Diferenças entre edições de "Riso"

690 bytes adicionados ,  10h02min de 1 de fevereiro de 2014
m
+fontes -sem fontes
m
m (+fontes -sem fontes)
:::- ''Prose letterarie‎ - Vol. 2, [http://books.google.com.br/books?id=1O4NAAAAQAAJ&pg=PA279 Página 279], de [[Ugo Foscolo]] - Felice Le Monnier, 1850
 
*"A [[beleza]] do [[mundo]], que muito em breve perecerá, tem duas margens, uma do [[riso]] e outra da [[angústia]], que cortam o coração em duas metades"."
::- '' The beauty of the world, which is so soon to perish, has two edges , one of laughter, one of anguish, cutting the heart asunder.
:[[Virginia Woolf]]
:::- ''A room of one's own - página 17, [[Virginia Woolf]], Editora Harcourt, Brace & World, 1957, ISBN 0156787326, 9780156787321, 117 páginas
 
* "Conhecemos um [[homem]] pelo seu [[riso;]]. seSe na primeira vez que o encontramos ele ri de maneira [[agradável]], o íntimo é excelente"."
::- ''I may be mistaken but I fancy that one can know a man from his laugh, and if you like a man's laugh before you know anything of him, you may confidently say that he is a good man.
:[[Fiodor Dostoievski]]
:::- ''The house of the dead: a novel in two parts - página 36, [[Fyodor Dostoyevsky]] - The Macmillan Company, 1915 - 284 páginas
 
*"O riso é um prazer com a miséria alheia, mas que se toma com uma boa consciência".
:[[Friedrich Nietzsche]]
 
*"O riso é uma filosofia. Muitas vezes o riso é uma salvação. E em política constitucional, pelo menos, o riso é uma opinião".
::- ''"As farpas: crónica mensal da política, das letras e dos costumes" (primeiro fascículo, maio de 1871) - Página 19, de [[Eça de Queirós]], Ramalho Ortigão, Maria Filomena Mónica, Maria José Marinho - Publicado por Lucerna, 2004 ISBN 9728818408, 9789728818401 - 639 páginas
:[[Eça de Queiroz]]
 
* "Quem ri não crê naquilo de que se ri, mas também não o odeia."
::- ''Fonte: personagem Jorge em "O Nome da Rosa" - Autor: [[Umberto Eco]] - Tradução: Maria Celeste Pinto''
 
* "Ri-te de ti e sorri aos outros!".
:[[w:Leonid S. Sukhorukov|Leonid S. Sukhorukov]]
 
* "O sorriso que tenho nos lábios é um sorriso geológico - o sorriso de quem sabe, olha, vê e compreende."
::- ''[[w:Monteiro Lobato]], in: 'O poço do Visconde'
 
{{wikipédia}}