Paul Thomas Mann (6 de junho de 1875 - 12 de agosto de 1955) foi um romancista alemão.

Thomas Mann
Thomas Mann
Mann co el 1929
Nascimento Paul Thomas Mann
6 de junho de 1875
Lübeck (Império Alemão)
Morte 12 de agosto de 1955 (80 anos)
Zurique
Sepultamento Kilchberg cemetery
Cidadania Império Alemão, República de Weimar, Alemanha Nazi, Checoslováquia
Progenitores
  • Thomas Johann Heinrich Mann
  • Júlia da Silva Bruhns
Cônjuge Katharina Mann
Filho(a)(s) Erika Mann, Klaus Mann, Golo Mann, Monika Mann, Elisabeth Mann Borgese, Michael Mann
Irmão(ã)(s) Carla Mann, Julia Löhr, Heinrich Mann, Viktor Mann
Alma mater
  • Universidade de Munique
  • Universidade Técnica de Munique
  • Katharineum
Ocupação romancista, ensaísta, autobiógrafo, contista, crítico social, diarista, argumentista, professor universitário, escritor
Prêmios
  • Nobel da Literatura (Os Buddenbrooks, 172 760 coroa sueca, principally for his great novel, Buddenbrooks, which has won steadily increased recognition as one of the classic works of contemporary literature, 1929)
  • Prêmio Goethe (1949)
  • Ordem do Mérito para as Artes e Ciência
  • Prêmio Antonio Feltrinelli (1952)
  • Placa Goethe da Cidade de Frankfurt am Main (1932)
  • honorary doctorate from Princeton University
  • Doutor honorário da Universidade de Harvard
  • Doutor honorário da Universidade de Columbia
  • Doutor Honoris Causa da Universidade de Oxford
  • Doutor Honoris Causa da Universidade de Cambridge
  • Oficial da Legião de Honra
  • Comandante da Ordem de Orange-Nassau
  • honorary citizen of Lübeck (1955)
  • honorary doctor of ETH Zürich
  • honorary doctorate of Lund University
  • honorary doctor of the University of Bonn
  • honorary doctor of the Yale University
  • honorary doctor of the University of Jena
  • Medalha Goethe de Arte e Ciência
  • honorary doctor of Rutgers University
  • Pour le Mérite
  • Ordem de Orange-Nassau
  • Taylorian Lecture
Empregador(a) Universidade de Princeton, Simplicissimus
Obras destacadas Os Buddenbrooks, A Montanha Mágica, Morte em Veneza, José e os seus Irmãos, Lotte in Weimar: The Beloved Returns, Royal Highness, Doutor Fausto, The Holy Sinner, Confessions of Felix Krull, Tristan, Tonio Kröger, Mario and the Magician, Reflections of an Unpolitical Man, Gefallen, The Will to Happiness, Disillusionment, Little Herr Friedemann, The Clown, Tobias Mindernickel, The Wardrobe, Luischen, The Road to the Churchyard, Gladius Dei, Fiorenza, The Child Prodigy, Anekdote, Railway Accident, The Fight between Jappe and the Do Escobar, A Man and His Dog, The Blood of the Walsungs, Disorder and Early Sorrow, The Transposed Heads, The Tables of the Law, The Black Swan, Die Lösung der Judenfrage, The German Republic, That man is my brother, The Problem of Freedom, Listen, Germany!, Germany and the Germans, The Coming Victory of Democracy
Religião luteranismo
Causa da morte aneurisma
Assinatura

A Montanha Mágica

editar
  • "Que era, então, a vida? Era calor, o calor produzido pela instabilidade preservadora da forma; era uma febre da matéria, que acompanhava o processo incessante decomposição e reconstituição de moléculas de albumina, insubsistentes pela complicação e pela engenhosidade."

Tonio Kroeger

editar
  • “O sol de inverno era apenas um pobre brilho leitoso e débil atrás das camadas de nuvens sobre a cidade acanhada.”
  • “-As estrelas, meu Deus! Olha só para estas estrelas – disse repentinamente, com entonação pesada e cantante, uma voz que parecia vir de dentro de um tonel. Já a conhecia. Pertencia a um homem ruivo, vestido com simplicidade, de pálpebras vermelhas e um aspecto úmido e frio, como se acabasse de tomar banho. Fora o vizinho de Tônio Kroeger, durante o jantar na cabina, e havia consumido com hesitação e movimentos modestos, porções espantosas de omelete de lagosta. Agora encostava-se ao lado dele na amura e olhava para o céu segurando o queixo com o polegar e o indicador. Sem dúvida encontrava-se numa dessas disposições extraordinárias e festivas, nas quais as barreiras entre os homens caem, nas quais o coração também se abre para estranhos e a boca diz coisas que em outra ocasião, envergonhada, guardaria para si...”
  • "Como muitos outros artistas, ele provavelmente era bissexual, mas o amor de sua vida foi a minha mãe."
- Elisabeth Mann Borgese, filha do escritor alemão Thomas Mann (1875-1955), falando sobre as hipotéticas preferências sexuais de seu pai