pai por acidente] Você atirou no bumbum do papai. Satisfeito?

Meredith: Me sinto como uma daquelas pessoas que estão tão miseráveis que não podem ficar perto das pessoas normais. Como se fosse infectar as pessoas felizes. Como se eu fosse uma doença transmitível, uma ex-amante suja.

[Meredith narrando]: Talvez não devamos ser felizes. Talvez a gratidão não tenha nada a ver com alegria. Talvez ser grato seja reconhecer o que você tem. Apreciar as pequenas vitórias. Admirar o sacrifício que é simplesmente ser humano. Talvez sejamos gratos pelas coisas familiares que conhecemos. E talvez sejamos gratos pelas coisas que nunca saberemos. No fim do dia, o fato de que temos coragem para ainda estarmos de pé é razão suficiente para celebrar.

Much Too Much [2.10]Editar

[Meredith narrando]: Quando você era criança, eram os doces de Dia das Bruxas. Você escondia dos seus pais e comia até passar mal. Na faculdade, era o pesado combo de juventude, tequila e, bem, você sabe. Como cirurgião, você aproveita cada coisa boa que recebe, porque elas não acontecem tanto quanto deveriam. Porque as coisas boas não são o que parecem. Muito de qualquer coisa, até mesmo de amor, não é sempre uma coisa boa.

Steve: Meredith? Você trabalha aqui?
Meredith: O que está fazendo aqui...hm...Steve?
Steve: Estou tendo um pequeno problema.
Cristina: Steve, Steve?
Steve: Na verdade, eu tenho um grande problema.
[Tira a jaqueta e revela um pênis ereto. Cristina percebe e começa a encarar. Meredith não percebe.]
Meredith: O quê?
Cristina: [ainda encarando] Steve, olá! Cristina.
Steve: Desde quando você... e eu [Meredith segue a visão de Cristina e se espanta]...hm...não vai embora.
Meredith: Cristina!
Cristina: O quê? Está bem aqui, olhando pra mim! Há tantas coisas que eu poderia dizer agora – campeão!

[Meredith narrando]: Como você sabe o quanto é demais? Cedo demais. Informação demais. Diversão demais. Amor demais. Perguntas demais... E quando você sabe que é demais pra suportar?

Owner of a Lonely Heart [2.11]Editar

[Meredith narrando]: 40 anos atrás, os Beatles perguntaram ao mundo uma pergunta simples: eles queriam saber de onde as pessoas solitárias vinham. Minha última teoria é que a maioria dos solitários vêm dos hospitais. Mais precisamente, da ala cirúrgica do hospital. Como cirurgiões, nós ignoramos nossas próprias necessidades para atendermos as necessidades nos nossos pacientes. Ignoramos nossos amigos e familiares para podermos salvar os amigos e familiares de outros. O que quer dizer que, no fim do dia, tudo o que temos é nós mesmos. E nada no mundo pode nos fazer sentir pior do que isso.

Bailey: Estes são os prematuros, eles deviam ter passado mais 8 semanas no útero. Assim como os internos, não estão prontos para o mundo real.

Meredith: Então, está desistindo do trailer.
Derek: Não estou desistindo do trailer. Addison está espalhando isso por aí?
Meredith: Não é engraçado. É só que eu nunca tomei você por esse cara.
Derek: Que cara?
Meredith: Você sabe, o cara da banheira de mármore, piscina privada, condomínio fechado.
Derek: Não me tome por nada. Não sou “tomável”.
Meredith: Está tomado. Lide com isso.

[Meredith narrando]: Há 400 anos, outro inglês bem conhecido tinha uma opinião sobre ser só. John Donne. Ele achava que nunca estávamos sozinhos. Claro que foi mais bonito quando ele disse. “Nenhum homem é uma ilha isolado em si mesmo.” Traduzindo esse papo de ilha, o que ele quis dizer é que tudo o que precisamos é de alguém que venha e nos diga que não estamos sozinhos. E quem disse que esse alguém não pode ter quatro pernas? Alguém pra brincar junto, correr por aí, ou apenas ficar perto.


Grandma Got Run Over by a Reindeer [2.12]Editar

[Meredith narrando]: É um mito urbano a ideia de que há mais suicídios durante os feriados de Natal. Na verdade, há menos. Especialistas dizem que é porque as pessoas estão menos propensas a se matar quando cercados pela família. Ironicamente, essa mesma intimidade familiar é considerada a razão para os índices de depressão.

George: [sobre Dra. Bailey] Olha só a barriga dela! Está quase do tamanho dela!
Meredith: Os tornozelos estão inchados? É por isso que ela está andando assim?
Izzie: O que vai acontecer com a gente quando ela sair?
Cristina: Sair? Ela vai sair?
Meredith: O que você acha que acontece quando as pessoas tiram bebês pela vagina?
George: Vocês acham que vão chamar um novo residente?
Alex: Nah. Nos deixarão correr por aí sem supervisão. Ver quanto estragos conseguimos fazer.
Izzie: É, você entende disso.

George: Bipando Dr. Karevian [risos]
Bailey: O que você disse?
George: Ah-foi só... é só uma piada, Kevorkian, Karevian...Alex Karev?
Bailey: Entendi a piada. Só não achei engraçada. Vê isso, O’Malley? Cometo um erro com esse bisturi e esse homem morre. Meu marido comete erros em seu trabalho o tempo todo. Pelo que eu saiba, ele nunca matou ninguém, mas eu sim. E VOCÊ VAI. E Alex já matou. Ele fez um erro matemático e um homem morreu. Fale com seu contador sobre isso, veja como ele se sentiria se todo erro que cometesse, alguém acabasse morto. Você não precisa gostar do Alex, não tem que se importar com ele, mas pode crer que precisa estar do lado dele.

Addison: Você está triste? Deprimido? O quê? É Natal, Derek. Nós amamos Natal. Ou pelo menos costumávamos amar.
Derek: [para] Não estou dizendo isso pra te magoar, ou porque quero te deixar, porque não é. Meredith não foi um jogo. Não foi vingança. Eu me apaixonei por ela. Isso não muda só porque eu decidi permanecer com você.

[Meredith narrando]: Há um velho provérbio que diz que você não pode escolher sua família. Você recebe o que o destino te dá. E gostando ou não, amando ou não, entendendo ou não, você lida com eles. E aí tem uma escola de pensamento que diz que a família com que nasceu é apenas um ponto de partida. Eles te alimentam, te vestem, e cuidam de você até que esteja pronto para ir pro mundo e achar sua própria tribo.

Begin the Begin [2.13]Editar

[Meredith narrando]: Novos começos, graças ao calendário, acontecem todos os anos – é só acertar o relógio para Janeiro, nossa recompensa por sobreviver a temporada de feriados é um ano novo. Trazendo a velha tradição das resoluções de Ano Novo. Deixar o passado para trás e começar de novo. É difícil resistir a chance de um novo começo. Uma chance de colocar os problemas do ano passado para dormir.

Meredith: Que cachorro bonzinho! Quem é um bom cachorro? [se vira e vê Izzie e George] Ei, o que estão fazendo? Vamos nos atrasar.
George: Hm, precisamos conversar sobre o cachorro.
Izzie: Isso não é um cachorro. É uma hiena que escapou do zoológico vestida de cachorro.
George: Tanto faz. Eu não mastigo as roupas dele. Não urino na sua cama. Não tento montá-lo por trás.
Meredith: Gente, ele é nosso cachorro. Nós o amamos e ele nos ama.
Izzie: Ele monta você por trás?
George: Tenta. Eu disse tenta.

Derek: [para Addison] Há uma ilha chamada Passiva Agressiva, e você é a rainha.
Addison: Estou bem.
Derek: Não quando grita sobre uma truta.
Addison: Não foi por isso.
Derek: Está certa, não foi. Estava gritando por causa de Meredith.
Addison: Não, estava gritando por causa do trailer. Eu odeio o trailer.
Derek: Ah, tá certo, então as últimas três semanas têm sido sobre o trailer, e não sobre o fato de ter dito que amo a Meredith.
Addison: Amava – você disse que amava, no passado.
Derek: Sim, claro, no passado.
Addison: Bom, então eu tenho gritado sobre o trailer.

[Meredith narrando]: Quem determina quando o velho acaba e o novo começa? Não é um dia no calendário, não é um aniversário, nem um ano novo. É um acontecimento – grande ou pequeno, algo que nos muda, que nos dá esperança, uma nova maneira de viver e olhar pro mundo. Abandonar os velhos hábitos, velhas memórias. O importante é que nunca deixemos de acreditar que podemos ter um novo começo. Mas também é importante lembrar que entre todas as coisas ruins, há algumas coisas que valem a pena guardar.

Tell Me Sweet Little Lies [2.14]Editar

[Meredith narrando]: Como médicos, somos treinados para sermos céticos, porque nossos pacientes mentem pra gente o tempo todo. A regra é que todo paciente é mentiroso até que se prove o contrário. Mentir é ruim. Pelo menos é o que nos é dito constantemente desde o nascimento – honestidade é melhor. A verdade vos libertará. Quem diz a verdade não merece castigo. O que seja. O fato é que mentir é uma necessidade. Mentimos para nós mesmos porque a verdade... a verdade dói pra caramba.

Cristina: Estamos em um elevador. É sua especialidade, certo? Seus momentos “McDreamy” no elevador?
Derek: Dr. Yang...
Cristina: Quer saber? Por um momento, eu não sou a Dra. Yang e você não é o Dr. Shepherd. Você é o cara que machucou minha amiga. O cara que a fez arrumar um cachorro que não consegue manter, um cachorro que ela só pegou porque o namorado mentiu sobre sua esposa.

Bailey: Posso estar com 47 semanas de gravidez. Posso estar em casa descansando. Posso não poder ver meus próprios pés. Mas eu sou Dra. Bailey. Eu ouço tudo. Eu sei de tudo. Estou observando cada um de vocês. E eu voltarei.

George: [para Meredith]: Não pode escolher. Eu sei que está passando por um momento difícil. Eu sei que sente falta do Shepherd. E eu sei que sua vida não está nada agradável ultimamente. Merece pontos apenas por estar respirando. Merece ser um pouco egoísta. Mas não pode preferir um cachorro a mim... Eu sou o George! Durmo no quarto próximo ao seu. Compro seus absorventes. Segurei sua mão todas as vezes que pediu. Eu ganhei o direito de ser notado. De ser respeitado. De você não pensar em mim como menos do que um cachorro que arrumou no depósito. Por isso, eu não vou me mudar. Quer você goste ou não, eu vou ficar.

[Meredith narrando]: Não importa o quanto tentemos ignorar ou negar, eventualmente as mentiras vão embora, quer você goste ou não. Mas aqui está a verdade sobre a verdade: ela dói. Então, mentimos.

Break On Through [2.15]Editar

[Meredith narrando]: Na cirurgia, existe uma linha vermelha no chão que marca o ponto de onde o hospital passa de ser acessível a ser proibido para todos, exceto alguns poucos e especiais. Cruzar esta linha sem autorização não é tolerado. Geralmente, as linhas estão lá por uma razão. Por segurança. Por garantia. Por clareza. Se você escolher cruzar a linha, você faz por seu risco e conta. Então por que é que, quanto maior a linha, maior a tentação de cruzá-la?

George: Meu pai é caminhoneiro, minha mãe é professora. Se eles me virem no jornal, cruzando essa linha, esles viverão mais do que eu para mijar no meu túmulo.

Webber: Precisamos de mais 40 enfermeiras para aliviar as horas extras que reclamam. São cerca de 2 milhões de dólares por ano que não temos.
Derek: Já olhou embaixo do sofá? Sempre acho uns trocados embaixo das almofadas.

George: [depois que Meredith e Izzie vão pra cama dele] O que aconteceu hoje?
Izzie: Nada.
Meredith: Nada.
George: Okay.
Izzie: Nós não sabemos tudo um sobre o outro, George.
Meredith: É.
George: Verdade... alguém quer ter sexo?

[Meredith narrando]: Não conseguimos evitar. Vemos uma linha, queremos cruzá-la. Talvez seja a emoção de trocar o familiar pelo desconhecido. Meio que uma aposta pessoal. O único problema é que quando você cruza, é quase impossível de voltar atrás. Mas, se você conseguir, vai se sentir segura na companhia de tantos outros.

It's the End of the World [2.16]Editar

[Meredith narrando]: É um olhar que os pacientes adquirem. Um cheiro. O cheiro da morte. Um tipo de sexto sentido. Quando o além está vindo na sua direção, você sente. O que é que você sempre sonhou em fazer antes de morrer?

Cristina: Você tem um sentimento?
Meredith: Sim.
Cristina: Okay, que tipo de sentimento?
Meredith: Como se eu fosse morrer.
Cristina: Hoje? Amanhã? Em 50 anos? Todos vamos morrer um dia. Agora estamos atrasadas! Vamos!
Meredith: Cristina. Para!
Cristina: Essa sou eu dando força.
Meredith: Sério?
Cristina: Tá, tudo bem, estou aqui. Fala.
Meredith: OK. O homem que eu amo tem uma esposa e preferiu ela a mim. E a esposa pegou meu cachorro – ok, ela não pegou meu cachorro, eu dei pra ela, mas eu não quis dar pra ela, quis dar pra ele. Mas isso não muda o fato que ela tem meu McSonho. E meu McCachorro. Ela tem minha McVida! E sabe o que eu tenho? Eu não consigo nem lembrar da última vez que nos beijamos. Porque você nunca acha que a última vez vai ser a última vez, você acha que terá mais. Acha que tem a eternidade, mas não tem. E o meu condicionador parou de funcionar e eu acho que tenho ossos frágeis. Eu só, só preciso que algo aconteça. Preciso de um sinal de que as coisas vão mudar. Preciso de um motivo pra seguir. Preciso de alguma esperança. E, na ausência de esperança, eu vou ficar na cama e sentir como se fosse morrer hoje.
Cristina: [joga o cobertor no chão] Tanto faz, todo mundo tem problemas. Agora, tira a bunda da cama e vamos pro trabalho. AGORA! Anda! Anda! Anda! [abre a porta e vê Izzie e George] Estamos prontas pra ir.

Derek: Bailey voltou? [corre para a porta, mas para quando olha pela janela] E seu cerviz está sendo examinado pela minha esposa, uma visão que nunca tirarei da minha cabeça. Graças a você.

Bailey: O que vocês estão fazendo aqui?
Webber: Você está bem? Posso trazer alguma coisa?
Bailey: Um menino do tamanho de uma bola de boliche está tentando sair do meu corpo. Pode me conseguir uma vagina nova?
Chief: Bem...
Bailey: Foi o que eu pensei.

Izzie: Alex.
Alex: O quão louco é isso? Mano, é como o Apocalipse.
Izzie: Alex.
Alex: Sério. Olhe em volta. Metade das pessoas que deveriam estar salvando vidas, deixaram o prédio pra salvar a si mesmos. O marido de Bailey quase morreu no caminho pra ver seu filho nascendo. As gêmeas chatas estão nas salas de operação com um cara que pode, literalmente, explodir nas suas caras. Parece uma funerária. As pessoas deviam pegar o que puderem enquanto podem. Talvez não haja um amanhã...
Izzie: Alex!
[corta para os armários]
Izzie: Tire as calças.
Alex: Izzie, o que está fazendo?
Izzie: Sendo gente que faz. Pegando enquanto posso. Agora, tire as calças.
Alex: Você sabe que quando eu me referi ao Apocalipse mais cedo, quis dizer metaforicamente e não literalmente, né?
Izzie: Alex, não tenho transado faz oito meses e doze dias. Estou com tesão, seminua e dizendo sim. Você quer ficar aí falando sobre metáforas, ou quer, literalmente, tirar as calças?

As We Know It [2.17]Editar

[Meredith narrando]: Nos hospitais, eles dizem que você sabe. Você sabe quando vai morrer. Alguns médicos dizem que é um olhar que os pacientes adquirem. Alguns dizem que há um cheiro, o cheiro da morte. Alguns dizem que há um tipo de sexto sentido. Quando o além está vindo na sua direção, você sente. O quer que seja, é assustador. Porque se você sabe, o que faz com isso? Esquece sobre o fato de que está completamente assustado. Se soubesse que é seu último dia na Terra, como gostaria de vive-lo?

Meredith: Cristina. Minha mão está na bomba. Estou em pânico. E, mais importante, eu realmente preciso fazer xixi. Me diga qualquer coisa.
Cristina: Ele disse que me amava. Ontem à noite, ele achou que eu estava dormindo, mas o ouvi dizendo.
Meredith: Burke ama você.
Cristina: Sim. [Para Dylan] Cuida da sua vida.
Meredith: Burke ama você!
Cristina: Sim, todo mundo tem problemas.
Meredith: Bem, você vai dizer de volta, ou-
Cristina: Claro que não! Ele não disse pra mim, disse enquanto eu estava dormindo! Não é preciso reciprocidade. Além do mais, ele pode explodir.
Meredith: Excelente ponto.
[a maca bate num batente no chão]
Dylan: Tudo bem. Vamos manter um pé atrás do outro. Tranquilo e calmo. Tudo bem, Meredith? Estamos quase lá.
Meredith: Okay.
Dylan: Estamos quase lá. Calmo e fácil, certo? Tudo bem, vamos. Calmo e tranquilo.
Cristina: Tinha que dizer que ia morrer hoje.
Meredith: Eu avisei.

George: Dra. Bailey, ei, eu posso ver a cabeça. Ele tem um monte de cabelo. Ele é fofo.
Bailey: O'Malley!
George: Sim?
Bailey: Pare de olhar pra minha vagina!
George: [olhando pra longe] Sim, senhora.

Meredith: Hey.
Derek: Hey. Você quase morreu hoje.
Meredith: É, eu quase morri hoje. [Derek fica sem palavras e começa a ir para a porta] Não consigo, eu não consigo lembrar do nosso último beijo. Tudo o que eu estava pensando era que ia morrer hoje sem conseguir lembrar do nosso último beijo. O que é patético, mas eu quero ser capaz de lembrar da última vez que estivemos juntos e felizes, mas não consigo. Não consigo lembrar.
Derek: Que bom que não morreu hoje. [começa a sair, mas para] Foi numa Quinta de anhã. Você estava com aquela camiseta velha da Dartmouth que fica tão bem em você. Aquela com o buraco atrás da nuca. Tinha acabado de lavar o cabelo e cheirava a algum tipo de flor. Eu estava atrasado pra uma cirurgia, você disse que me veria mais tarde, e se apoiou em mim, colocou a mão no meu peito e me beijou. Levemente. Rápido. Como um hábito. Sabe, como se fôssemos fazer isso todos os dias pelo resto das nossas vidas. E você voltou a ler o jornal e eu saí para o trabalho. Essa foi a última vez que nos beijamos. [Derek começa a sair]
Meredith: Lavanda. Meu cabelo cheirava a lavanda... por causa do condicionador.
Derek: Lavanda. Hm. [sorri e depois sai]

Yesterday [2.18]Editar

[Meredith narrando]: Depois de uma cuidadosa consideração e muitas noites sem dormir, aqui o que eu decidi. Adultos não existem. Seguimos em frente, partimos pro mundo, deixamos nossas famílias e formamos nossas próprias. Mas as inseguranças básicas, os medos básicos e todas aquelas velhas feridas crescem com a gente. E justo quando achamos que a vida e as circunstâncias nos forçaram a finalmente e realmente viramos adultos, sua mãe diz algo assim. Ou pior, algo assim. Nós ficamos maiores, mais altos, mais velhos. Mas, na maioria das vezes, nós ainda somos um monte de crianças, correndo pelo parquinho, tentando desesperadamente nos encaixar.

Webber: Batendo em pessoas no meu andar cirúrgico. Meu chefe da neurocirurgia batendo nas pessoas no meu andar cirúrgico.
Addison: Ponha gelo na mão.
Derek: Minha mãe está ótima.
Chief: Ponha o maldito gelo na sua mão de 2 milhões por ano! Agora, alguém pode me explicar o que diabos aconteceu?
Addison: Aquele era o Mark
Chief: Quem é Mark?
Addison: Ele e Derek trabalhavam juntos em Nova Iorque. E eles, nós, éramos amigos próximos. Até que Derek nos pegou na cama juntos.
Chief: Você bateu com toda sua força?
Derek: Sim, senhor.
Chief: Bem, tudo bem então.

George: Por que ele está suturando a própria cara?
Cristina: Pra me deixar excitada.
Alex: Porque ele é Mark Sloan. Ele é tipo o melhor cirurgião plástico da costa oeste.
George: Era com ele que Addison estava dormindo?
Izzie: Não dá pra realmente culpa-la, dá?
Cristina: Não, não mesmo.
George: Sim, dá.
Meredith: McSexy quer um raio-X pra checar alguma fratura e eu não acho uma boa ideia se eu fizer.
George: Por que? Por que?
Alex: Eu faço.
George: Por que é uma má ideia?
Cristina: McSexy?
Meredith: Não?
Izzie: McYummy?
Meredith e Cristina: Não.
Meredith: McSteamy.
Cristina: Aw, aí sim.
Izzie: Aham.
George: [tosse] Apenas engolindo algum... McVomito.

Izzie: Sabe quando não transa por um tempo, e meio que esquece como é bom e você não precisa tanto assim?
George: É, não acontece com caras.
Izzie: É como uma besta, uma besta que estava adormecida por um LONGO tempo, e agora a besta está bem acordada e quer ser alimentada. E a comida que Alex deu estava ótima. Ótima comida, George.
George: Algo precisa ser feito sobre o seu gosto.

[Meredith narrando]: Ouvi que é possível crescer, só que nunca conheci alguém que o tenha feito. Sem os pais por perto, nós quebramos as regras que criamos para nós mesmos. Ficamos petulantes quando as coisas não saem como queremos. Sussurramos segredos com nosso melhor amigo, no escuro. Procuramos por conforto onde conseguimos achar. E, esperamos que contra toda a lógica, experiência, como crianças, que nunca desistamos de ter esperança.

What Have I Done To Deserve This? [2.19]Editar

[George narrando]: Certo, então às vezes, até o melhor de nós toma decisões apressadas. Decisões ruins. Decisões que sabemos muito bem que vamos nos arrepender no momento, no minuto e, especialmente, na manhã seguinte. Quer dizer, talvez não se arrepender, arrepender, porque pelo menos nos colocamos lá fora. Mas... ainda assim. Algo dentro de nós decide fazer uma coisa louca. Uma coisa que sabemos que vai voltar e nos morder no bumbum. Porém, fazemos do mesmo jeito. O que estou dizendo é que nós colhemos o que plantamos. O que vai, volta. É o carma, e, não importa a forma, carma é uma droga.

George: É só que, eu acredito em Carma. Sabe, coisas boas acontecem a pessoas boas. Pelo menos, eu achava que era assim que o universo funcionava.
Cristina: Como pensa isso e pratica medicina?
George: Certo! Não estou dizendo que todo mundo que fica doente, ou todo mundo que morre é ruim. Eu acho que há uma balança. Ou deveria haver. Deveria haver algum tipo de balança. É isso.
Burke: Meu Deus, O'Malley, o que foi que a Grey fez com você?

Alex: Tudo bem. Então você dormiu com O’Malley. Grande coisa. Pode superar.
Meredith: Ele disse?
Alex: Quê? Não. Eu, eu tava brincando! Bom, não é como se eu devesse estar supreso.
Meredith: Por que não?
Alex: Porque quando a sua vida está ruim, você fica bêbada e dorme com homens inapropriados. É sua coisa. Que seja. Acho um charme.
Meredith: Bom, você dorme com mulheres inapropriadas enquanto está sóbrio.
Alex: Hey! Izzie me perdoou por aquilo! Por que está tentando me irritar?
Meredith: Está tentando sugerir que tudo bem você dormir com Olivia, mas não está tudo bem eu dormir com George.
[George entra]
George: Falou pra ele?!
Meredith: George espera! Não é o que você pensa!
George: Nossa, quando estou errado sobre alguém, estou realmente errado!
Alex: Cara! Calma!
George: EU NÃO – EU NÃO VOU ME ACALMAR
Izzie e Cristina: Que foi?
Alex: O bebê está doido!
Izzie: Podemos ver isso –
Izzie e Cristina: Por que está ficando doido?
Meredith: George! Espera, precisamos conversar sobre isso!
George: É, você quer falar agora, depois de ter dito a todo mundo que nós transamos!
Izzie: Vocês transaram?
Cristina: Você transou com George?
George: Não falou pra elas?
Meredith: Não.
George: DROGA!

[George narrando]: De um jeito ou de outro, nosso carma nos obrigará a nos encarar de frente. Podemos olhar nosso carma nos olhos ou podemos esperar que ele apareça por trás. De um jeito ou de outro, ele irá nos achar. E a verdade é, como cirurgiões, nós temos mais chances do que a maioria de ajustar a balança a nosso favor. Não importa o quanto tentemos, não podemos escapar dele. Nos segue até em casa. Acho que não podemos reclamar sobre ele. Não é injusto. Não é inesperado. Apenas... ajusta o placar. E mesmo quando estamos prestes a fazer alguma coisa que sabemos que irá provocá-lo... bem, não preciso nem dizer. Fazemos de qualquer jeito.

Band Aid Covers the Bullet Hole [2.20]Editar

[Meredith narrando]: Como médicos, os pacientes sempre estão nos dizendo como fazer nosso trabalho. Apenas dê uns pontos, coloque um band-aid e me mande pra casa. É fácil sugerir uma solução rápida quando você não entende a causa subjacente ou o quão profundo é o problema. O primeiro passo para uma cura real é saber exatamente qual é a doença em questão. Mas não é isso que as pessoas querem ouvir. Nós devemos esquecer o passado que nos levou aqui, ignorar as futuras complicações que podem chegar e procurar a solução rápida.

[Meredith narrando]: Como médicos, como amigos, como seres humanos, nós todos tentamos fazer o melhor que podemos. Mas o mundo está cheio de viradas inesperadas. E justo quando você tem tudo sob controle, a terra sob seus pés desaparece. E tira você do chão. Se você for sortudo, acabará com nada mais do que uma ferida na pele, algo que um band-aid cobrirá. Mas, algumas feridas são mais fundas do que parecem e requerem mais do que um simples cuidado. Com algumas feridas, você tem que arrancar o band-aid, deixa-la respirar, e dar um tempo para sarar.

Superstition [2.21]Editar

[Meredith narrando]: No campus da minha faculdade tem uma estátua mágica. É uma velha tradição que os alunos esfreguem o nariz nela pra dar boa sorte. Meu novo colega de quarto realmente acreditava no poder da estátua e insistia em visita-la pra esfregar o nariz antes de toda prova. Estudar poderia ter sido uma ideia melhor, ela reprovou no segundo ano. O fato é que todos nós temos pequenas superstições. Se não acreditar em estátuas mágicas, é evitar as rachaduras na calçada ou sempre colocar primeiro o sapato esquerdo. Bata na madeira. Se pisar na rachadura, quebrará as costas da sua mãe. A última coisa que queremos é ofender aos deuses.

Derek: Ah! Sorte liquida.
Addison: Aham
Derek: Você deu uma a Meredith.
Addison: Dei, no espírito da amizade.
Derek: Hmmm.
Addison: O quê, não estamos mais sendo amigos de Meredith?
Derek: Não, não, estamos. Meredith e eu somos amigos.
Addison: E você e eu somos casados. Então, por associação, Meredith e eu somos amigas.
Derek: Isso é muito bacana da sua parte.
Addison: Sim.
Derek: Não precisa fazer isso. Não é como se eu fosse ser amigo com... vejamos... Mark.
Addison: É, bem, nem eu. Agora, beba sua sorte antes que mais alguém morra.

Cristina: Ótimo. Sem sangue, sem tripas, sem vidas pra salvar. Está morbidamente quieto.
Bailey: Hm, você realmente disse isso?
Izzie: Cristina!
Cristina: O quê?
George: Você disse a palavra que começa com “m”.
Izzie: É como dizer “Macbeth” no teatro.
Cristina: Por favor. Não é porque alguém diz que está quieto que significa-
[todas as portas se abrem]
Cristina: Coincidência?

[Meredith narrando]: A superstição fica no espaço entre o que você consegue controlar e o que não consegue. Ache um centavo, apanhe-o e terás sorte o dia todo. Ninguém quer estragar uma chance de ter boa sorte. Mas será que repetir isso 33 vezes realmente ajuda? Será que alguém está ouvindo? E se ninguém estiver ouvindo, então por que nos incomodamos em fazer essas coisas estranhas? Nos apoiamos em superstições porque somos inteligentes o suficiente pra saber que não temos todas as respostas. E que a vida trabalha de formas misteriosas. Não passe a sorte, não importa de onde venha.

Name of the Game [2.22]Editar

[Meredith narrando]: Um bom jogo de basquete pode nos deixar com o coração na boca. Nos jogos esportivos o que importa é a glória, a dor e cada uma das jogadas. Mas também existem os jogos mais solitários. Aqueles que jogamos sozinhos. Os jogos sociais, os jogos da mente. Nós os usamos como passatempo para deixar a vida mais interessante. Para nos distrair do que realmente está acontecendo. Existem aqueles de nós que adoram jogar, qualquer jogo. E há aqueles de nós que adoram jogar... um pouco demais.

Alex: Então, esse lance de mentir está funcionando bem pra você?
Mãe com câncer: O quê?
Alex: Olha, você está prestes a morrer logo. Entende isso, certo? Não há nada bonito sobre isso.
Mãe com câncer: Você não é mãe. Não sabe como é segurar sua bebê recém-nascida nos braços e cheirar o topo de sua cabeça e sentir que o seu único trabalho no mundo é protege-la.
Alex: Você acha que está protegendo ela.
Mãe com câncer: Estou protegendo ela.
Alex: Bom, acho que pode chamar isso como quiser. Mas deveria saber que está deixando pra trás uma criança que provavelmente a odiará pelo resto da vida.
Burke: Ahem... Dr. Karev.
Alex: Não, eu estou falando.
Burke: Como é?
Alex: Eu digo a verdade. É o que eu faço. Não faz de mim um médico ruim. Todo mundo mente por aqui. Nós dizemos a um paciente que está morrendo que há esperança, quando não há nenhuma. Talvez eu seja um porco, imbecil e talvez eu seja um verme como todos dizem. Mas eu digo a verdade a eles, é o que tenho a meu favor. E você não pode tirar isso de mim e chamar de uma lição. Senhor.

[Meredith narrando]: A vida não é um espectador esportivo. Ganhar, perder ou empatar. O jogo está em progresso, quer queiramos ou não. Então, vá em frente. Grite com os juízes, mude as regras, roube um pouco, tire um descanso e cuide das suas feridas. Mas jogue. Jogue. Jogue muito e rápido. Jogue livre e à vontade. Jogue como se não houvesse amanhã. Okay, não se trata de vencer ou perder, mas sim de como se joga... certo?

Blues For Sister Someone [2.23]Editar

[Meredith narrando]: O segredo para ser um interno de sucesso é do que temos que desistir: sono, amigos ou uma vida normal. Sacrificamos tudo isso por aquele momento maravilhoso, aquele em que você pode oficialmente se chamar de cirurgião. Há dias em que os sacrifícios parecem valer a pena. E há aqueles dias em que tudo parece um sacrifício. E então há aqueles sacrifícios que você não consegue lembrar porque está fazendo.

[Meredith narrando]: Um sábio homem um dia disse: “Você pode ter qualquer coisa na vida se estiver disposto a sacrificar todo o resto.” O que ele quis dizer foi que nada vem sem um preço. Então, antes de ir à luta, é melhor decidir o quanto está disposto a perder. Muitas vezes, ir atrás do que parece bom significa deixar ir o que você sabe que é certo. E deixar alguém entrar significa abandonar os muros que passou uma vida para construir. Claro que os piores sacrifícios são aqueles que não previmos. Quando não temos tempo de planejar uma estratégia para escolher um lado ou para medir as potenciais perdas. Quando isso acontece, quando a batalha te escolhe e não o contrário, é aí que o sacrifício pode se tornar algo mais do que podemos tolerar.

Damage Case [2.24]Editar

[Meredith narrando]: Passamos a vida nos comportando como touros em uma loja de porcelana. Partimos algo aqui, quebramos ali. Estamos sempre nos machucando, e aos outros. O problema é tentar entender como controlar os danos que causamos ou que nos foi causado. Às vezes, os danos nos pegam de surpresa. Às vezes, achamos que podemos concertá-lo. E, às vezes, o dano é algo que nem conseguimos ver.

Meredith: Eu não devia ter te contado sobre George.
Derek: Não, tudo bem. Que bom que eu sei sobre ele. E o veterinário. Você realmente se diverte.
Meredith: O que acabou de me dizer?
Derek: É imperdoável.
Meredith: Não me lembro de ter pedido o seu perdão.
Derek: Então o tricô foi uma fase? Quem é o próximo? Alex? Porque soube que ele gosta de dormir por aí. Você dois têm isso em comum.
[Derek começa a sair, Meredith o agarra e ele vira]
Meredith: Você não pode me chamar de puta. Quando eu conheci você, achei que tinha achado a pessoa que eu iria passar o resto da minha vida junto. Tinha cansado de todos os caras e bares e dos óbvios problemas paternos. Quem se importava? Porque eu estava cansada. Você me deixou, escolheu Addison. E eu estou toda colada de volta agora. Não me desculpo por como eu escolhi reparar o que você quebrou. Você não tem o direito de me chamar de puta.
Derek: As coisas entre nós estão acabadas. Acabou.
Meredith: Finalmente.
Derek: É. Acabou.
Meredith: Acabou.
[Derek sai, deixando Meredith sozinha. Ela começa a desmoronar enquanto sai]

[Izzie fecha as cortinas do quarto de Denny e começa a tirar os sapatos]
Denny: Você vai ter problemas.
Izzie: Não me importo.
Denny: Não vou me alegrar pra você.
Izzie: Não precisa. Não estou aqui por mim. [sobre na cama com Denny] Estou aqui por você. Certo?
Denny: Certo.

Cristina: Pessoas! Que tristeza horrível é essa? Cada um cuida da sua vida.
George: Você está animada.
Cristina: Oh.
Izzie: Está mesmo. Como é possível?
Cristina: Participei de uma cirurgia de quatro horas de hérnia de hiato ontem, e depois transei. E agora, três ambulâncias estão chegando cheias de vítimas sangrentas de um acidente e carro, todas precisarão ser abertas. Então, estou feliz! Estou feliz! Estou muito feliz! Estou feliz! Eu felicíssima!

[Meredith narrando]: Estamos todos machucados, parece. Alguns de nós mais do que outros. Carregamos os machucados com a gente desde a infância, depois como adultos. Melhoramos como podemos. Por fim, todos machucamos. E depois, resolvemos sobre como concertar o que podemos.

17 Seconds [2.25]Editar

[Meredith narrando]: Na vida, somos ensinados que existem sete pecados mortais. Conhecemos todos os grandes... gula, orgulho, luxúria. Mas o que você não ouve muito é sobre raiva. Talvez porque achemos que a raiva não é tão perigosa, que dá pra controlar. Meu ponto é que talvez não demos a raiva crédito o suficiente. Talvez seja mais perigosa do que se pense. Afinal de contas, quando se trata de comportamento destrutivo, ela chegou no top sete.

Addison: Eu sei o que vai dizer, Richard, mas se soubesse do dia que eu tive...
Webber: Todos nesse hospital têm dias assim, Addison, e ninguém faz uma cena na frente de seus colegas. Se recomponha, Addison...
Addison: Não posso competir. Ele não está tendo um caso. Não está tentando me machucar. Ele só... hm [lri] As únicas pessoas que não sabem que Derek ama Meredith são Derek e Meredith. Como eu compito com isso?

Denny: Izzie! Izzie, pare e me ouça. Não vamos fazer isso.
Izzie: Não se preocupe. Você não vai morrer. Eu vou ficar aqui o tempo todo pra garantir isso. E é pra isso que isso serve.
Denny: Isso não é sobre eu morrer, certo? Isso é errado.
Izzie: Você esperou 1 anos e meio por essa coisa. Quem sabe quando o próximo vai vir?
Denny: Aceito minhas chances.
Izzie: Não. Talvez seja tarde demais.
Denny: Então que seja. Tudo bem. Agora tire essa coisa daqui!
Izzie: Denny, por favor. Você tem que fazer isso.
Denny: Não, Izzie! Eu não vou roubar o coração de outro homem! Sem mencionar que isso será o fim da sua carreira médica.
Izzie: Não me importo com minha carreira médica.
Denny: Certo, quer saber? Isso já foi longe o bastante. Vou chamar uma enfermeira.
Izzie: Todos que entram na lista de transplante são diferenciados por segundos. Por segundos, Denny. Você foi diferenciado por segundos, assim como o outro cara. Eu chequei com a UNOS. A diferença entre vocês dois foi de 17 segundos. Só isso, Denny, 17 segundos. Quer dizer, não é nem a duração de um beijo decente. Então, não estou dizendo que esse outro cara não merece esse coração. Tenho certeza que merece, mas você também! Você também. E se você me disser mais alguma besteira sobre seguir a luz ou me olhar do céu, eu juro que vou matar você agora mesmo!
Denny: Izzie... eu vou ficar bem. Tá? Não precisa se preocupar.
Izzie: E eu? E como eu fico quando você for pra luz?
Denny: Izzie...
Izzie: [começando a chorar] Não, eu entendo! Ok? Eu entendo. Você vai ficar bem, mas e eu? Então, não faça isso por você, faça por mim! Por favor! Por favor, Denny! Por favor, faça por mim! Porque se você morrer, Deus... você precisa fazer isso! Precisa fazer isso por mim ou eu nunca poderei te perdoar!
Denny: Por morrer?
Izzie: Não! Por me fazer amar você! Por favor! Por favor faça por mim, ok? Por favor? Ok, eu não consigo fazer sem você! Por favor, faça por mim, eu não consigo sem você. Por favor?
Denny: OK. OK, eu faço.

Derek: O que quer de mim, Addison?
Addison: Quero que você se importe! Eu durmo com seu melhor amigo e você vai embora. Ele vem aqui de Nova Iorque e esfrega isso na sua cara, e você ainda tem uma boa noite de sono. O que eu tenho que fazer? Ah, já sei. Talvez eu deva ir a um encontro com o veterinário, porque isso parece ser algo que realmente o incomoda. Ah, mas espera, isso também não vai funcionar porque eu não sou Meredith Grey!
[Eles percebem que tem audiência, incluindo Meredith]

[Meredith narrando]: Então qual a diferença entre a raiva e os outros seis sentidos? É bem simples, na verdade. Com a inveja ou o orgulho, você só machuca a si mesmo. Tente luxuria ou cobiça e você só machuca a si mesmo e provavelmente mais um ou dois outros. Mas com a raiva, a raiva é a pior... a mãe de todos os pecados... Ela não coloca apenas você no extremo, como carrega um monte de outras pessoas junto.

Deterioration of the Fight or Flight Response/Losing My Religion [2.26/27]Editar

[narração]
Meredith: Seres humanos precisam de muitas coisas para se sentirem vivos.
George: Família...
Cristina: Amor...
Izzie: Sexo.
Derek: Mas precisamos de apenas uma coisa...
Burke: Para realmente estarmos vivos.
Cristina: Precisamos de um coração batendo.
Addison: Quando nosso coração está ameaçado...
Alex: respondemos de uma das duas formas.
George: Nós corremos...
Derek: Ou...
Izzie: atacamos.
Webber: Há um termo cientifico para isso:
Alex: Lutar...
Addison: ou fugir.
Bailey: É instintivo...
Meredith: Não podemos controlar.
Izzie: Ou podemos?

Bailey: Cadê Cristina? Cadê todos os bajuladores?
Burke: Como?
Bailey: Meus internos. Meus puxa-sacos, cirurgiões famintos, competitivos bajuladores? Onde estão? Por que não estão aqui te enchendo de gelo e morfina? Por que não estão aqui bajulando? [Burke evita seus olhos e não responde] Você sabe de algo.
Burke: Sou um paciente.
Bailey: Preston Xavier Burke, o que você fez com meus bajuladores?

Denny: O quê? Você gosta de homens doentes e débeis? Não gosta de caras saudáveis?
Izzie: Gosto de você.
Denny: Então por que está toda trêmula e nervosa?
Izzie: Não estou.
Denny: É porque eu pedi pra você casar comigo.
Izzie: Então você se lembra disso?
Denny: Não é o tipo de coisa que eu esqueceria.
Izzie: É. Denny, hm, estou te dando uma saída.
Denny: Quê?
Izzie: Bem, estou te dando uma saída. Você achou que estava morrendo e eu estava salvando sua vida, e bem, foi tudo tão... [engasga] Não podemos nos casar. Quer dizer, seria loucura. Deveríamos namorar, e transar. Transar muito. Sabe, quando seu coração ficar melhor e você sair do hospital, todo o sexo que puder aguentar. Mas casamento, hm, casamento...
Denny: Okay, minha vez agora.
Izzie: Mas eu preciso...
Denny: Não, não. Estamos indo por vez. Eu decidi. É educado e me impede de gritar. Quando for sua vez de novo, você pode falar. [para] Por quatro anos, eu tive que viver pelas escolhas dos meus médicos. Os caras que me abriram decidiram minha vida, nenhuma escolha foi minha. E agora, eu tenho esse coração que bate e funciona. Eu posso ser como todos os outros, posso tomar minhas próprias decisões, ter minha própria vida, fazer o que eu quiser. Agora, aqui está a parte boa, então ouça bem. O que eu escolho é você. É com você que eu quero acordar e ir dormir e fazer tudo o que está no meio. Eu tenho uma escolha agora. Posso escolhe. E escolho você, Izzie Stevens. Ok, é sua vez de novo.

George: O que aconteceu?
Enfermeira: Não sabia o que fazer. Achei que não iriam querer que eu chamasse o chefe, mas...
Cristina: Cadê ela?
Enfermeira: Lá dentro.
[Eles entram e vem Izzie deitada na cama com Denny]'
Cristina: Izzie...
Izzie: Acho que foi um derrame. Ele era propenso a coágulos. Um coágulo poderia ter se formado nas suturas e ido direto ao cérebro, só leva alguns segundos.
Meredith: Izz...
Izzie: Dr. Hahn fez um ótimo trabalho na cirurgia. Mas eu não sei porque não pensei em coágulos. Ele morreu sozinho. Ele estava sozinho.
George: Não há nada que você pudesse ter feito.
Izzie: Troquei meu vestido três vezes. Eu queria estar bonita. Poderia ter chegado aqui mais cedo. Mas não conseguia decidir qual vestido usar.
George: Izzie, não deveríamos estar aqui.
Meredith: Izz, eles precisam de algumas coisas, precisam movê-lo.
Izzie: Levá-lo para o necrotério.
Cristina: Você não pode ficar aqui, eu sei que quer...
Izzie: Podem, por favor, por favor, apenas saírem? Eu quero ficar só com Denny.
Alex: Izzie, esse não é Denny.
Izzie: Cala a boca.
Alex: Izz, não é o Denny. No minuto que seu coração parou de bater, ele parou de ser o Denny. Eu sei que você o ama, mas ele também amava você. E um cara que te ama assim, não iria querer que fizesse isso com si mesma. Porque não é o Denny, não mais.
Izzie: Há uma hora ele tinha me pedido. E agora... agora ela vai ao necrotério. Isso não é ridículo? Não é a coisa mais ridícula que você já...
[Izzie começa a soluçar. Alex a pega no colo e se senta em uma cadeira, abraçando-a e confortando-a enquanto ela soluça]

Webber: Conheço seu tipo. Você é uma viciada em cirurgia.
Cristina: Sim, senhor.
Webber: Só estou dizendo que não será fácil pra você se afastar da SO por tanto tempo.
Cristina: Não, senhor.
Webber: E se quiser voltar a SO, vai me dizer o que eu preciso saber, não vai?
Cristina: Tem razão, não é fácil pra mim ficar longe da SO. E não é fácil pra mim sentar na frente do senhor, ou de qualquer outra autoridade, e não ser capaz de dar a resposta exata que você quer ouvir. Eu sou aquela que tem as respostas. Sempre fui aquela com as respostas. Mas, no momento, senhor, eu não tenho nenhuma.
Webber: Dr. Yang.
Cristina: Como se mantém no topo, senhor? Porque eu tenho o observado e você tem feito isso há muito tempo e você é limpo, focado, você é o trabalho, nada o atrapalha. E o negócio, senhor, é que eu era assim até que cheguei aqui. Até que eu realmente comecei a fazer esse trabalho e agora tudo é confuso e...
Webber: Isso vai além do ponto.
Cristina: Não, senhor, esse é o ponto. Porque eu não consigo dizer ao senhor o que aconteceu naquele quarto. E antes eu poderia, sem culpa, sem lealdade, sem problema. Antes, antes eu não teria estado naquele quarto. Não teria me envolvido. Nunca teria congelado na cirurgia. E eu teria dito a ele o que achava que ele deveria fazer. Eu tinha um topo e eu o perdi, e eu preciso dele. Então, se o senhor pudesse apenas me dizer como mantém o seu e como não ser afetado, eu sei que poderia ser uma ótima cirurgiã. Então, se pudesse apenas me dar as respostas, eu iria gostar muito.
Webber: Pode sair, Dr. Yang.
Cristina: Mas...
Webber: Pode sair.
Cristina: Eu digo. Eu digo quem cortou os fios LVAD, se o senhor, por favor...
Webber: Não vai. Eu não quero saber. Não por você. É, eu tenho as respostas, mas não posso dá-las a você. Não serei responsável por torna-la menos humana.

CastEditar


Temporadas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 | Geral