Luís Roberto Barroso

jurista, professor e magistrado brasileiro, ministro do STF e presidente do TSE
Luís Roberto Barroso
Luís Roberto Barroso
Luís Roberto Barroso em outros projetos:

Luís Roberto Barroso (Vassouras, 11 de março de 1958) É um juiz do supremo indicado pelo PT.


  • "Se o Congresso decidir que deve ter voto impresso e o Supremo validar, vai ter voto impresso. Mas vai piorar. A vida vai ficar bem pior, vai ficar parecido com o que era antes".
- Em audiência pública na Câmara dos Deputados sobre as propostas de emenda à Constituição que discutem o voto impresso e a reforma eleitoral
- Fonte: OVALE — 09 de junho de 2021
  • "Retornar ao voto impresso é um retrocesso, é como comprar um videocassete. Meu único incômodo com as urnas é o custo delas. Temos 500 mil, custa 700 milhões de reais, a cada eleição temos que trocar 100 mil delas".
- Fonte: G1 — 06 de novembro de 2020
  • "Temos um presidente [Jair Bolsonaro] que defende a ditadura e a tortura".
- Fonte: O Estado de S. Paulo — 26 de agosto de 2020
  • “Embora frequentemente atacada pelo próprio presidente, a imprensa no Brasil é plural, independente e fortemente crítica do governo. Tanto este, eu diria, como dos governos anteriores. Portanto, uma coisa que acho que contribui com esta resiliência da democracia no Brasil é justamente a liberdade, independência e até o poder da imprensa brasileira”.
- Fonte: O Estado de S. Paulo — 26 de agosto de 2020
  • "A maioria do TSE decidiu que o repasse proporcional para candidaturas negras só deve valer para 2022. O adiamento dos efeitos não reduz a importância do que fizemos: com atraso, mas não tarde demais, empurramos a história na direção da justiça racial".
- Em sua conta no Twitter
- Fonte: Conta de Luís Roberto Barroso no Twitter (@LRobertoBarroso) — 25 de agosto de 2020
  • "Não podemos fechar os olhos para as campanhas de destruição das instituições orquestradas e financiadas por milícias digitais".
- Fonte: O Estado de S. Paulo — 11 de agosto de 2020
  • "O Estado é um Rei Midas ao contrário."
- Em relação as privatizações
- Fonte: História oral do Supremo (1988-2013), v.11: Luis Roberto Barroso
  • "Cesare Battisti não praticou nenhum crime hediondo, não foi acusado da prática de crime hediondo e a categoria crime hediondo não existia no Brasil em 1979 quando os fatos relevantes ocorreram. E em segundo lugar, não houve ato de terrorismo; a decisão italiana não acusa de terrorismo: essa é uma forma de desqualificar, mas não houve atentado indiscriminado. Ele é acusado, a sua organização, de quatro homicídios contra agentes contrarrevolucionários que eram inimigos do proletariado: crimes pontuais, nenhuma imputação de terrorismo".
- Julgamento Conjunto: Ext 1085 e MS 27875. Supremo Tribunal Federal, 11 de setembro de 2009.
- Fonte: Vídeo no YouTube: youtube.com/watch?v=ALaRB5OaUlk
  • "A Venezuela é conservadora desde o tempo de Chávez. Para mim, aquilo sempre foi uma tirania de direita com um discurso disfarçado".
- Em entrevista a Marco Antônio Villa
- Vídeo no YouTube: youtube.com/watch?v=mJ0HwdidWj8 — 13 de fevereiro de 2021
  • "Recentemente, numa conversa com o professor e historiador Marco Antônio Villa, eu fiz um comentário em que achava que a Venezuela era de direita e o mundo caiu na minha cabeça. Eu gostaria de explicar como eu vejo isso: nós tínhamos um coronel, latino-americano, golpista, que instituiu um sistema fundado na cooptação e na corrupção das Forças Armadas e hoje é sustentado pela Rússia de Putin, que trabalhou para impedir a ascensão de Hillary Clinton e colocar Donald Trump no poder, sendo que a minha visão ainda do bolivarianismo e do próprio Bolívar era de um ditador, de um sujeito que tinha pretensões ditatoriais, não acreditava na democracia representativa, não acreditava na distribuição de propriedade. Portanto, eu consideraria [que] hoje a Venezuela não é nem de direita nem de esquerda, é só um desastre humanitário. Mas, essa é a minha explicação do porque que eu acho que ali é uma tirania à direita do espectro político; nunca entendi porque a Esquerda brasileira se amarrou no mastro desse naufrágio".
- No programa Manhattan Connection
- Vídeo no YouTube: youtube.com/watch?v=m-T38IvoJds — 21 de fevereiro de 2021
  • "Se o juiz é incompetente, não se avalia a suspeição. Caso reconhecida apenas a suspeição do magistrado, o processo continua a tramitar no mesmo juízo. Se Moro tivesse sido declarado suspeito, o caso continuaria na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, com o juiz substituto. Mas se reconhecida a incompetência, o processo deve ser remetido ao órgão competente."
- 22 de abril de 2021, no julgamento sobre a suspeição de Sérgio Moro.
- Fonte: Conjur