Diferenças entre edições de "Andrea Dworkin"

109 bytes adicionados ,  23h23min de 20 de janeiro de 2011
sem resumo de edição
** ''Discurso pronunciado na Faculdade de Queens, Cidade Universitária de Nova Iorque, em 12 de março de 1975. "The Sexual Politics of Fear and Courage", cap. 5, Our Blood (1976)''
 
* Sexismo é a fundação onde toda [[tirania]] é construída. Toda forma social de hierarquia e [[abuso]] é moldada a partir da dominação do macho sobre a fêmea.
** ''Discurso pronunciado na Faculdade de Boston em 5 de abril de 1975. "Redefining Nonviolence", cap. 6, Our Blood (1976)''
 
 
=== ''Right-Wing Women'' ===
* Enquanto fofoca entre mulheres é universalmente ridicularizada como baixa e trivial, fofoca entre homens, especialmente se é sobre mulheres, é chamada de [[teoria]], ou idéiaideia, ou fato.
** ''Right-Wing Women'', cap. 1 (1978)''
 
* [[Inteligência]] selvagem abomina qualquer mundo estreito; e o mundo das mulheres deve permanecer estreito, ou a mulher é uma fora da lei. Nenhuma mulher poderia ser [[Nietzsche]] ou [[Rimbaud]] sem terminar em um prostíbulo ou lobotomizada.
** ''Right-Wing Women'', cap. 2 (1978)''
 
* [[Feminismo]] é odiado porque as mulheres são odiadas. Antifeminismo é uma expressão direta de misoginia; é a defesa política do [[ódio]] às mulheres.
** ''Right-Wing Women'', cap. 6 (1978)''
 
* Antifeminismo está também operando sempre que qualquer grupo político está pronto para sacrificar um grupo de mulheres, uma facção, algumas mulheres, alguns tipos de mulheres, para qualquer elemento de opressão de classe-sexual: para a pornografia, para o estupro, para a agressão, para a exploração econômica, para a exploração reprodutiva, para a [[prostituição]]. Há mulheres por todo o espectro político masculino-definido, incluindo as duas extremidades dele, prontas para sacrificar algumas mulheres, geralmente não elas mesmas, para os próstibulos ou os hospícios. O sacrifício é profundamente antifeminista; ele é também profundamente imoral...
** ''Right-Wing Women'', Anti-feminism (1978)''
 
* Feministas têm uma visão das mulheres, até das mulheres, como seres humanos individuais; e esta visão aniquila o sistema de polaridade de gênero em que os homens são superiores e poderosos. Esta não é uma noção burguesa de individualidade; não é uma noção auto-indulgente de individualidade; ela é o reconhecimento que cada ser humano vive uma vida separada em um corpo separado e morre [[solidão|sozinho]]. Na proposição da "individualidade de cada alma humana", feministas propõem que mulheres não são o seu sexo; nem seu sexo mais alguma coisinha — um aditivo liberal de personalidade, por exemplo; mas que cada vida — incluindo a vida de cada mulher — deve ser da própria pessoa, não predeterminada antes do nascimento dela por idéias totalitárias sobre a sua [[natureza]] e sua função, nem sujeita a tutela por alguma classe mais poderosa, nem determinada coletivamente, mas desenvolvida por ela mesma, para si mesma. Francamente, ninguém sabe muito o que feministas pretendem; a idéiaideia de mulheres não definidas por sexo e reprodução é anátema ou desconcertante. Ela é a mais simples idéia revolucionária já concebida, e a mais desprezada.
** ''Right-Wing Women'', The Coming Gynocide (1978)''
 
=== ''Pornography, Men Possessing Women'' ===
* A mulher não nasce: ela é feita. No fazer, sua humanidade é destruída. Ela se torna símbolo disto, símbolo daquilo: mãe da [[terra]], puta do [[universo]]; mas ela nunca se torna ela mesma porque é proibido para ela fazê-lo.
** ''Pornography: Men Possessing Women'' (1979)''
 
* [[Casamento]] como uma instituição desenvolveu-se do estupro como uma prática. Estupro, originalmente definido como abdução, tornou-se casamento por captura. Casamento significava que a tomada seria extendida em tempo, para ser não somente de uso mas de posse, ou propriedade.
** ''Pornography: Men Possessing Women'' (1979)''
 
* Homens são recompensados[[recompensa]]dos por aprender a prática da violência em virtualmente qualquer esfera de atividade, por [[dinheiro]], [[admiração]], reconhecimento, [[respeito]], e genuflexão de outros honrando a sagrada e provada masculinidade deles. Na cultura masculina, policiais são heróicos e assim também são os criminosos; machos que impõem [[lei|regras]] são heróicos e assim também são aqueles que as violam.
** ''Pornography: Men Possessing Women'' (1979)''
 
* Homens têm definido os parâmetros de todo assunto. Todos os argumentos feministas, por mais radicais em intenção ou consequência, estão com ou contra afirmações ou premissas implícitas no sistema masculino, que são feitas acreditáveis ou autênticas através do poder dos homens de nomear.
** ''Pornography: Men Possessing Women'' (1979)''
 
* Homens caracterizam pornografia como algo mental porque as mentes[[mente]]s deles, os pensamentos[[pensamento]]s deles, os sonhos[[sonho]]s deles, as fantasias[[fantasia]]s deles, são mais reais para eles que os corpos ou vidas das mulheres; de fato, homens têm usado seu poder social para caracterizar um comércio de mulheres de 10$ bilhões ao ano como fantasia.
** ''Pornography: Men Possessing Women'' (1979)''
 
* Pornografia é a sexualidade [[essência|essencial]] do poder masculino: de ódio, de posse, de hierarquia; de sadismo, de dominância.
** ''Pornography: Men Possessing Women'' (1979)''
 
* Pornografia materializa supremacia masculina. Ela é o DNA de dominância masculina. Cada regra do abuso sexual, cada nuance do sadismo sexual, cada estrada ou caminho secundário de exploração sexual, está codificada nela.
** ''Pornography: Men Possessing Women'' (1979)''
 
* Pornografia é a destruição orquestrada de corpos e almas de mulheres; estupro, agressão, incesto, e prostituição a impulsionam; desumanização e sadismo caracterizam-na; ela é a [[guerra]] sobre as mulheres, violações em série na dignidade, identidade, e valor humano; ela é tirania. Cada mulher que tem sobrevivido sabe da experiência de sua própria vida que pornografia é [[escravidão]] — a mulher presa na imagem usada sobre a mulher presa onde quer que ele tenha aprisionado ela.
** ''Pornography: Men Possessing Women'' (1979)''
 
=== ''Letters from a War Zone'' ===
* As mulheres são uma [[povo|população]] escravizada — a safra que nós colhemos são crianças, os campos em que nós trabalhamos são casas[[casa]]s. As mulheres são forçadas a se comprometeremsubmeterem em atos sexuais com homens que violam a integridade porque a [[religião]] universal — desprezo por mulheres — tem como seu primeiro mandamento que as mulheres existam puramente como forragem sexual para os homens.
** ''Discurso pronunciado na Universidade de Massachusetts em 1977. "Pornography: The New Terrorism," publicado em ''Letters From a War Zone'' (1981)''
 
* Feministas são frequentemente questionadas se pornografia causa estupro. O fato é que estupro e prostituição originaram e continuam a originar a pornografia. Politicamente, culturalmente, socialmente, sexualmente, e economicamente, estupro e prostituição geram pornografia; e a pornografia depende do estupro e da prostituição de mulheres para sua existência contínua.
** ''[http://www.nostatusquo.com/ACLU/dworkin/WarZoneChaptIVH.html Pornography and Male Supremacy], ''Letters from a War Zone'', p 230 (1981)''
 
* Pornografia é usada no estupro — para planejá-lo, para executá-lo, para coreografá-lo, para gerar a excitação em cometer o ato.
** ''Testemunho antes da Representação Geral da Comissão em Pornografia de Nova Iorque (1986)''
 
 
{{wikipedia}}
 
[[Categoria:Pessoas|Andrea Dworkin]]
[[Categoria:Feministas|Andrea Dworkin]]
 
[[de:Andrea Dworkin]]
Utilizador anónimo