Abrir menu principal
Marcelo Gleiser
Marcelo Gleiser
Marcelo Gleiser em outros projetos:

Marcelo Gleiser (Rio de Janeiro, 1959) é um físico, astrônomo, professor, escritor, roteirista e colunista brasileiro. Conhecido nos EUA por seus lecionamentos e pesquisas científicas, no Brasil é mais popular por suas colunas na Folha de São Paulo, um dos principais jornais do país, onde realizou uma extensa divulgação científica por cinco anos. Escreveu dois livros e publicou uma coletânea de artigos. Sua forma de escrever e de divulgar a ciência é equiparável à de Carl Sagan, conhecido pela forma apaixonada e simples de ensinar ciência em seus livros e em sua série científica Cosmos. De origem judaica, frequentou a sinagoga quando criança, mas hoje em dia se declara ateu. Já participou de programas de televisão do Brasil, dos EUA e da Inglaterra, entre eles, o Globo Ciência.


  • "É tudo muito pequeno — coisas microscópicas ou menores ainda, partículas elementares — ou muito grande, como astros e estrelas. São mundos completamente invisíveis para nós, mas que são revelados pela ciência."
-portal Educacional - a internet na educação
  • "A ciência é ensinada de uma maneira tão chata que é um milagre as pessoas desejarem ser cientistas"
-portal Educacional - a internet na educação
  • "Do mesmo modo que você vai ao teatro assistir a uma ópera sem saber ler uma partitura ou tocar um instrumento, não precisa saber matemática para apreciar a beleza das idéias científicas"
-portal Educacional - a internet na educação
  • "A ciência explica a natureza e cria novos mundos que não percebemos com nossos sentidos"
-portal Educacional - a internet na educação
  • "Eu explico como é um buraco negro usando analogias, metáforas do dia-a-dia, histórias de que as pessoas possam fazer parte"
-portal Educacional - a internet na educação
  • "Quando se perde algo tão importante, você passa o resto da vida criando por causa dessa destruição. É como uma compensação. Quando era adolescente, percebi que tinha duas opções: ou me tornava uma pessoa mórbida ou tentava criar a partir da perda. Fui até o fundo do buraco para perceber que a resposta não estava lá. A resposta não estava em descobrir a vida depois da morte, mas a vida que estava acontecendo aqui e agora. Então me entendi"
-Revista Época
  • "Quero voltar ao Brasil assim que minha filha caçula for à universidade. Sinto falta de sentar num bar com um amigo e largar a alma na mesa. Nos Estados Unidos convido as pessoas para ir lá em casa. Elas vão e parecem se divertir. Mas depois ninguém me chama. Fico pensando: será que fiz alguma coisa errada? Não quero envelhecer assim"
-Revista Época
  • "Essa idéia de que existe ritmo em tudo na natureza já ressonava na minha cabeça de forma inconsciente. Uma certa dança das coisas"
-Revista Época
  • "Há algo de muito patológico numa espécie que se diz inteligente, mas só é capaz de garantir sua sobrevivência pelo acúmulo de armas"
-Revista Época
  • "As pessoas se sentem ameaçadas pela ciência, achando que ela vai 'matar' os deuses. É essa distorção que os cientistas devem combater, e não a fé. A ciência não quer roubar Deus de ninguém."
- Revista Superinteressante nº 242

SobreEditar

  • " Ele é um cientista moderno, preocupado com o homem no centro de sua ciência. Tem compaixão, imaginação e humor"
-Cacá Diegues, cineasta. Revista Época
  • "Desde menino ele sempre foi tão lindo que tirava o fôlego das pessoas. Por isso, está acostumado a ter sempre muita gente olhando para ele."
-Luiz Gleiser, seu irmão, diretor de núcleo da TV Globo. Revista Época
  • "Gleiser possui uma mente larga o suficiente para abarcar tanto os mitos primordiais da criação como os últimos avanços da cosmologia. Seus livros são maravilhosos"
-Oliver Sacks, neurologista britânico. Revista Época
  • "Gleiser é a estrela mais brilhante de uma pequena constelação que consegue escrever numa língua que todos entendem. O que faz com que se destaque é sua disposição de se engajar na condição humana. Ele nos conta não apenas sobre os engenhosos modos com que tentamos entender o mistério que nos cerca, mas também a nós mesmos"
-Roald Hoffmann, cientista estadunidense. Revista Época