Diferenças entre edições de "Michael Wolff"

362 bytes adicionados ,  16h02min de 2 de outubro de 2016
m
sem resumo de edição
m (Chico moveu a página MICHAEL WOLFF para Michael Wolff: todas maiusculas)
m
{{Autor
 
| Nome = Michael Wolff
'''[[w: Michael | Michael Wolff]]''' ''(27 de Agosto de 1953)
| Foto = Michael_Wolff.jpg
Autor americano, ensaísta e jornalista. Atualmente escreve para a revista britânica GQ"
| Wikisource =
| Wikipedia = Michael Wolff
| Wikicommons =
| Wikinoticias =
| Gutenberg =
| Cervantes =
| DominioPu =
| DomiPubli =
| EbooksG =
| Cor = #C0CFE9
}}
Autor'''[[w:Michael Wolff (jornalista)| Michael Wolff]]''' ''([[27 de Agosto]] de [[1953]]), escritor americano, ensaísta e jornalista. Atualmente escreve para a revista britânica GQ"
----
 
* "[...] Enquanto havia a crença generalizada de que o futuro da mídia consistia em uma tecnologia em constante transformação, vinte anos após o início da revolução, o valor da mídia tradicional, mesmo com grandes perdas nas mídia impressa e na música, cresceu drasticamente. [...]"
::-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 09
 
* “Ao mesmo tempo, no entanto, havia a certeza inquestionável de que a tecnologia transformara fundamentalmente o comportamento e a escala da mídia. [...]"
tecnologia em constante transformação, vinte anos após o início da revolução, o valor da mídia
::-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 10
 
tradicional, mesmo com grandes perdas nas mídia impressa e na música, cresceu
 
drasticamente. [...]"
:-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 09
 
* “Ao mesmo tempo, no entanto, havia a certeza inquestionável de que a tecnologia
 
transformara fundamentalmente o comportamento e a escala da mídia. [...]"
:-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 10
 
* “[...] A nova mídia refletia as paixões e a integridade de seus usuários. [...]"
::-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 14
 
* “[...] A web não apenas não destruiu a TV, como a fonte da força da nova mídia – que atrai cada vez mais tráfego, um tráfego verdadeiramente fenomenal – pode ser tornar sua maior fraqueza.”
::-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 17
 
* “As notícias, exceto em períodos dramáticos ou de crise, sempre foram um esboço de proposta de negócio, dependente não tanto de seu próprio valor, mas das circunstâncias que as rodeavam. [...]”
cada vez mais tráfego, um tráfego verdadeiramente fenomenal – pode ser tornar sua maior
::-'' Fonte:Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 36
 
fraqueza.”
:-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 17
 
* “As notícias, exceto em períodos dramáticos ou de crise, sempre foram um esboço de
 
proposta de negócio, dependente não tanto de seu próprio valor, mas das circunstâncias que
 
as rodeavam. [...]”
:-'' Fonte:Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 36
 
* “[...] O digital virou parte do negócio da televisão. [...]”
::-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 89
 
* “[...] E então, em uma das revoluções de maior alcance na indústria da mídia desde o advento da própria televisão, a Apple torna telas portáteis onipresentes.”
::-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 11095
 
* “A competição digital, as mudanças no mercado de publicidade, o colapso nas indústrias da música e de publicação e a ruptura da televisão tiveram, nos últimos dez anos, um efeito tanto paralisante quanto transformador sobre essas grandes empresas. [...]”
da própria televisão, a Apple torna telas portáteis onipresentes.”
::-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 95110
 
* “A competição digital, as mudanças no mercado de publicidade, o colapso nas indústrias da
 
música e de publicação e a ruptura da televisão tiveram, nos últimos dez anos, um efeito tanto
 
paralisante quanto transformador sobre essas grandes empresas. [...]”
:-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 110
 
* “Havia ocorrido uma inversão: a mídia digital, que começou de maneira paga e com uma
 
aversão pronunciada à publicidade, havia se tornado totalmente gratuita e inteiramente
 
financiada por comerciais, enquanto a televisão, o grande inferno da publicidade, o grande
 
* “Havia ocorrido uma inversão: a mídia digital, que começou de maneira paga e com uma aversão pronunciada à publicidade, havia se tornado totalmente gratuita e inteiramente financiada por comerciais, enquanto a televisão, o grande inferno da publicidade, o grande
calvário comercial, havia se tornado fortemente baseada em pagamento. [...]”
::-'' Fonte: Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 119
 
* “A mídia digital perseguiu todo tipo de ismos e desvios de linguagem e pensamento, tentou
 
constantemente expor os manifestos ocultos, enquanto a televisão celebrava e lucrava com a
 
* “A mídia digital perseguiu todo tipo de ismos e desvios de linguagem e pensamento, tentou constantemente expor os manifestos ocultos, enquanto a televisão celebrava e lucrava com a visão expansiva de que a natureza humana era complexa, perversa e até misteriosa, e nunca o que parecia ser.”
::-'' Fonte:Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 179
 
[[categoria:pessoas]] [[jornalistas dos Estados Unidos da América]]
que parecia ser.”
:-'' Fonte:Televisão é a nova televisão, Michael Wolff, Editora Globo. Página 179