Grey's Anatomy (Temporada 10)

Temporadas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 | Geral


Grey's Anatomy (2005 – ?) é um dos mais bem-sucedidos dramas médicos da atualidade. Foi criada por Shonda Rhimes

Temporada 10Editar

Seal Our Fate [10.1]Editar

 
«Quando você vira um interno, há uma cerimônia onde você consegue seu jaleco branco. Como mágica, você é médico. Meus pais foram à minha cerimônia do jaleco branco. Eu ainda consigo vê-los, tão felizes.. tão orgulhosos. Dizem que sua vida passa diante dos seus olhos, antes de você morrer. Os momentos importantes. Os momentos que o testaram, que o transformaram em quem você é. Não sei sobre minha vida passar diante dos meus olhos, eu estava pensando no meu jaleco branco e no quanto agradeço por estar com ele agora. Foi o momento em que minha vida começou, seria justo eu terminar com ele quando ela acabasse. Todos iremos morrer. Não temos muito o que dizer sobre como ou quando, mas podemos decidir como vamos viver. Então faça, decida. É esta a vida que quer viver? É esta a pessoa que quer amar? É este o melhor que consegue ser? Pode ser mais forte? Gentil? Mais compassivo? Decida. Inspire... Respire... e decida.Richard Webber»

Jackson: Certo, o aeroporto acabou de reabrir. Acabei de colocar a dra. Boswell num táxi.
Cristina: Quem é Dra. Boswell?
Callie: É a mulher com quem Arizona dormiu na noite passada.

Cristina: Owen e eu... sabe, eu nem sei como chamar. Acabamos, rompemos, nos separamos. Eu sinto como se fosse morrer.
Meredith: Vocês sempre acabam e depois começam de novo.
Cristina: É, mas isso é diferente.
Meredith: Okay.

Cristina: Bailey é um bom nome. Mas dois Baileys, não acha que vai ser um pouco confuso?
Meredith: Não, porque se eu disse que Bailey fez xixi em mim, acho que é seguro presumir que estou falando sobre meu filho.
Cristina: Muito bem.

Miranda: Hmmm, você tem cheiro de fezes!
Stephanie: Eu sei.
Miranda: Então por que está em pé perto de mim enquanto fede a fezes?

(Cristina está colocando um balão de ar no coração de Richard.)
Cristina: Está muito quieto. Fale.
Miranda: Está indo bem. Você não vai romper a aorta porque você é Cristina Yang. Você é a estrela da sua turma, eu sempre soube, eu dizia a qualquer um que perguntasse. Se preparem para Cristina Yang. Eu disse ao Webber. Cristina Yang é boa! Cristina Yang não romperia a aorta. Cristina Yang... (Richard estabiliza) Ah, meu bom deus, ele está estável! Ah, meu jesus amado, você não rompeu a aorta!
Cristina: (pra outro médico) Cuide deste dispositivo e o leve até a UTI. Nós só garantimos algum tempo a ele.
(Bailey a abraça.)
Miranda: Me abrace de volta, Cristina Yang. Eu sei que você não gosta, mas neste momento eu preciso que você me abrace de volta.
(Cristina a abraça de volta)

Callie: Estava pensando sobre quando Richard me pegou morando na sala vazia. Eu era residente ainda, antes do George. Eu estava lá uma noite e ele, Richard, me viu dançando de calcinha e sutiã. Eu fiquei com tanta vergonha. Tipo, ele era o Chefe.
Meredith: Você está bem?
Callie: Não, eu... não. Eu não danço de calcinha e sutiã mais.

Arizona: Ah, oi! (entra no armário de utensílios)
Jo: Olá! (vai embora)
Arizona: Eu ia pegar um pouco de lidocaína, mas não vou escorregar em nenhuma camisinha, vou?
Alex: Vai se danar.
Arizona: Ouviu as novidades sobre mim sendo uma grande puta?
Alex: Sim.
Arizona: Ah, é muito constrangedor. Mas, sabe, eu acho que vamos ficar bem. Eu acho que isso vai nos deixar mais fortes. Sabe, como um osso. Sabe, às vezes você precisa quebrar um para que se cure corretamente e eu acho que talvez seja assim comigo e Callie e eu... (soluça) É isso que eu vou dizer a Callie. Como uma metáfora ortopédica. O que você acha?
Alex: Eu acho que você deveria ficar com “desculpa por eu ser tão puta”.
Arizona: É, boa ideia.

I Want You With Me [10.2]Editar

 
«A espera pode matar você. Você toma uma decisão e depois o mundo tem que girar. As consequências se desenrolam, fora do seu controle. Apenas uma coisa parece clara, nestes momentos de espera, qualquer que tenha sido sua escolha, foi errada. Apenas queremos sobreviver à tempestade. Rezamos para que Deus nos permita chegar ao outro lado. Nunca imaginamos como será quando chegarmos lá. E se, quando a tempestade passar, não sobre nada? Eu sempre disse que poderia aguentar qualquer coisa. Estava errado. Estava errado sobre um monte de coisas. Mas estava certo sobre uma coisa, estava certo sobre isso. (Richard Webber)»

Callie: Todo mundo que eu amo ou me trai ou morre. Ou me trai e morre. George fez os dois.
Derek: Arizona não vai morrer.
Callie: É, isso não me faz sentir melhor.

Cristina: Não acho que possamos ser amigos.
Owen: Por que não?
Cristina: Isso vai continuar acontecendo.
Owen: É, mas eu quero muito ser capaz de trabalhar com você.
Cristina: Sim, claro. Mas se nos falarmos por celular, ou almoçarmos juntos... Só porque fui eu quem terminou, não quer dizer que seja mais fácil pra mim.
Owen: Eu sei.
Cristina: Isso não é fácil pra mim. (começa a chorar)

Stephanie: (torcendo) Estamos animados, unidos, e aqui para ganhar a luta. Estamos aqui pra conhecer vocês, acabar com vocês, pra dominar. Tigres... tigres... tigres.
(Os outros internos celebram quando ela termina.)
Maura Brooks: Com licença, me disseram que vocês poderiam me ajudar a achar minha filha? Heather Brooks?

Arizona: (pra Sofia) Eu te amo tanto! E eu sinto sua falta a cada segundo, porque você é a minha garota.

Everybody's Crying Mercy [10.3]Editar

 
«Há um jogo que as crianças jogam. Elas se dão as mãos e contam até três, e aí tentam prender os dedos da outra. Você segura por mais tempo que puder ou pelo menos por mais tempo que a outra pessoa. O jogo não acaba até que alguém mande parar, desista, ou peça misericórdia. Não é um jogo divertido. No jogo da misericórdia, quando uma criança chora, a outra ouve e a dor para. Você não deseja que fosse tão fácil assim agora? Não é mais um jogo e não somos mais crianças. Pode pedir misericórdia o tanto que queira, mas ninguém está ouvindo. É só você, gritando para o vazio. »

Alex: Tente a internet, como todo mundo.
Cristina: Pra ver pornô?
Alex: Pra namorar. Ache outra pessoa pra sentir tesão junto. Eu tenho namorada.
Cristina: Ah, ela está desmaiada com os amigos. De novo. Ela já dormiu com você? Vocês já transaram e foi horrível? Ela foi horrível?
Alex: Não.
Cristina: Você foi horrível? E agora está com tanta vergonha que não consegue nem olhar pra ela?
Alex: Não.
Cristina: Ah, e foi esquisito? Ela é um homem? Ah, um pênis secreto!
Alex: Cala a boca!
Cristina: Bom, por que vocês nunca dormem junto?
Alex: Nós vamos!
Cristina: Ah, vocês dois não transaram ainda!
Alex: Já sim!
Cristina: Você chegou lá?
Alex: Nós já fizemos. Nós transamos. Sai daqui!
Cristina: Okay, deixa só eu pensar sobre isso. Porque já se passou uma semana e você ainda não selou o contrato. O que você fez com o Diabo?
Alex: Eu estava dormindo.
Cristina: (sorri) Ah, deus, eu sabia que você ia me animar!

Cristina: Corte de cabelo.
Arizona: Sim! (Cristina fica em silêncio.) Você não pode só dizer corte de cabelo. Você precisa dizer que ficou bonito, do contrario eu vou achar que você acha que ficou feio e estou usando um vestido e cortei o cabelo porque quero estar bonita hoje. Eu tô bonita?
Cristina: Você parece tensa.
Arizona: Diga que eu estou bonita!
Cristina: Você está bonita.
Arizona: Foi tão difícil assim?

Callie: Ei, Kepner, já ouviu alguma resposta?
April: Não, ainda não.
Callie: Hmm.
April: Acha que isso é ruim?
Callie: Acha que isso é bom?

(Meredith acorda no chão do banheiro por causa do barulho do seu filho chorando.)
Derek: O chuveiro funciona melhor com você nele. Ele está com fome e meus mamilos não prestam pra ele.

Callie: Ei, vocês fizeram terapia de casal, certo? Foi bom? Ajudou? Tipo, óbvio que não, certo? Olha pra vocês dois. Sem ofensa.
Cristina: Ofensivo!

Alex: Ela está chateada por causa do amigo morto e estressada por causa das provas.
Cristina: Não são validos.
Alex: Tá bom. Já existiram muitas garotas depois da Izzie, muitas ninguéns. Mas essa garota não é ninguém. Ela é... eu não sei, quando eu penso sobre isso, parece importante. Como se tivesse que ser na hora certa.
Cristina: Você quer que seja especial.
Alex: O que?
Cristina: Nada. É legal.
Alex: Está me zoando?
Cristina: Não tô. Posso te perguntar uma coisa? Quando acabarmos aqui, pode pentear meu cabelo?

Cristina: Você precisa superar o negócio especial. Só a carregue nos ombros, a jogue na ama e viaje até a cidade.
Alex: O sonho de toda garota.
Cristina: Ela é a coisa que torna tudo especial, idiota! Deus, você tem a pessoa certa bem ali, vocês dois querem a mesma coisa. Pare de ter medo.

Puttin' On The Ritz [10.4]Editar

 
«Como qualquer um que já retirou as amigdalas sabe, cirurgias não são baratas. É necessário um monte de dinheiro pra manter as portas do hospital abertas, e quando os fundos se esgotam, cabe a nós irmos lá fora e levantar algum dinheiro, o que quer dizer que chegou a hora de colocar maquiagem. É hora de se vestir direito. É hora das coisas começarem no Show dos Muppets... Droga! Desculpa, eu tenho assistido a muitos programas infantis ultimamente. Mas deu pra entender. Abertura, cortinas, luzes. É isso. A noite das noites. Chega de ensaios. Sabemos tudo de cor. Hoje à noite, o céu é o limite. Que comece o show! É isso.»

April: Ele me vê por quem eu sou e me aceita pelo que eu fiz. Mas isso é tudo.
Arizona: Estamos falando sobre Matthew ou Jesus?
(Leah entra.)
Leah: Dr. Robbins?
Arizona: Sim!
Leah: Me bipou?
Arizona: Oi!
Leah: Pra um armário?
Arizona: Preciso que você corra até a festa e me traga uma garrafa de champanhe, porque estamos em falta.
April: Estamos em falta.
Leah: Querem que eu roube cachaça da festa para a qual eu não fui convidada?
April: E salgadinhos!
Leah: Dane-se esse dia. (ela sai.)
Arizona: Ah, obrigada Murphy!
April: Obrigada!
Arizona: Acha que a Callie vai me perdoar algum dia?
April: Provavelmente não. Ela está dizendo a todos na festa que você está morta.

(Cristina entra na sala, bem depois de ter terminado sua cirurgia.)
Cristina: Soube que você estava aqui, só queria te encontrar antes de você sair.
Richy Rich: Aqui estou eu. Gosto do azul.
Cristina Yang: Ah, obrigada!
(ele entrega um cheque a ela)
Cristina: Ah! Aqui tem mais zeros do que espaço pra coloca-los.
Richy Rich: Vamos sair daqui.
Cristina: Pra onde?
Richy Rich: Ah, não seja cruel. Você gosta de mim. Não tem condições de ter sido só sobre o dinheiro.
Cristina: Ah, não, foi só isso mesmo.
Richy Rich: Voce flertou comigo a noite toda, me fez escrever esse cheque enorme pra nada?
Cristina: Yeah.
Richy Rich: E não se sente nem um pouco mal por isso?
Cristina: Não.
Richy Rich: Na verdade, isso é bem mais sexy.
Cristina: Tenha uma boa noite. (sorri e vai embora)
Richy Rich: Não precisa ser tudo só pelo dinheiro! Você pode dormir comigo de graça!
(Cristina ri alto, levanta o cheque e continua andando.)

Owen: Espero mesmo que este tapete vermelho seja algo que você tinha em casa, Avery. Estamos tentando arrecadar dinheiro hoje, Avery, não desperdiçar.
Jackson Avery: Eu cresci nesse mundo. Eu sei como funciona. Estamos atraindo pessoas sérias com vários dinheiros e dando um evento a elas. Hoje vai ser saboroso, sofisticado e conservador.
(eles entram na sala e veem uma festa com o tema “circo”)
Owen: Você e eu temos definições diferentes pra palavra conservador.

Meredith: Temos um acordo. Eu não trabalho, nem ele. Está funcionando bem.
Callie: Eu moro na sua casa, vocês estão super entediados. Sim, eles tem toda essa energia cirúrgica enrustida e agora tudo é uma competição.
Meredith: Não é não.
Callie: E ele está ganhando.
Meredith: Não está ganhando! Ele nem conseguiu fazer a Zola calçar os sapatos hoje! Eu que fiz! Eu a convenci a colocar os sapatos, então eu tô ganhando! (Cristina e Callie dão um olhar estranho.) Preciso voltar ao trabalho.

Meredith: [sobre Richard] Se ele quer sofrer, então talvez devêssemos deixar.
Bailey: Ah, então você vai deixar ele morrer porque magoou seus sentimentos?
Meredith: Não existe nada que ele possa dizer a mim que eu não tenha ouvido da minha mãe milhões de vezes. Sou à prova de balas. Mas podemos forçar quantos tratamentos a gente queira. Não fará nenhuma diferença se ele decidir que não quer lutar por si próprio. Talvez ele apenas precise ver o que significa chegar ao fundo do poço.

Cristina: [ouve Meredith e Owen reclamando sobre ter que ir a festa] Olha só vocês dois. Não é tão difícil. Sejam charmosos. Usem a mesma habilidade que usariam se estivessem cantando alguém num bar. [para Meredith] Eu sei que você sabe fazer isso.

I Bet It Stung [10.5]Editar

 
«Foi isso o que aprendi no meu primeiro dia na escola de medicina. Pense muito bem antes de decidir virar um cirurgião. É preciso 100% de compromisso. Você precisa ser o melhor todas as vezes que pisar em uma SO. Quando os pacientes estiverem deitados na sua mesa, completamente à sua mercê, eles precisam saber que quando você fizer o primeiro corte você sabe exatamente o que está fazendo. Nenhuma outra especialidade requer o tempo, o foco, a dedicação completa... Exceto, talvez, ser mãe. E se seu foco se dividir? E se você não conseguir estar completamente dentro? É deixado com absolutamente nada? Talvez só precise achar um caminho diferente. Aqui está o mais assustador, e se não conseguir dar 100%? Talvez só precise voltar ao começo e começar tudo de novo.»

Bailey: Você roubou meu fígado?
Meredith: Hm, vamos. Eu mereço. Estive de escanteio por meses.
Bailey: Você não merece nada.
Meredith: Nomeei meu filho em sua homenagem. Não pode ficar com raiva de mim.
Bailey: Ele é filho do demo. Ele bebe o leite de uma ladra de fígados!

Cristina: Você precisar ir bombear leite?
Meredith: Não, estou bem.
Cristina: Você tá segurando seus peitos.
Meredith: Mas estamos tendo um momento. Eu não quero estragar.
Cristina: Mer, seus peitos estão explodindo. Vai bombear.
Meredith: Obrigada!

Catherine: Vamos ver. Eu perdi alguma coisa?
Stephanie: Eu não vejo nada.
Catherine: Isso é o que chamamos de uma pergunta retorica, querida.

Callie: Ei! Vou precisar da minha casa de volta. Olha, me sinto mal por te expulsar, mas preciso parar de cuidar dos outros. Eu cuidei de você por um ano. Te levantei do chão do banheiro, aguentei seus abusos. Mas você não está mais doente. Agora você é só alguém que traiu, e fez isso por você mesma, então, sinto muito, mas eu preciso da minha vida de volta. Preciso de mim de volta e preciso hoje, ou é possível que eu mude de ideia.

Meredith: Você roubou aquela cirurgia de mim.
Cristina: Desculpa. Eu queria mesmo que você estivesse lá comigo.
Meredith: Eu trabalhei duro pra fazer com você e você a roubou de mim. Foi golpe baixo.
Cristina: Meredith, você tava despreparada, desfocada e atrasada. Não roubei aquela cirurgia de você. Eu resgatei de você, porque você não poderia fazer.
Meredith: Entendo que você ache que é um presente de deus pra cirurgia, mas eu sou uma cirurgiã tão competente e talentosa quanto você.
Cristina: Não é não. Sinto muito, mas não é. E tudo bem. Você tem prioridades diferentes agora. Você diminuiu suas horas de clínica. Você registra menos horas na SO. Você não faz mais pesquisas. E eu entendo. Você tem a Zola o bebê Bailey, e quer ser uma mãe boa.
Meredith: Não acredito nisso! Você está dizendo que não posso ser uma boa cirurgiã e uma boa mãe ao mesmo tempo.
Cristina: Claro que não! Bailey é mãe, e foi maravilhosa lá hoje.
Meredith: Então o que está dizendo?
Cristina: Estou dizendo—certo, Bailey nunca sai. Ela, tipo, mora aqui. Callie nunca diminuiu. Ellis Grey nunca diminuía, e eu sei que você não quer ser sua mãe. Estou dizendo que começamos ao mesmo tempo pelo mesmo caminho e, em algum momento, você diminuiu. Você deu uma aliviada. E não diga que eu não apoio isso, porque não é verdade. Você tomou suas decisões e elas são válidas. Mas não finja que elas não afetam suas habilidades. Você é uma ótima cirurgiã, mas estamos em lugares diferentes agora. E tudo bem.

Map Of You [10.6]Editar

 
«Atualmente existem pesquisas trabalhando em um mapa do cérebro humano. Pode ser o mapa mais complexo criado. Bilhões de neurônios fazendo trilhões conexões. Numa primeira olhada, parecem completamente aleatórios. Mas não há nada aleatório a respeito deles. Todas essas conexões precisam acontecer por um caminho especifico. São designados para uma função. Essas conexões determinam tudo sobre nós. O que amamos, o que odiamos, o que dizemos, o que fazemos. Cada ação que fazemos. Estamos apenas começando a entender a extensão das conexões do cérebro. O quão longe alcançam, o quão fundo é. Mas sabemos que toda conexão importa. Toda conexão é crucial. E quando uma quebra, geralmente significa que algum estrago foi feito. Este sistema de conexões nos diz pra agir e escolher e comportar. Às vezes, até mesmo contra nossa própria vontade. Mas não tem nada de aleatório. É o mapa de como somos. Vamos trabalhar para entendermos a nós mesmo, resolver o quebra-cabeça. Como todas as conexões funcionam e todas as peças se encaixam.»

Cristina: Acho que eu desisto de existir. Eu fiz história hoje. Literalmente, operei o inoperável. Salvei um homem da morte certa, e aí acabei com sua vida. Ah, e também, Owen parece muito feliz com aquela Marling, a qual ele nunca nem mencionou pra mim. É como se os últimos anos nunca tivessem acontecido. E também, o negocinho ali não me reconhece como humana. Fiquei lá sacudindo minhas mãos que nem uma idiota.
Meredith: Desculpa, o que?
Cristina: O que você tá fazendo?
Meredith: Inscrição pra angariar fundos pra uma pesquisa.
Cristina: Ah, escolheu seu projeto?
Meredith: Sim, vou imprimir veias em 3D.
Cristina: Bom, isso é ótimo, Mer! Como você vai conseguir...
Meredith: Okay, não. É por isso que eu não te falei. Eu tenho uma carreira e uma família e vou fazer os dois. O que não tenho tempo é pra você me dizendo que não consigo.
Cristina: Eu nunca disse isso.
Meredith: Eu sempre estive lá por você, pra tudo o que precisasse. E agora, agora eu preciso de você. Você deveria me ajudar. Mas, ao invés, na semana passada, você me deixou de lado porque eu tive um bebê. Você não tem tempo pra mim agora porque não tem tempo pra pessoas que querem coisas que você não quer.

Jo: Você não precisa de um raio-x.
Richard: Que bom!
Jo: Você precisa de um ultrassom.
Richard: Espero que não esteja achando que eu estou grávido!

Jo: Preciso de um ultrassom.
Meredith: Tá grávida? Alex sabe?
Jo: Não! Preciso de uma máquina de ultrassom.

Thriller [10.7]Editar

 
«A cada Dia das Bruxas, tomamos uma decisão sobre o tipo de fantasia que vamos usar. Algo sexy, talvez sejamos alguém assustador ou talvez um super-herói, o que é o que estou tentando ser este ano. O dia das bruxas não é pros fracos de coração. Há uma surpresa a cada dobra de esquina. Algumas são boas, e outras são ruins. O importante é não deixar que o medo da surpresa o impeça de se vestir e ir até a casa de um estranho fazer a pergunta. Então, o que vai ser? Travessuras... ou gostosuras?»

Cristina: Vai dar uma festa na sua casa?
Meredith: Sim, Alex vai nos deixar usar a casa esta noite porque não temos vizinhos onde moramos, então eu convidei um monte de gente da creche. Ele não te disse?
(Cristina balança a cabeça)
Meredith: Você deveria ir!
Cristina: Tá tudo bem.
Meredith: Certo, bem, você não gostaria de estar rodeada de crianças ligadas no açúcar, certo?
Cristina: Sim, porque eu odeio crianças...

Ben: Tuck quer ser um cientista maluco hoje de noite. Ele deveria ter um desses espelhos de cabeça.
Derek: Bom, eu tenho um cérebro num pote.
Ben: Quero dar uma fantasia a ele, não um pesadelo.

Ben: Vá trabalhar. Eu resolvo. Me procure no fim do dia com essa cara, e esse corpo, e... eu vou resolver o que colocar nele.
Miranda: É um feriado de criança, sabe.

Shane: Vou ser seu médico agora.
Ghost Lady: Ela era uma excelente médica. Você é tão bom assim?
Shane: Não. Mas vou ser.

Two Against One [10.8]Editar

 
«Glioma, fibroma, blastoma. Qualquer que seja o tumor, as pessoas supõem que se ataca do mesmo jeito. Você acha seu esconderijo no corpo, depois abra o paciente, e tira a massa de lá o mais rápido possível. Mas você não está lutando contra apenas um turmor. Na verdade, a batalha é contra mais de um bilhão de células. Então, como ter uma chance quando é um contra um bilhão? Você permanece firme, continua se forçando contra todos os limites e nunca se deixa desistir. Mas a verdade mesmo é que, apesar do tanto que tente e lute para permanecer no controle, quando tudo está dito e feito, às vezes você está em minoria, simplesmente.»

Will: E agora? Não deveria estar descansando antes de você e a Dra. Grey me operarem amanhã?
Alex: Video games são bons pra praticar cirurgias. Me dê isso, eu vou mostrar como vencer Saberwolf.

Miranda: Faça outro enema.
Jo: Mas ele já fez um.
Miranda: Foi por isso que eu disse outro.

Richard: Ah, se sua mãe pudesse te ver agora.
Meredith: Ela implicaria com meu cabelo.

Alex: Ouviu que a Mer acabou de revolucionar o mundo dos talheres?

Alex: Adolescente tipico. Ignorou os sintomas, não pediu ajuda de ninguém e agora ele tem um abdômen repleto de tumores.
Meredith: Está certo. Ele é um adolescente tipico, o que quer dizer que pode vencer isso. Ele é forte, capaz de lutar contra isso, e o que é melhor..
Alex: O que?
Meredith: Está na minha SO. Na SO de alguém que está à frente da medicina.
Alex: Você devia imprimir uma colher depois, assim poderíamos remover o tumor numero 2.

Shane: Quando o modelo vai ficar pronto?
Stephanie: Em 10, talvez 12 horas.
Shane: Isso tudo?
Stephanie: É uma tecnologia de salvar vidas, Shane. Se quiser mais rápido, bipe Deus.

Derek: A Murphy não é ruim, sabe.
Jackson: Ah, eu sei. É só que eu sou melhor.

Emma: Desculpe, isso foi muito pessoal. Eu acabei de fazer uma entrevista de emprego que foi mais intima do que um exame retal. Não estou acostumada com isso. Não fazemos coisas assim no Seattle Pres.
Arizona: Bom, então venha trabalhar aqui porque ficamos pessoas demais em uma frequência muito grande.

Alex: É só imprimir uma porcaria de um garfo e você sai por aí achando que é Moisés ou algo do tipo.

Stephanie: Dr. Grey, acho que você é maravilhosa e que fez um lindo garfo e sou muito grata por ter feito parte disso. Mas, agora, eu acho que você está se excedendo e eu preciso aceitar o desafio do Dr. Karev.

Sorry Seems To Be The Hardest Word [10.9]Editar

 
«Médicos nunca querem erram. Você toma uma decisão errada e o impensável acontece. Não é como se fizéssemos de propósito. Não é como se quiséssemos machucar alguém, mas às vezes machucamos. Às vezes cometemos erros e nos arrependemos. Não que se arrepender realmente importe. Nenhuma desculpa no mundo importa agora. Todos fizemos coisas das quais não nos orgulhamos. Eu entendo. Eu sei que ninguém é perfeito, mas como viver com isso? Como levantar as manhãs e encarar o mundo, sabendo que poderia ter feito melhor? Que deveria ter feito melhor? Sentir muito é suficiente? Uma desculpa pode mesmo fechar feridas? Aliviar nossa dor? Pode desfazer a dor que causamos?»

Arizona: Você acha que eu vou gostar de estar grávida?
Callie: Ah, sim, é bom demais! Tirando a náusea. Ah, e as marcas de estrias. E a mijadeira. E a falta de sono, a exaustão. Ah, e nada de álcool.
Arizona: Sem álcool?
(Callie balança a cabeça.)
Arizona: (para seu copo de vinho) Ah, como vou sentir sua falta. Mais do que tudo.

Travis: Cristina Yang! Você sempre parece melhor toda vez que te vejo. Largue seu marido, fuja comigo.
Cristina: Ah, você não tinha uma namorada?
Travis: Sim, temos um acordo. Eu posso flertar com médicas gostosas que tiveram as mãos dentro do meu peito. É uma lista bem curta. (para Callie) Oi, eu sou o Travis.
Callie: Oi.
Travis: Você é o deus da orto?
Callie: Callie Torres. Eu prefiro deusa.

Arizona: Acho que tenho algo que vai te fazer sentir melhor. A Sofia desenhou isso no carro hoje de manhã e disse que é uma água-viva e uma sereia arco-íris. Não sei bem qual é qual. Mas você deveria ficar. E aí quando tiver vontade de gritar você pode olhar pra água-viva e se acalmar.

Arizona: Callie, tem certeza que quer usar, hm, strass de borboleta na corte? Tipo, a escolha é sua. É estranha, mas suponho que muitas pessoas gostem de borboletas.

Callie: Richard! Você não deveria estar aqui.
April: Foi o que eu disse a ele, mas ele insistiu em vir.
Richard: É um milagre eu ter conseguido chegar. Kepner é uma motorista horrível!

Travis: Eu sei que pessoas vivem sem pernas e não é o fim do mundo, mas é o fim do meu mundo.

Callie: Eu sei que o ultrassom é só um borrão ainda, mas mesmo assim, você trouxe a foto do borrão?
Arizona: Não tem foto. E nem batida de coração.
Callie: Que?
Arizona: Ela fez a ultrassom e procurou e procurou. Mas não tem batida.
Callie: Perdemos o bebê.

Callie: Não precisamos tentar de novo logo agora, certo? Podemos esperar um pouco antes de tentar de novo.
Arizona: Não.
Callie: Nós..
Arizona: Não. Você não está entendendo.
Callie: O que?
Arizona: Não consigo com outra perda, Callie! Não consigo lidar. Não. Não consigo pensar sobre isso agora. É difícil demais!
Callie: O que está dizendo? Que não quer outro bebê? Me responda!
Arizona: Eu não sei.

Callie: Não se atreva a descontar isso nela. Você está machucada e com raiva e tem todo direito de sentir essas coisas, mas Whitney não tem nada a ver com isso. Você quer descontar essas coisas em alguém? Pode descontar em mim, certo? Eu consigo lidar. Você precisa culpar alguém, então me culpe. Pode ir frente. Grite o quanto quiser. Isso nunca deveria ter acontecido com você e se tivesse qualquer outro jeito de magicamente mudar as coisas, acredite em mim, eu mudaria. Eu gostaria que houvesse algo que eu pudesse fazer. Gostaria de poder arrumar isso. Eu tentei muito. Sinto muito, Travis. Eu realmente sinto.

Callie: Entendi o que Travis estava sentindo. Passei pela mesma coisa com minha esposa. Ela perdeu a perna ano passado e isso nos mudou. De forma que eu não consigo nem começar a entender. Eu não desejaria essa experiência em ninguém. E agora está acontecendo com meu paciente. Claro que senti muito. Ainda sinto tanto que isso tenha acontecido com você, Travis. Mas isso me torna humana, não negligente.

Carlos: Eu traí a sua mãe.
Callie: O que?! Desculpe, o que?!
Carlos: Há um tempão atrás, nós éramos jovens, eu era idiota. Mas a sua mãe conseguiu achar um jeito de me perdoar.
Callie: Por que ela faria isso?
Carlos: Por que? Porque ela acreditava que éramos maiores do que um erro e eu agradeço a Deus todos os dias por isso. Porque, caso contrário, eu não teria você. Dividimos uma vida por 39 anos agora, e tudo começou depois de um erro. Agora, as coisas entre você e Arizona podem não funcionar. Sabe, você pode não conseguir consertar. Mas como vai saber se nem ao menos tentar?

Arizona: Oi! Ah, você não veio trazer travesseiros extras.
Callie: Você fez algo impulsive e, hm, estava pensando em você mesma. Parecia certo no momento, e, hm, você cometeu um erro. Um erro.
Arizona: Precisamos falar sobre isso agora?
Callie: Eu fiz algo parecido hoje.
Arizona: Ah. Okay.
Callie: Olha, preciso perguntar algo e, hm, você deveria tomar algum tempo pra pensar a respeito. Eu não preciso de uma resposta hoje, mas gostaria de saber se você pode voltar pra casa.

Arizona: (para Leah) Você deveria se vestir agora e ir embora.

Somebody That I Used To Know [10.10]Editar

 
«O corpo é uma massa complexa de infinitos sistemas interativos. As pessoas gostam de pensar que os médicos veem tudo com clareza. Mas nem sempre é óbvio o que é um soluço no sistema e o que é um total desastre. Nós descobrimos isso no primeiro ano de residência. Passamos o resto de nossas carreiras mentindo a respeito. É só um resfriado. Tome uma aspirina. Vai passar. Não tem nada errado. Somos médicos. Saberíamos se algo estivesse errado. Vamos todos ficar bem. Não tem nada errado.»

Stephanie: Ei, você! Minha paciente tem um marido, eum amante, e ela e o marido estão entrevistando mulheres pro amante namorar quando ela morrer.
Jo: Quando a paciente tiver morta?
Stephanie: É estranho.
Richard: Isso é tipo um negócio a três?
Stephanie: Dr. Webber! (começa a rir)
Richard: Está se escondendo da Grey de novo? (Stephanie para de rir) Se mexe, Edwards!

Meredith: Não, Cristina, não está dando certo! Você não é a reencarnação de Jesus! Você não anda sobre água. Você falhou em revolucionar a medicina moderna e salvar um bebê ao mesmo tempo. E está arriscando a vida de uma criança enquanto faz isso!
Shane: Pare!
Meredith: Como que é?
Shane: Já basta.
Meredith: Ross, saia daqui!
Shane: Ela não ia fazer isso. Por sua causa. Eu praticamente tive que força-la a isso!
Cristina: Ross, só...
Shane: Porque ela se importa com você!
Meredith: Ah, alguém resolveu adular sua heroína!
Shane: Não, você quem levou isso pro lado pessoal! Quem fez isso ser sobre a amizade de vocês! Se fosse sobre o trabalho, você teria ido até o Chef de Cirurgia, mas sabe o que ele teria dito. Você pega a impressora amanhã, Dra. Grey!

Owen: Hm, Meredith, você pode convidar a Cristina se quiser, sabe, pro jantar de Ação de Graças. Eu chequei com a Emma e ela está bem com isso.
Meredith: Fico feliz que ela esteja bem com isso.

Jackson: Ei, você sabe que Stephanie e eu estamos sérios, certo? Entende isso?
April: Sim, sim, acho legal que vocês sejam, sabe, o que quer que sejam.
Jackson: Certo.

Man On The Moon [10.11]Editar

 
«Todo medico tem um segredinho. Todos somos cientistas nerds e competitivos. No Ensino fundamental, fizemos o maior e melhor Vulcano, que realmente entrou em erupção com falsa lava derretida. No Ensino médio, passamos horas trabalhando com ratos de laboratórios, para que um dia, fossemos a pessoa que mudou a cara da medicina para sempre. Às vezes, o segredo para o progresso é reconhecer como dar o primeiro passo. Para aí iniciar sua jornada. Você torce para o melhor, e se agarra a isso. Dia sim, dia não. Mesmo que esteja cansado, mesmo que queira ir embora, você não desiste, porque você é um pioneiro. Mas ninguém nunca disse que seria fácil.»

Richard: Eu só estou indo pra casa. Não me aposentando. Mas, antes, preciso de férias de todos vocês.
Miranda: Você conseguiu, senhor. Você melhorou.
Richard: Não, você conseguiu, Bailey. Você me deixou melhor.

Jo: Alex, preciso te dizer algo que você não vai gostar de ouvir.
Alex: Ué, então não me diga.

Stephanie: Você está mudando o rosto da medicina. Você precisa falar mais alto.
Meredith: Sabe quem não fala sobre mudra o rosto da medicina? As pessoas que mudam. Elas simplesmente fazem seu trabalho.

Meredith: Edwards, sabe quantos cachorros os russos mandaram pro espaço até que um homem andasse na lua?
Stephanie: Aqueles pobres filhotinhos!
Meredith: Edwards, vamos fazer uma necropsia e vamos descobrir o que deu errado. E vamos tentar de novo. E falhar de novo. Porque é assim que o progresso funciona.
Stephanie: Progresso parece muito com uma ovelha morta.
Meredith: Não, progresso parece com um monte de falhas. E você pode sentir sobre isso, porque é triste, mas não pode se despedaçar. E aí um dia, nós vamos conseguir e salvar a vida de uma pessoa e vamos andar na lua. Figurativamente, de qualquer forma.

Kimmie: Quando descobri que você tinha uma namorado, eu fiquei tipo “não façam nenhum movimento abrupto!”
April: Meu deus do céu, pare de falar como se nenhum homem jamais tivesse me achado sexy.
Kimmie: Patinha?
April: E pare de me chamar de Patinha! Eu não sou mais a Patinha! Minha acne sumiu há anos. Me livrei do aparelho na faculdade. Uso lentes de contato. Uso maquiagem. Fiz anos de fisioterapira pra corrigir meus dedos tortos. E, caso não tenha notado, eu aprendi a condicionar meu cabelo. Não sou mais sua irmã fea e deseperançosa. Eu não sou o patinho feio. Eu sou um cisne!
Cristina: Hmm hmm.
Arizona: Isso.
April: E uma cirurgiã! Uma cirurgiã muito boa que, por falar nisso, já fez sexo antes!
Kimmie: Oh, wow.
Alice: O papai sabe?
April: Quer saber? Estão demitidas como minhas damas de honra. As três. Eu não quero nenhuma de vocês levantando por mim no meu casamento.
Kimmie: Querida, não seja idiota. Você precisa de damas de honra.
April: E vou ter. Essas são minhas pessoas agora.
(Meredith, Cristina, e Arizona não reagem.)
April: Certo?
Arizona: Certo!
Cristina: Sim.
Meredith: Yeah.
April: Estas são minhas damas de honra!
Arizona: Yay!

Richard: Antes do meu acidente, você me chamou de bêbado.
Miranda: Eu sinto tanto! Não há um dia em que eu não me arrependa disso.
Richard: Você está certo. Eu sou um bêbado.
Miranda: Senhor!
Richard: Sou um alcoolatra. Por isso que estou aqui agora ao invés de em casa. É chato lá, e solitário. E quando estou solitário e entediado, quero tomar um drink. Poxa, quero um drink quando estou feliz também. Eu sempre quero. Porque tenho uma doença e não posso ser curado, mas posso administrar. Mas não consigo fazer isso sozinho. Preciso de ajuda. Aceite que tem uma doença, Bailey. Aceite ajuda. Estamos todos aqui por você quando estiver pronta para começar.

Get up, Stand up [10.12]Editar

 
«Falhar é inevitável. Todo cientista recebeu um não repetidamente. Aqueles que lembramos são aqueles que mudaram nossas vidas: os Curies, os Salks, os Barnards. Eles não aceitaram não como resposta. Falhar é inevitável, imprescindível. Mas o fracasso nunca deve ter a última palavra. Você precisa se agarrar ao que quer. Precisa não aceitar não como resposta, e aceitar o que está destinado a você. Nunca sucumbir. Nunca desistir. Se levante. Se levante e aceite.»

Shane: Acho que sei o que é isso. Você só precisa aliviar um pouco a tensão.
Cristina: Não vamos mais fazer isso.
Shane: Se está preocupada que eu ache que é mais do que é, eu não acho. É só pra te relaxar.
Cristina: É você quem precisa relaxar.

Callie: Vamos começar a fase dois, certo? Ele é meu cérebro agora. A Meredith pode ter o resto, eu fico com o cérebro.

Leah: Ela era importante! Nós éramos algo!
(Leah sai.)
Jo: Talvez elas fossem algo? (pausa) Não.
Stephanie: Não.

Alex: Você precisa parar agora. Mamãe não era o problema.
Jimmy: Não estou tentando falar mal da sua mãe. Mas você não faz ideia do quanto era difícil viver com alguém feito ela.
Alex: Quem você acha que tomou conta dela? Vigiou ela? Cuidou para que ela não se machucasse? Quem você acha que tomou conta dos seus filhos?
Jimmy: Eu fiz o melhor que pude.
Alex: Se esse é seu melhor, então deveria desistir. O seu melhor é inútil. Eu fui o pai! Eu era uma criança, mas também fui o pai! Você não foi nada! Você nos abandonou! Você é inútil!

Meredith: Você está certa. Estamos em dois lugares completamente diferentes.
Cristina: Mer, por favor.
Meredith: Não, talvez eu tente demais, talvez eu precise provar algo, mas nunca vou ser tão arrogante quanto você.
Cristina: Quer saber, Meredith? Vai pro inferno. Eu ouvi suas besteiras por semanas, e não vou mais ficar parada aqui aceitando tudo.

Miranda: Nunca tenha medo de se defender. Só tenha certeza de que está certa quando o fizer.
Leah: É verdade. Eu preciso lutar pelo que mereço. Isso é tão incrivelmente verdade.
Miranda: Eu sei, eu disse.

Cristina: Você diz que consegue dar 100% de si pra sua família e 100% pro seu trabalho. Isso é, categoricamente, impossível.
Meredith: Porque você continua ferrando com minha pesquisa!
Cristina: Meu Deus, Mer, eu pegar sua impressora não teve nada a ver com sua ovelha morta. Já parou pra pensar que talvez sua pesquisa esteja falhando por conta própria?
Meredith: Sim, porque eu sou uma médica horrível, já estabelecemos isso.
Cristina: Não! Não, eu nunca disse isso.
Meredith: Você disse que...
Cristina: Nunca disse isso! Mas você disse que eu sou uma pessoa horrível, mais de uma vez. Porque eu não concordo com você. Porque sou comprometida com meu trabalho. Porque não quero um filho. Quando foi que eu me tornei um monstro pra você?

Stephanie: Acho que ele disse que ama ela.
Jackson: Talvez. Diga em voz alta e parta daí.
Stephanie: O que?
Jackson: Nah, é algo que o Mark Sloan me disse uma vez. Ele disse: “se ama alguém, precisa dizer. Mesmo que tenha medo que vá causar problemas ou acabar com sua vida. Diga em voz alta e parta daí".

Meredith: Posso competir como mãe e como cirurgiã, você só acha que não posso competir contra você!
Cristina: Não pode, porque, Mer, isso é tudo que eu faço. É tudo que quero fazer. Então não fique choramingando porque tomou uma decisão da qual se arrepende.
Meredith: Acha que eu me arrependo da minha família?
Cristina: Acho que você se sente deixada pra trás e é uma pena pra você, mas ninguém te forçou a sair do jogo.
Meredith: Não estou for a do jogo, só não vou sabotar meus amigos pra ganhar!
Cristina: Ah, então foi isso que eu fiz?
Meredith: É isso que tubarões fazem. Você disse isso no primeiro dia.
Cristina: Pelo que me lembro, estava falando sobre você!
Meredith: Há quanto tempo tem dormido com o Shane? Ele fica vermelho como um tornozelo exposto. Ele te viu de calcinha e sutiã e nem piscou.
Cristina: Isso não é da sua conta!
Meredith: Não precisa justificar pra mim. Ele só está ficando com a melhor professor pra ter certeza de que pode ter tudo. É o que você fez durante toda a faculdade e todo o ano de interna. Parabéns, você se tornou a coisa que idolatrava.
Cristina: E você se tornou o motivo das nossas risadas.

April: Yang esqueceu. Eu sabia que uma de vocês ia esquecer.
(Cristina entra.)
April: Eu sabia que você viria!

Cristina: Como se atreve a dizer que eu não mudei?
Meredith: Não preciso justificar minhas escolhas pra você, nenhuma delas.
Cristina: Como se atreve a dizer que sou a mesma pessoa de quando cheguei? Antes de eu conhecer Burke, e Owen, e você. Sua vida parece diferente porque está cheia de casas e maridos e crianças, e a minha parece a mesma, mas eu não sou. Eu mudei. Estou fazendo as coisas sozinha e isso é tão difícil quanto o que você está fazendo. Mas achei que teria pelo menos você ainda.
Meredith: Sinto tanta inveja de você que quero queimar coisas. Você fez o que eu tentei e não consegui. E você nem sabe como conseguiu! Você não tem nada além de tempo e foco. Você não é quem era quando chegou aqui. Você é quem nós duas planejamos ser!
Cristina: E você se tornou algo que nunca esperamos. Você é tão boa mãe quanto cirurgiã. E eu fico feliz por você! Mas estamos nos separando.
Meredith: Eu sei. E não quero competir com você, mas compito! Porque deveríamos nos forçar e nos fazer melhores. Para sempre, desde o dia que nos conhecemos. Certo?
Cristina: Certo.
Meredith: Okay!
Cristina: Sabe, e eu fico tão feliz porque...
April: Fiquem quietas! Hoje não é o dia! Vocês duas, legal demais que estão se resolvendo, mas hoje não! E você, quer saber, pare de falar sobre adultério no dia do meu casamento porque é o dia do meu casamento! Eu deveria estar me sentindo especial agora, deveria estar sendo mimada e recebendo atenção e lencinhos e ouvir pra não chorar. Então, querem saber? Parem de pensar em vocês e façam eu me sentir especial!
Cristina: Gostaria de um lencinho?

April: Chief! Você veio!
Owen: Claro. Praticamente o hospital inteiro está aqui.
April: Sério?
Owen: Sim. Você é muito querida.
April: Agora você precisa ir porque eu vou começar a chorar porque se não fosse por você nada disso estaria acontecendo.
Owen: Você merece, tudo isso, e você está linda.

Alex: Somos a única família que precisamos, certo? E vamos ficar juntos pra sempre, certo, você e eu? E se tivermos filhos, seremos ótimos. Eu vou ser um excelente pai e você também e seremos apenas nós. Não precisamos de mais ninguém, certo?
Jo: Sim, com certeza.

Jackson: Amo você, April. Desde sempre. Eu amo tudo a seu respeito, até mesmo as coisas que não gosto, eu amo. E quero você comigo. Eu te amo e acho que você me ama de volta. Você ama?

Take it back [10.13]Editar

 
«Todos os dias, um cirurgião toma uma decisão que pode ir por dois caminhos: ou muito bom ou muito, muito, muito ruim. O problema é que decisões epicamente ótimas e as epicamente ruins são muito parecidas enquanto estão sendo tomadas. Olhando pra trás, é fácil ver quando um erro foi feito. Se arrepender de uma escolha que parecia uma ideia decente na época. Mas se pensarmos direito e ouvirmos nossos corações, vamos perceber que escolhemos sabiamente. E evitamos o arrependimento mais doloroso de todos. Aquele que sentimos depois de deixar algo maravilhoso passar por nós.»

Cristina: As irmãs choronas acabaram com todo lenço nesse prédio.
Meredith: Conseguiu fazer a mãe se acalmar, pelo menos?
Cristina: Tentei. Mas como eu deveria finger que o que aconteceu não foi a melhor coisa que já tinha visto? Eu sempre fiquei na defensive a respeito de Kepner, mas agora não sou apenas uma amiga. Sou uma fã.
(Meredith sai com raiva.)
Cristina: Será que foi comigo?
Derek: Não, foi comigo. O presidente me ligou e agora eu preciso quebrar uma promessa que fiz a ela.
Cristina: Ah bom, melhor você do que eu.

Callie: Arizona, vamos consertar isso.
Arizona: Não vamos, não. Esse é o problema. Você fica tentando consertar. Nosso casamento. Você fica tentando me consertar e você é tão boa em se matar só pra juntar meus pedaços..
Callie: Não precisa se desculpar.
Arizona: Não estou! Esse é o ponto! Porque não sou a mesma pessoa que eu era antes e não quero me desculpar. E não quero ser consertada.
Callie: Nossa! Também não sou a mesma pessoa que era antes, mas...
Arizona: Não está funcionando e você sabe! Sabia antes de mim.
Callie: Okay, podemos ir pra casa, sentar e conversar sobre isso?
Arizona: Não é mais minha casa.

Bailey: Você almoçou pizza, não foi?
Ben: Não.
Bailey: Não precisa fazer fofocas comigo, Ben Warren, mas é melhor não começar a mentir pra mim.
Ben: Foi um hambúrguer.
Bailey: Ha! O enredo engrossa.

Jo: Pode levar ela pra casa? O dia dela foi difícil.
Leah: Em um casamento? O que? Bebeu muito champanhe? Tem calos nos pés por dançar tanto?
Stephanie: Meu namorado fugiu com a noiva.
Leah: O que?!
Stephanie: Não teve dança.
Jo: Vou te achar uma carona pra casa e assim que as coisas se acalmarem com Alex e seu pai eu vou pra lá e nós vamos beber muito e queimar coisas.

Callie: Sei que está animada. Você está sorrindo desde quando achamos a casa, e eu senti tanta falta desse sorriso. Mas há três semanas, você estava convencida de que não iriamos durar. Estou preocupada que você pense sobre como parece bom agora e não pensando no fato de que... eu venho com a casa.
Arizona: Sabe por que eu sorrio quando penso naquela casa?
Callie: Hmm?
Arizona: Olho pra ela e não vejo uma cama de hospital no nosso quarto, e não vejo um chuveiro para o qual você teve que me arrastar porque eu não ia entrar sozinha. Vejo um balanço de pneu. E uma casa na árvore. Podemos acordar daqui um ano e perceber que foi um erro terrível. Mas se der certo... meu Deus. Só pensar sobre isso me faz sorrir tanto que meu rosto dói.

You've Got To Hide Your Love Away [10.14]Editar

 
«Câncer é um valentão biológico, sempre provocando uma briga e vai surpreender você. Vai esperar até que o corpo se sinta seguro, até que se sinta saudável e forte. É aí que o câncer vai seguir em frente e ficar maior e maior. O corpo nunca consegue vê-lo chegando, porque o câncer é o mestre das surpresas. Você pode tentar se defender de um valentão, mas se esconder não vai funcionar por muito tempo. Você precisa lutar de volta. E se for sortudo o suficiente pra sair disso vivo, se mantenha preparado para lutar a próxima luta.»

Jo: Por que eu sou a única que acha isso ridículo? Eles não deveriam poder fazer isso com a gente!
Richard: Ninguém está fazendo nada com vocês, isso está sendo feito pra vocês. Um de vocês não se sentiu Seguro no trabalho e registrou uma denúncia anônima.
Shane: Um de nós?
Jo: Percebeu que acabou de tornar meu relacionamento ilegal?
Stephanie: Tenho certeza que ele acabou de dizer que foi anônimo.
Jo: Hm, tá bom.

Richard: Quero que crie um plano de tratamento cirúrgico. A diretoria te fez um favor com essa nova regra. Voce vai pegar toda a energia do seu cérebro que costumava endeusar penises e vaginas e transformar em algo bom.

Meredith: Ei, quer dormir lá em casa? Pode tentar me ajudar a descobrir porque a minha pesquisa não está funcionando e pode me ajudar com as crianças.
Cristina: Hm, parece uma confraternização.
Meredith: Podemos falar sobre Owen e Emma.
Cristina: E o que tem pra ser falado? Eles vão morar juntos, grande coisa.
Meredith: Eu tenho vinho.
Cristina: Estarei lá.
Meredith: Sim, imaginei.

Lisa: Ted sabe o que aconteceu?
Pam: Não, eu não disse. Estava tentando preservar sua dignidade.
Lisa: Obrigada!
Pam: Não sabia que não tinha mais nada a ser preservado.

Cristina: Ela vai ter filhos com ele, e aí ele vai ser o pai de alguém, e então realmente vai ter acabado.
Meredith: Mas vocês estão divorciados e vendo outras pessoas. Não quer dizer que acabou mesmo?
Cristina: Tenha paciência. Você deveria saber melhor do que ninguém que não é verdade. Mas sendo o pai de alguém, você meio que fica sem opção.

Cristina: Parabéns! Soube que está se mudando... com a Emma.
Owen: Uhm, yeah. Podemos.
Cristina: Então eu te trouxe vinho!
Owen: É uma garrafa de vinho muito boa!
Cristina: É, eu sei. Eu roubei da coleção de Derek. Parecia ser muito cara. Então, aproveite! Vocês dois!
Owen: Ah, não. A Emma nao está aqui.
Cristina: Oh.

Throwing It All Away [10.15]Editar

 
«Sabe o cóccix? Costumava ser um rabo. A parte rosa no canto do olho? Uma terceira pálpebra. O apêndice era usado pra ajudar na digestão de alimentos pesados. Agora, não faz nada. A história da nossa evolução é a história do que deixamos pra trás, do que descartamos. Nossos corpos se agarram apenas as coisas absolutamente necessárias. Desistimos daquelas que não precisamos mais. Deixamos ir. Por que faz tão bem nos livrarmos das coisas? Descarregar, deixar ir? Talvez porque quando percebemos do quão pouco precisamos pra sobreviver, percebemos o quão poderosos realmente somos. Ficamos apenas com o que precisamos. Para ficar apenas com o que não conseguimos viver sem. O precisamos, não apenas para sobreviver, mas para florescer.»

Stephanie: Se eu ficar sozinha com o Jackson, tenho medo de bater nele. Então, sempre que ele tiver consulta na SE hoje, vou tirar uma folga.
Jo: Não deveria. Você deveria mesmo bater nele. Gostariamos muito de ver isso.

Jackson: Soube que você achou um bebê.
Stephanie: Sim. Em uma caixa, abandonado.
Jackson: Oh, ele está bem?
Stephanie: Não sei. Acho que está bem traumatizado por ter sido abandonado de repente, deixado pra trás, jogado de lado.
Jackson: Stephanie...
Stephanie: Jogado, como foi, no lixo.
Jackson: Pode, por favor, me deixar falar?
Stephanie: Você… é melhor você ficar for a do meu caminho.

Nicole: Ainda está jogando boliche com os médicos hoje?
Stephanie: O que? Você soube?
Nicole: Ah, todo mundo ficou sabendo.
Stephanie: Ai, meu Deus.
Nicole: Só estou dizendo que da próxima ver que jogar, tente derrubar a Kepner.
(Stephanie acidentalmente bate em Jackson com a maca.)
Stephanie: Oh! Oh, Deus!
Nicole: Isso serve também.

Derek: Preciso dizer a Torres que o president não vai deixar ela usar meus sensores mais.
Meredith: É só dizer que você fez uma promessa a ela, mas, ao invés, você vai gastar seu tempo e energia em outra coisa. Deu certo quando você me disse.
Derek: Achei que nós íamos nos ajudar.
Meredith: Você pediu por essa.

Callie: Você fez amizade comigo, mas agora vai pegar nossa bola e brincar com seus novos amigos.

Jackson: Pode me bater com quantas macas você quiser, porque eu vou me sentir péssimo sobre isso pelo resto da minha vida.
Stephanie: Okay. Pode se sentir assim, se quiser. Eu não vou. Não vou ficar triste ou com raiva ou penosa por mais um minuto, porque não vou me importar com você. Então, se eu não disser oi ou puxar assunto no elevador ou lembrar do seu aniversário ou mesmo reconhecer sua existência, é porque, pra mim, você só existe. Porque eu não me importo.

Callie: Fico achando que estamos bem. E nós… compramos uma casa, e aí isso acontece, e não tenho certeza se vamos ficar bem. Hoje, eu perdi minha pesquisa, falhei com um paciente, e agora tenho um relatório disciplinar que vai me seguir pelo resto da minha carreira. Então, eu vou pra cama.
Arizona: Desculpa. Sinto que tudo o que tenho feito é pensar em mim mesma.
Callie: Sério, eu juro! Eu juro que não consigo mais ouvir suas desculpas. Você tem tornado cada vez mais difícil te perdoar!
Arizona: Por mais de um ano, desde a queda do avião, tudo o que tenho feito é pensar em mim mesma. Precisava descobrir como... ser eu. Eu costumava ser alguém que estava sempre feliz. Eu acordava feliz. Eu era alguém que patinava no trabalho. E aí isso aconteceu, e tudo ficou difícil e tudo parecia demais e... e os planos. E a minha vida parecia que não era mais minha. E eu só... eu queria... eu queria acabar tudo e começar de novo, só jogar tudo fora e descobrir uma vida que se encaixasse em quem eu sou agora. E estou começando a sentir que sei quem sou de novo. Precisei desistir de coisas, mas o que aprendi foi que não preciso de muito. Não preciso de muito pra ser feliz. Não preciso de duas pernas. Mas eu sei... eu sei que preciso de você. Precisa de Sofia e de você. E eu... tenho medo, (chorando) de que agora que sei de tudo isso, que eu tenha feito você desistir de mim.
(Callie sai da sala, mas volta com os tênis de rodinhas de Arizona.)
Callie: Você não deveria ter que desistir das coisas.

Cristina: Quer saber por que estou chateada? Vou te dizer.
Owen: Okay, por que?
Cristina: Ela era o que você queria. Você não simplesmente joga for a um future daquele. Eu quero que você seja feliz.

We Gotta Get Out of This Place [10.16]Editar

 
«Há uma fase que você passa durante o parto e é a fase mais dura. É chamada de fase de transição. Você já está empurrando tão forte e por tanto tempo. Está exausta, entregue e não tem nada pra mostrar como recompensa por tanto esforço. Durante esse período de transição, parece que você não consegue mais ir em frente, mas é só porque já está muito perto da chegada. Transição é o movimento de uma parte da vida até outra completamente nova. E pode parecer como um longo, assustador e escuro túnel. Mas é preciso sair do outro lado porque o que está esperando lá pode ser glorioso.»

April: Quanto tempo demora pra lavar uma, tipo 10 segundos?
Jackson: Eu também não gosto de uma cozinha imunda. Vasilhas de cereal sujas na pia não são exatamente meu sonho de consumo.
April: Ah, meu Jesus.
Jackson: Agora que ele entrou na conversa, vou garantir que as vasilhas vão ser limpas hoje de noite.

Jo: Um contrato de amor? Onde a Grey arrumou isso? Na casa de sonhos da Barbie da Zola?

Callie: (para Meredith) Eu odeio o seu marido.
Arizona: Owen falou pra não falar sobre isso.
Callie: Não estou. Estou falando comigo mesma. Odeio Derek Shepherd. Sério? Por que? Ah, porque ele é um ladrão arrogante e idiota. Eu concordo totalmente.
Cristina: Vocês acham que ela é gostosa?
Arizona: Sim, muito.
Callie: E agora eu odeio você.

Callie: Deixa eu te mostrar um diagrama. Esse é você.
Derek: Eu sou um asterisco?
Callie: Não. Você acha que é o centro do universe. E também, isso parece com um ânus. De qualquer forma, funciona.

Derek: O meu nome está no material e nas patentes. Eles são meus. Pode ouvir isso de mim ou de um juiz na corte. Minha sugestão é que poupe tempo e dinheiro. Me escute como um amigo. Eu sinto muito. Me sinto horrível.
Callie: Existe um motivo pra se sentir assim e é porque é a coisa errada a se fazer e você sabe. Você não costuma responder as pessoas e agora tem o próprio presidente te ligando no celular. E está com medo de dizer não, mesmo sabendo que é 100% errado. Você é uma boa pessoa. É por isso que se sente mal, porque deveria.

(montando um perfil pra Owen)
Cristina: Descreva você mesmo.
Owen: Não.
Cristina: "Teimoso".
Owen: Não estou sendo teimoso. Eu só…
Cristina: "Inteligente, atlético”.
Owen: Olha, estou muito ocupado pra…
Cristina: "Um professional ocupado que procura...” O que?
Owen: Nada. Não procure nada.
Cristina: Ah, "procura o mesmo, alguém que seja apaixonado pelo trabalho. Alguém que...” Ah, vai, o que?
Owen: Tá, tá. Hm, alguém que não se importe em cozinhar ou sair da cama quando não for dia de trabalho. Alguém que durma tão quieta e serena que eu preciso checar seu pulso, às vezes. Alguém que sofreu e que entenda sofrimento...
Cristina: Eu manteria algo mais fácil.
Owen: Ao ponto em que eu não precise dizer uma palavra. Ela simplesmente olha pra mim e enxerga quem sou e como me sinto e aceita. Ela não tenta me mudar, nem quer fazer isso. Essa pessoa. Existem bilhões de pessoas por aí. Mas acredito que só exista uma dela.

April: Fizemos algo que não foi responsável, mas fizemos porque nos amamos e queremos passar todos os dias juntos até morrermos. Eu sinto muito.
Jackson: Não, você não precisa se desculpar pra ela.
April: Preciso, sim. Nos casamos. Tivemos um casamento e tudo o que ela recebeu foi uma ligação quando acabou. Se nossos filhos fizerem isso, vou matar eles com minhas próprias mãos.

Richard: Hunt está tentando fazer eu me aposentar.
Catherine: O que?
Richard: Ele começou o dia me entregando instruções para pendurar o jaleco.
Catherine: E você disse a ele onde enfiar, certo?

Callie: Nós derrubamos o governo hoje! Estamos com sede.

Alex: Isso não é uma promessa. Você quer uma? Posso te prometer que não pode contar comigo porque coisas acontecem, sabe? Casas incendeiam. Carros batem. As pessoas adoecem. Um de nós pode morrer amanhã. Prometo a você que não dá pra contar com nada, mas isso me deixar te beijar a hora que eu quiser. Não quero mais ficar correndo e me escondendo. Eu quero te beijar quando eu quiser te beijar.

Do You Know [10.17]Editar

 
«Você sabe quem você é? Sabe o que aconteceu com você? Quer viver dessa maneira? Tudo o que é necessário é uma pessoa, um paciente, um momento para mudar sua vida para sempre. Pode mudar sua perspectiva, colorir seu pensamento. Um momento que a força a reavaliar tudo que acha saber. Você sabe quem você é? Sabe o que aconteceu com você? Quer viver dessa maneira? Se tem uma coisa que eu aprendi durante esses anos é que basta uma pessoa, um paciente, um momento para mudar sua vida para sempre, para mudar sua perspectiva, colorir seu pensamento. Para o forçar a reavaliar tudo o que achou saber. Para fazer você se perguntar as perguntas mais difíceis: você sabe quem é? Sabe o que aconteceu com você? Quer viver dessa maneira?»

Owen: Ei, você.
Cristina: O que está fazendo? O que diabos está fazendo?
Owen: Estou esperando pelo elevador?
Cristina: Acabei de passer o dia salvando a vida de um homem que agora está escolhendo morrer e eu só consigo pensar que... nós dois estamos jogando tanta coisa fora. Deveriamos ficar juntos. Você é o amor da minha vida e é burrice a gente continuar fingindo. Eu amo você. Quero ficar com você. De verdade, pra sempre, simples assim.

(logo depois de ter transado)
Cristina: É isso. Batizamos todos os cômodos desta casa.

(em um abrigo de cães)
Owen: Ele é lindo!
Cristina: Não.
Owen: Oh, okay. Hm, esse aqui!
Cristina: Concordei com um cachorro, não um cavalo.
Owen: É cão de porte médio.
Cristina: Não, é gigante. E você sabe o que um cachorro grande faz.
Owen: O que?
Cristina: Cocôs grandes. Essa coisa poderia cagar meu peso todinho em um dia só.
Owen: Que imagem linda, obrigado por...
(Cristina foi olhar o próximo cão.)
Cristina: Esse aqui.
Owen: O que?
Cristina: É esse.
Owen: Não. Isso não é nem um cachorro. É um roedor e parece malvado.
Cristina: Ei, queremos essa coisa aqui! Alguém pode tirar?

Alex: Adotou um cachorro?
Cristina: Sim.
Alex: O bichinho vai estar morto em uma semana.
Shane: Nomeou seu cachorro de Sra. Rodriguez?
Cristina: Quando você o conhecer, vai entender.
Alex: É melhor ir logo, antes que ele morra.
Cristina: Que? Eu sou médica! Não acho que vou ter algum problema em manter um animal vivo.

Meredith: Não acredito que vai vestir o cachorro com o suéter do meu filho.
Cristina: Mrs. Rodriguez sente frio. Ele não tem condicionamento físico pra esse tempo chuvoso. Ele fica tremendo.
(Meredith ri.)
Cristina: O que?
Meredith: Você gosta do cachorro.
Cristina: É um cachorro incomum. Não que eu esteja me tornando alguém que gosta de cães. Ele só se relaciona com pessoas da mesma forma que eu.
Meredith: Uhum.
Cristina: Sério. Tipo, ele não quer falar sobre seus sentimentos ou sobre o futuro. Se eu o levar pra passear e alimentar em uma escala regular, ele se aninha comigo no sofá. E se eu não fizer, ele morde meu tornozelo. É um padrão de comportamento que faz sentido pra mim.
Meredith: Você gosta do cachorro. O cachorro te entende. Você gosta. É assim que eu falo sobre meus filhos. Você tem um bebê!
Cristina: Oh!
Meredith: Um cachorrinho bebê!

Cristina: Todos os dias eu vou ao trabalho. Faço meu serviço. Aí eu vou pra casa e faço aquele trabalho. Estou tão cansada. Sinto como se fosse um zumbi o tempo todo.
Meredith: Você acabou de entrar no Segundo trimester, então vai começar a melhorar.
Cristina: Não é a gravidez.
Meredith: Cristina...
Cristina: Olha como ele [Owen] está feliz.

Owen: Ei, você.
Cristina: Acabei de passer o dia salvando a vida de um homem que poderia ter escolhido morrer, mas não escolheu. Consertei um coração que era impossível de ser consertado. Fiz o impossível hoje e me sinto muito bem. Não, mais que isso, me sinto incrível. O que está fazendo agora?
Owen: Esperando pelo elevador.
Cristina: É, vamos ter que ir pelas escadas porque eu acabei meu turno e preciso comemorar. Hoje. Pelada. Com você.
Owen: Hm, eu poderia gostar disso.

Cristina: Acabou. Sabe, dessa vez Owen e eu acabamos mesmo. A gente continua voltando pro mesmo padrão, é tão... Mer? Está acordada?
Meredith: (acordando) É, você e Owen acabaram de novo. Estou ouvindo. Continue.
Cristina: Tá vendo? O problema é esse. Não pode continuar desse jeito porque não faz bem, não é saudável.

Cristina: Nunca poderia pedir a você pra fazer isso.
Owen: Você não está. Eu estou dizendo.
Cristina: Eu não acredito em você.
Owen: Cristina, as pessoas mudam. Você não é a mesma que era quando nos conhecemos. Eu posso mudar também.
Cristina: Mesmo? Pessoas que querem filhos não param simplesmente de querer. Não desista das coisas por mim.
Owen: Ei, não estou. Juro. Não estou desistindo de nada.

Cristina: Preciso de ajuda, Mer, você precisa me ajudar. Não me deixe voltar pra ele. Pelo bem dele e pelo meu. Por favor, me ajude.
Meredith: Claro! Claro que vou te ajudar.

You Be Illin' [10.18]Editar

 
«Em media, uma pessoa toca seu rosto cerca de 18 vezes por hora. Isso o deixa suscetível a infecções cerca de 100 vezes por dia. Infecções possuem a mania nojenta de levar vantagem sobre nossos hábitos diários. Ela se espalha através de portas, mesas, botões de elevador, canetas, copos, até mesmo dinheiro. Tudo o que podemos fazer é tentar prevenir que ela se espalhe, porque quando começa, ela geralmente ganha. É um fato conhecido que médicos fazem os piores pacientes. Ignoramos nossos sintomas até estarmos cara a cara com o chão. Gostamos de pensar que somos de uma espécie diferente de nossos pacientes, mas nenhum de nós é invencível. Enventualmente, precisamos aceitar que somos humanos e que, às vezes, até o mais forte de nós precisa de ajuda. »

Callie: Sabe, eu também posso ser um furacão. É, já tive minha parcela de coisas pra sentir raiva. Ortopedia me salvou algumas vezes. Posso resolver minhas coisas e outra pessoa é curada no processo e eu ainda recebo dinheiro. É só sucesso.
Jo: Neste momento, eu sinto como se nunca mais fosse sentir raiva.
Callie: Ah, querida. Você namora Alex Karev. Sempre vai ter um motivo pra ter raiva.

Richard: Murphy, medicos não ficam doentes. Pacientes, sim. Por isso existem medicos. É uma regra não falada, pessoal: cirurgiões ficam em casa, pacientes sofrem tanto quanto os médicos que precisam cobrir vocês. Não se fica em casa, se aguenta.

Cristina: Essa pesquisa é meu bebê, Shane. Não deixe meu bebê morrer.

Oliver: Sem ofensa. Eu vou dormir até cair no sono em cima das minhas pilhas e pilhas de dinheiro.

Miranda: Existem dois tipos de homens doentes: o tipo do Jackson e o tipo Ben Warren. Quando eu chegar em casa mais tarde, Dr. Ben Warren vai gritar “Miranda” em posição fetal no sofá, implorando por uma toalha molhada na cabeça. O tipo de bode do Jackson é do tipo bom.

Richard: Murphy, talvez você devesse…
Leah: Não, achei um jeito de continuar aguentando e não vou quebrar a regra não falada que todos continuam falando a respeito.

Meredith: Não está respondendo porque você vomitou na sua boca?
(Leah acena.)
Meredith: Se afaste da área, Murphy.
Richard: Vá pra casa. Bom trabalho, Murphy.
(Leah sai.)
Meredith: Fraca.
Richard: Que bunda-mole.

Callie: Você caiu?
Arizona: Não, não. O chão só é muito legal e frio. E é meu amigo. Mas adivinha.
Callie: O que?
Arizona: Eu acertei. Meus superpoderes estão intactos.
Callie: Isso.
Arizona: Viva!
Callie: Super.

[Meredith entra no escritório de Derek e o encontra ensaiando seu discurso pro bebê, que está na cadeirinha]
Meredith: Eu fui até a creche e descobri que meu filho sumiu.
Derek: É, eu precisava de plateia. Olha, senta. Deixa eu ensaiar com você mais uma vez, okay?
Meredith: Ah, não, não, não. Já ouvi esse discurso tantas vezes que eu mesma poderia fazer. Para de entediar nosso filho.
Derek: É chato? 50 cientistas ao redor do mundo vêm aqui hoje. Precisa ser atraente. É algo bem grande.
Meredith: Eu sei que é importante, por isso que eu vou sair do seu caminho.
Derek: Aham.
Meredith: Aham. [leva a cadeirinha] E vou levar meu filho comigo porque não quero que sua primeira palavra seja hipotálamo. [beija Derek]
Derek: Existem piores.

Meredith: [preocupada] Você está bem?
Derek: Hm, só se você souber falar estoniano. Meu tradutor está doente.
Meredith: Você não parece bem. Está pegando esse negócio?
Derek: Eu não fico doente. É uma regra não falada.
Leah Murphy: Falada. Duas vezes hoje.

I'm Winning [10.19]Editar

 
«O prêmio Harper Avery é um dos maiores prêmios que um cirurgião pode ganhar. Eles sempre ligam para os indicados na mesma sexta-feira, no mesmo mês, às 8 da manhã na Costa Leste. 5 da manhã em Seattle. Minha mãe foi nomeada cinco vezes. Eu já passei por isso antes. Se o telefone tocar, tudo muda. De repente, você é uma estrela. Se não... eu não sei. Minha mãe era uma estrela. Ela sempre recebia a ligação. Minha mãe não achava que ganharia. Ela pensava que era um concurso de popularidade e ela não era popular. Ela era uma mulher, uma bolsista, e sua arrogância poderia passar a imagem errada. Ela não se permitiu imaginar a possibilidade de ganhar porque ela queria muito. E quando eles chamaram o nome da minha mãe, ela ficou genuinamente chocada. Foi a validação de todo seu trabalho e sacrifício. Ela voltou pra casa e me disse que não tinha ganhado o Harper Avery. Tinha merecido. »

Intern: Dr. Yang? Sou um interno aqui. Só queria te parabenizar. Você vai ganhar!
Cristina: Você veio do future?
Intern: Hm, não.
Cristina: Então cala a boca.

Richard: E a Dra. Bailey está procurando a cura genética pra uma criança sem sistema imunológico. Edwards?
Stephanie: Eu estava com ela ontem, ela não está fazendo nada. Ela só fica olhando pra tela do computador.
Richard: Isso não é nada. Ela está pensando. O cérebro dela está a procura de um momento de inspiração. Parece com nada, mas em um momento... BUM! É o Quatro de Julho! Não pisquem. Podem perder.
Shane: Foi assim comigo e Yang no começo, também. Vários momentos olhando pra tela do computador, e agora olha pra gente.
Stephanie: Oh Shane. Oh Shane, Shane, Shane.
Shane: Não…
Stephanie: Eu não ia fazer isso hoje. Realmente não ia, certo, garotas?
Jo: Ela não ia.
Leah: Juro por Deus.
Stephanie: Mas você está se achando demais.
Shane: Não tem nada muito interessante, eu só fico no laboratório imprimindo cópias de conduítes.
Stephanie: Não mais. Faz tudo! Espero que goste de trabalhar com a Dra. Bailey! Bum! Quatro de Julho!
Jo: Que droga.
Stephanie: Faz tudo!

Callie: Você vai me matar.
Arizona: Por que?
Callie: Você vai. Meu deus, nem acredito que vou…
Arizona: Você dormiu com outra pessoa?
Callie: O que? Não!
Arizona: Ainda bem! Você me assustou!
Callie: Eu quero outro bebê.
Arizona: O que?
Callie: Eu quero minha vida de volta também e quero um tempo pra pensar e fazer meu trabalho, mas também... espera, porque é que você pensou que eu iria dormir com outra pessoa?
Arizona: Porque você disse que eu ia te matar.
Callie: Depois de tudo que passamos, como poderia, mesmo que por um segundo, achar que eu iria dormir com outra pessoa? É loucura.
Arizona: Eu quero outro bebê também.
Callie: O que?
Arizona: Não quero que Sofia nos enterre sozinha ou cuide da gente por um longo e horrível período. Ela precisaria de outra pessoa pra passar por isso com ela.
Callie: Isso é mórbido e horrível.
Arizona: Ou prático.
Callie: E horrível.
Arizona: Você também queria um bebê!
Callie: É, porque eu amo bebês! Eles são adoráveis e deliciosos!
Arizona: E você só percebeu isso hoje?
Callie: É, eu esqueci, aí vi a Meredith e seu bebê. Espera, por que estamos discutindo?
Arizona: Eita... vamos ter outro filho!
Callie: Nós vamos!
Arizona: Eu te amo tanto!
Callie: Tanto, tanto!
(Elas comemoram e se abraçam)

Go It Alone [10.20]Editar

 
«Cirurgia é um ato solo. Nos aproximamos da mesa com um bisturi em nossa mão e estamos sozinhos. O isolamento pode começar a definir você, porque mesmo estando cercado por uma equipe, tudo se resumo ao seu próprio treinamento. Suas escolhas. Sua esperteza. Suas mãos. Suas habilidades. Tudo se resumo a apenas você. Cirurgiões são treinados para seguirem sozinhos, para serem artistas solo. Para serem rebeldes tanto dentro quanto fora da SO. Mas a verdade é que nunca estamos realmente sozinhos. Nos apoiamos nos ombros dos que vieram antes de nós. Ficamos ao lado dos colegas que nos apoiaram. Nos prepararam. Para o momento que todo cirurgião espera. Quando tudo se resumo ao seu treinamento. Suas escolhas. Sua esperteza. Suas mãos. Suas habilidades. Quando tudo se resume a você.»
Meredith: Cristina?
Cristina: Mer? Eu cometi um erro. Não quero ficar sozinha aqui. Você deveria estar aqui. Deveríamos estar bêbadas. Por que não estamos bêbadas? Queria o Owen também. Ele poderia, tipo, segurar minha bolsa e me dizer coisas e ah meu Deus... me dizer pra usar desodorante. Eu esqueci o desodorante e agora tô fedendo e...
Meredith: Cadê você? Tá na sua mesa?
Cristina: Quer saber? Esquece. Eu tô bem.

Catherine: O Prêmio Harper Avery celebra aqueles que destruíram obstáculos, mudaram o caminho e inventaram o futuro de como devemos viver, curar e prosperar. Os cirurgiões nesta sala estão redefinindo a medicina para as gerações a seguir. É por isso que tenho muito orgulho em anunciar o vencedor deste ano. O Prêmio Harper Avery vai para o doutor Ronald Myers, Johns Hopkins!

Callie: Eu nunca teria presumido que você não queria carregar nosso filho.
Arizona: Hmm hmm.
Callie: Você disse: “Não aguento outra perda. É muito dificil”. Eu entendi como um não. E eu tinha medo de perguntar de novo e te deixar muito triste.
Arizona: Isso foi há um ano e tinha muita coisa acontecendo, tipo, talvez eu tenha mudado de ideia.
Callie: Mudou?
Arizona: Não sei. Talvez.
Callie: Arizona, se te deixar feliz, vai me deixar feliz.
Arizona: É, mas… você acha que eu deveria?

Meredith: Alex, ainda está aqui?
Alex: Turno da noite. Voce ainda tá aqui?
Cristina: Sim, estamos todos ainda aqui, obviamente.
Meredith: Terminou seu discurso?
Cristina: Nah. Eu vou improvisar.
Meredith: É estranho. Eles já tomaram a decisão. Seu nome está digitado num pedaço de papel em um envelope.
Alex: Eu sei. Eu sempre imaginei que leria sobre você ganhando um Harper Avery. Não imaginava que estaria operando com você na noite anterior a você ganhar.
Meredith: Quando foi a última vez que ficamos todos juntos num turno da noite? Terceiro ano?
Cristina: Eita, olha pra gente agora. Você tem dois filhos.
Meredith: É, e você prestes a ganhar um Harper Avery! E Alex...
Cristina: Que triste.

Derek: Murphy, médicos não choram nos corredores. Temos escadas pra isso.
Leah: Desculpa, mas estou tão aliviada.
Derek: Sim, você teve sorte hoje. Nada de ruim aconteceu, mas poderia. E se tivesse, a culpa teria sido sua. Então, lembre-se desse sentimento, desse quase, não do alívio. Vai impedir que você cometa esse erro novamente.

Change of Heart [10.21]Editar

 
«Pelos últimos 20 anos, uma das ferramentas mais valiosas que um médico possui é o algoritmo. As dores dos seus pacientes são registradas em uma ficha e a fórmula te ajuda a decidir o que fazer em seguida. Mas o que acontece quando um problema não se encaixa na ficha? Bom, você está repentinamente sozinho, inesperadamente com cerca de cem caminhos para escolher. Então, o que fazer? Como decidir quando se é deixado no escuro? Como ter certeza de que não está cometendo o pior erro da vida de alguém? Você fecha seus olhos. Bloqueia tudo e todos ao seu redor e reza para que sua voz interna esteja certa. Porque quando você decide, não pode voltar atrás. »

April: Você voltou!
Meredith: É melhor ficar longe de mim hoje.
April: Cadê a Cristina? Ela deve estar arrasada. Se eu fosse ela, estaria me enchendo de biscoito de chocolate agora.
Meredith: Para! Cristina Yang não precisa da sua Piedade! Ela foi roubada e você a roubou!
April: Fui eu?
Meredith: Sim, você! Você é uma Avery por associação. E aqueles idiotas não sabem diferenciar a bunda do cotovelo!

Jackson: Podemos, por favor, parar de falar sobre nossas crianças hipotéticas?
April: Não Podemos! Porque não são mais hipotéticas! Jackson, eu estou grávida.

Arizona: Qual o problema com sua cara?
Alex: Seu cabelo tá bonito.
Arizona: Hm, o que você fez?

Arizona: Alex, eu te trouxe aqui hoje porque confio nas suas habilidades de pegar esse coração adequadamente, mas entramos no avião e eu comecei a me sentir triste porque você vai embora logo e vou sentir sua falta. Não te trouxe aqui pra brigar. Tenho orgulho de você e só queria divider uma porcaria de meméria! Certo? Eu estava sendo sentimental.
Alex: Ah. Se eu aceitar esse trabalho, ainda vou ter acesso ao hospital. Você vai me ver ainda.
Arizona: Cala a boca, Karev. O momento passou.

Richard: Você a usou! Ela nunca ia ganhar essa porcaria! Ninguém do Grey Sloan Memorial nunca vai ganhar um Harper Avery, vai? Algum dia?
Catherine: Precisa que eu te lembre o motive de existir um Hospital? Ou eu deveria pegar meus 24 milhões de dólares e ir pra casa? O que me atrai em você, Richard, é seu idealismo. Acho extremamente atraente. Mas isso são negócios e não gostei de ter vindo do outro lado do país para brigar comigo sobre o fato do seu pônei não ter ganhado um laço! E se fizer você se sentir melhor: ela teve os votos.

Amelia: Não consigo fazer isso.
Meredith: As crianças quebraram sua irmã.
Amelia: Nao são elas. Não vim até aqui ver como sua vida perfeita funciona. Vim pra ver se eu conseguia viver assim. Com as coisas todas. Crianças, casamento e a carreira em tempo integral, porque eu quero isso. Com James. E estou destruída depois de um dia! Mais um item pra lista de coisas que não sei fazer!

Owen: Você tomou a decisão certa. Fez a escolha certa.
Cristina: Eu sei que fiz a escolha certa. Não precisa me dizer. Era uma decisão impossível e eu continuo defendendo. Eu fiz tudo exatamente como deveria ter feito. Eu fui perfeita.
Owen: Então, o que está errado?
Cristina: Qual o sentido, Owen? Qual o sentido de qualquer coisa?
Owen: Você ganhou. O Harper Avery. Você teve os votos. Richard acabou de me dizer. A política te ferrou. A relação da fundação conosco. Eles te usaram. Você nunca teve chance.

Meredith: [olha para um scan que Derek está analisando] É um crescimento espinhal?
Derek: É sim.
Meredith: Estendido para o espaço retropleural?
Derek: Mm-hmm.
Meredith: [excitada] É para mim?
Derek: Estou te devendo um encontro. SO 3, você esterilizada e eu o capitão do barco. Está dentro?
Meredith: Bem, pode demorar horas. E as crianças?
Derek: Amy está com elas.
Meredith: Temos uma babá chamada Amy?
Derek: Amy, minha irmã.
Meredith: A drogada?
Derek: Ela é uma viciada em tratamento, e adora crianças.
Meredith: Eu estive fora por um dia.
Derek: O tumor envolve os grandes vasos.
Meredith: [sorri] Eu sei o que está fazendo.
Derek: [sorri] Mm-hmm.
Meredith: E está funcionando.
Derek: Mm-hmm.

We Are Never Getting Back Together [10.22]Editar

 
«Às vezes você precisa sair da cidade. Ter outra perspectiva. Mas nem sempre você sabe que precisa de uma nova perspectiva, porque, bem, você precisa de uma pra ser capaz de perceber isso. É complicado. Abra os olhos. O que você vê? Mais possibilidades? A sua vista te dá mais esperança? Esse é o objetivo. Embora nem sempre funcione assim. Às vezes uma mudança na perspectiva só o faz perceber o que você já perdeu.»

Cristina: Você não me conhece mais. Vejo que sua vida seguiu, mas quero que saiba que a minha seguiu também.
Preston: Está certa. Eu não te conheço. Mas sei que se tornou uma cirurgiã magnifica. Se tornou tudo que eu sonhei pra você. Você deveria estar em um lugar como esse. Deveria considerar.

Preston: Deixe-me retribuir o favor e te mostrar no que estou trabalhando. Tenho uma cirurgia hoje à tarde. Gostaria muito que você participasse dela comigo. A menos que tenha planos.
Cristina: Preciso fazer uma ligação.
Preston: Vá em frente, nos falamos depois. Ah e hm, diga a Meredith que eu disse oi.

Owen: Ei, é ela?
Meredith: Caixa de mensagem. Nunca nos encontramos.
Owen: Ela tá se divertindo?
Meredith: Hm, sim, ela disse que a palestra foi boa e...
Cristina: (mensagem) Burke está aqui!
Meredith: O que?
Cristina: (mensagem) Burke. Aqui.
Meredith: Mentira!
Owen: O que?
Cristina: (mensagem) É, e foi ele quem me trouxe aqui.
Meredith: Nada, ela disse que foi aplaudida de pé.
Owen: Eu sabia que essa viagem seria ótima pra ela!

April: Ei, Rainbow Williams na cama 3 precisa de um exame abdominal pra eliminar apendicite.
Arizona: Ah, Rainbow! Vou adicionar a minha lista de nomes de bebês.
April: Sério?
Arizona: Sim, logo depois de Bubba, Toolio, e Agamemnon.
April: Agamemnon? Esse… é… é bonito.
Arizona: Não, é não. É abusivo. Mas a Callie fica cortando os nomes bonitos que eu escolho, então minha nova estratégia é enterrar os nomes fofos em um mar de nomes horríveis. Como, hm, Zimboni, Hashtag, Digger.

Callie: Agamemnon. Gostei.

Derek: Gosto de você aqui. Você é minha preferida.
Amelia: Você diz isso a todas nós, mas vou escolher acreditar, porque você é meu irmão preferido.

Cristina: (chegando no aeroporto) Chocolate! Comi alguns.
Meredith: Você vai embora.

Cristina: Amo Zurich! Bom, não vi muito da cidade, só a vista do meu quarto. Mas, Meredith, é demais! Essa cama parece a de um gigante, se um gigante fosse rico e gostasse de travesseiros estranhos. Eu dormi por 24 horas, literalmente. Ah, e eu preciso dar minha palestra, que é daqui a algumas horas, e depois preciso voltar pra casa.
Meredith: (ouvindo a caixa de mensagem) Não vai trazer meus chocolates.
Cristina: Não acho que vou ter tempo de comprar suas coisas.
Meredith: (ainda ouvindo) Por que não compra no aeroporto?
Cristina: Eita, tive uma ideia. Talvez eu possa comprar algo no aeroporto.

Derek: Sou Dr. Shepherd.
Amelia: E eu também. Irmã dele.
Derek: Mm.
Amelia: Médicos bonitos são a regra da família.

Derek: Okay, eu vou cuidar da gêmea A. Amy cuida da gêmea B.
Amelia: Dra. Shepherd.
Derek: O que?
Amelia: Não, quis dizer que meu nome é Dra. Shepherd. Você disse “Amy” e isso me faz parecer uma menina idiota que está acompanhando a cirurgia, quando na verdade eu vou fazê-la junto com você.
Derek: Okay. Desculpa.

Everything I Try To Do, Nothing Seems To Turn Out Right [10.23]Editar

[Meredith narrando]: Toda ação gera uma reação de igual intensidade e direção oposta. As salas de emergência são comandadas por pessoas que aprenderam essa lição a duras penas. Paraquedistas, peões de rodeio, pessoas cujas ideias ousadas geralmente resultam em ossos quebrados e baços esmagados. Cirurgiões são treinados para lidar com a falha das ideias ousadas, nós juntamos as peças e fazemos nosso melhor para colocar tudo junto de novo.

[Meredith narrando]: O problema sobre os passos ousados é que eles são assustadores. Poderiam acabar em nada além de lágrimas e ossos quebrados. E é exatamente isso o que os torna tão excitantes.

Fear (Of The Unknown) [10.24]Editar

[Cristina narrando]: Sempre que achamos que conhecemos o futuro, mesmo que por um segundo, ele muda. Às vezes o futuro muda tão rápida e completamente que nos deixa com apenas uma opção sobre o que fazer em seguida. Podemos escolher ter medo. Só ficar em pé, tremendo, sem se mexer. Presumindo que o pior pode acontecer. Ou podemos ir em direção ao desconhecido, e presumir que vai ser maravilhoso.

Stephanie: Fiz uma clipagem de aneurisma com Shepherd.
Shane: Shepherd ou Shepherdina?
Stephanie: Shepherdina.
Amelia: "Shepherdina"? Sério?
Shane: Hm, desculpa, é só que é muito confuso.
Amelia: Até que eu gosto, Shepherdina.
Stephanie: Ah, antes era só “irmãzinha do Shepherd”.
Amelia: Edwards, gosta de trabalhar na neuro? Então nunca mais repita isso.

Cristina: Chegaram mais?
Meredith: Não, está diminuindo. O que ainda está fazendo aqui? Que horas é seu voo?
Cristina: Não posso ir, Mer, acabaram de bombardear Seattle.
Meredith: Não, ninguém bombardeou. Foi um acidente. Tudo de gás. Tipo um descarrilamento de trem ou um acidente de balsa. Pode ir.
Cristina: Quando eu soube que tinha sido no shopping sabe o que eu pensei? Lembrei daquela vez que eu e Callie matamos o trabalho e compramos todos os móveis da minha casa.
Meredith: A que horas é o seu voo?
Cristina: Daqui a duas horas. Link McNeil conseguiu um coração, preciso operar.
Meredith: Não precisa não. A nova chefe de cardiologia pode operar, você não tem tempo, além do mais você ainda tem que preparar, ainda tem isso! [tocando nos braços limpos de Cristina]
Cristina: Meredith!
Meredith: Você está adiando há duas semanas!
Cristina: Preciso terminar algo aqui. Nada parece terminado. Nada disso parece terminado. Owen e eu, nos separamos por algo que nem aconteceu e nunca nos separamos de verdade. E eu e você não terminamos. George está morto e Izzie foi embora, e deveria ser eu, você e Alex, e agora nada está terminado. Eu não terminei!
Meredith: Você não se sente terminada porque ainda não é o seu fim. Não há uma linha de chegada, nem um ponto final. Você só precisa ir.
Cristina: Eu sei, eu sei. E continuo tentando mas não sei como fazer. Você precisa me ajudar, Mer.
Meredith: Só vamos. Okay?
Cristina: Okay.

Cristina: [para Meredith] Manda mensagem. E não deixe o Owen ficar todo sombrio e deprimido. Cuide dele. E Alex. Cuide do Alex. Ele precisa ser perturbado pelo menos uma vez ao dia, ou ficará insuportável. Não entre em nenhum aviãozinho que possa cair, ou coloque sua mão em uma cavidade que tenha uma bomba dentro, ou ofereça sua vida para um cara com uma arma. Não faça isso! Não seja uma heroína.. você é minha pessoa, eu preciso de você viva. Você me torna forte. Okay, agora vamos dançar.
...
Cristina: [sobre Derek] Você é uma cirurgiã talentosa com uma mente extraordinária, não deixe o que ele quer eclipsar o que você precisa. Ele é muito brilhante, mas não é o sol. Você é.

Derek: Aceitei o emprego.
Meredith: E era pra você maneirar o ritmo! Você disse “pegue esse ano e o faça valer. E eu vou assegurar que você consiga.” E mentiu!
Derek: Sinto muito. Eu menti. É uma oportunidade única na vida.
Meredith: Então conseguiu isso e eu desisti do projeto, e achei um jeito de dar certo, com meu trabalho, meus filhos e minha pesquisa com menos ajuda sua e eu consegui!
Derek: Você não é a vítima. Estou me matando tanto quanto você!
Meredith: E aí você quis mais e mais projetos! Mas agora isso já é demais. Você não pode simplesmente nos levar junto pra eu poder viver à sua sombra!
Derek: Você tem um emprego, poderia estar trabalhando no James Madison.
Meredith: Certo, e foi assim que meu pai conseguiu seu primeiro emprego aqui. Eles queriam minha mãe, então ela teve que ligar pra Universidade e mexer uns pauzinhos e achar algo pro Thatcher fazer! É assim que tudo começa.
Derek: Não é a mesma coisa.
Meredith: É exatamente isso! E não foi pra isso que eu me inscrevi.
Derek: Você está sendo egoísta!
Meredith: Eu preciso ser, Derek, porque você acredita que sua carreira é mais importante do que a minha.
Derek: Neste momento, ela é mesmo!
Meredith: Não, não só agora, sempre! Você sempre vai ser aquele médico sexy e eu sempre vou ser aquela jovem interna que se apaixonou por você.
Derek: É assim que você se vê. É problema seu, não posso fazer nada pra consertar isso.
Meredith: Não é assim que eu me vejo; esse é o problema aqui!
Derek: Em D.C. você poderá fazer cirurgias, sua pesquisa, suas veias-portas. Não tem nada que você não possa fazer lá.
Meredith: Mas eu não quero! Não estamos falando só sobre meu trabalho, Derek. Estamos falando sobre minha vida. Eu cresci aqui, construí uma família aqui, ajudei a reconstruir o hospital que leva o nome da minha irmã, da minha mãe e o meu próprio! Eu vivo aqui, minha vida está aqui, vou ficar aqui. Eu não quero sair.
Derek: Está me pedindo para escolher entre este trabalho e minha família?
Meredith: Estou apenas dizendo que não vou a lugar nenhum. Vou ficar aqui.

ElencoEditar



Temporadas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 | Geral