Abrir menu principal

Cássia Eller

cantora e compositora brasileira
Cássia Eller
Cássia Eller em outros projetos:

Cássia Rejane Eller (nasceu dia 10 de dezembro de 1962, no Rio de Janeiro, Brasil - faleceu em 29 de dezembro de 2001, no Rio de Janeiro, Brasil). Cantora brasileira.


  • "Eu não sei me definir. Nunca soube muito bem dizer quem eu sou. Só sei que sou alguém que gosta de escutar todo tipo de música. Gosto de música em geral. Gosto demais de blues e rock e também gosto de baladas. A música clássica também me comove. Na verdade, escuto de tudo. Meu repertório surge a partir do momento que estou vivendo".
- Cássia Eller, em entrevista à Folha Ilustrada, do dia 01/01/2002, às 03h49.
  • "Quando conheci a Janis, eu já cantava. Claro que já tinha ouvido falar dela. Lembro quando era criança de ter visto ela pela televisão. Minha mãe escutava, mas passava batido, nunca tinha me tocado. Depois que comecei a cantar foi que eu percebi que minha voz, não a voz, mas sim o jeito de cantar, era muito parecido. Essa semelhança se deve, eu acho, pelo fato da gente gostar de blues.
- Cássia Eller, em entrevista à Folha Ilustrada, do dia 01/01/2002, às 03h49.
  • "Parece uma droga pesada, um chá do Santo Daime. É muito louco. Eu não sei te dizer se é bom ou ruim, só sei que na hora de cantar não estou aqui, estou viajando pra algum lugar que não sei dizer aonde.
- Cássia Eller, comentando sobre o ato de cantar, em entrevista à Folha Ilustrada, do dia 01/01/2002, às 03h49.
  • "Nessa época eu dei um tempo geral. Mas eu já enfiei muito meu pé na jaca por aí, já fiz muita besteira, muita loucura.
-Cássia Eller, quando perguntada se na época de sua gravidez deu um tempo nas drogas, em entrevista à Folha Ilustrada, do dia 01/01/2002, às 03h49.
  • "André, o maquilador do show, está me dando aulas. Estou mais feminina."
- Revista Veja
  • "Sou mulher, sou pobre, sapatão, mãe solteira, preencho todas as lacunas. Tem de saber lidar com o preconceito"
-Cássia Eller, em Maio de 2001[1]

Links e ReferênciasEditar

LinksEditar

  • Leia a entrevista (à Folha Ilustrada) na íntegra aqui.

Referências