Abrir menu principal

Ana Miranda

atriz, poetisa e romancista Brasileira
Ana Miranda em outros projetos:

Ana Maria Nóbrega Miranda (Fortaleza, 19 de agosto de 1951) é uma atriz, poetisa e romancista brasileira.



  • "O certo é que todo lugar é lugar de livros, todo lugar é bom para livros, mesmo um banheiro, uma copa, uma sala caseira de cinema, uma brinquedoteca, uma varanda... Queremos ficar sempre perto desses nossos amigos leais, francos, divertidos, eloquentes, silenciosos, calmos e sábios, que são os livros."
- na crônica "O lugar dos livros"
  • "... o quintal existe para vocês terem lembranças, não se esqueçam de fazer um quintal para seus filhos."
- na crônica "Passeio nos quintais"
  • "As árvores parecem indefesas, mas a sua ausência é o nosso castigo, o seu desaparecimento é o pior dos venenos."
- na crônica "Réquiem para um bosque"
  • "Nós todos somos turistas, algum dia. Mesmo o mais pobrezinho um dia toma um ônibus e vai para o interior, visitar uma avó; [...] Quem é que não precisa de contato com a natureza, um banho de cachoeira, um castelo na areia, uma caminhada nas matas, olhar as vaquinhas no pasto, sentir o vento debaixo de um coqueiral, tomar uma cervejinha com os pés nas águas frias do maceió? [...] Quebrar a rotina, ver novas paisagens, novos comportamentos, esquecer os problemas, as regras, o frio, a neve, a parede da própria casa, a janela que dá para outra janela, o cimento diante de cimento..."
- na crônica "Turistas acidentais"
  • "Muitas vezes acho que podemos sentir a alma de uma pessoa pelo seu jardim".
- Crônica no Correio Braziliense, coleção de fotos de Truman Macedo.
  • "Talvez a geografia pessoal seja apenas a lembrança da infância, ou um desejo de voltar no tempo".
- Crônica no Correio Braziliense, coleção de fotos de Truman Macedo.
  • "O passado é totalmente imaterial, e perdido. Não existe mais, mesmo sendo indestrutível. O que existe é uma reconstrução constante de uma memória efêmera".
- Crônica no Correio Braziliense, na coleção de fotos de Truman Macedo.
  • "Ler é vagar por dentro de outra pessoa, experimentar o que é ser o outro, e até nos tornarmos o outro, naquele momento".
- Crônica no Correio Braziliense, na coleção de fotos de Truman Macedo.
  • "O lixo nos une".
- Crônica no O Povo, coleção de fotos de Truman Macedo.
  • "Todos somos solitários, e vivemos em busca do outro, mas sempre somos apenas nós mesmos, e ninguém, jamais, tem o poder de compreender totalmente o outro, a compreensão, a afinidade, a conjunção, são apenas um desejo de fugir à solidão".
- Crônica no Correio Braziliense, em coleção de fotos de Truman Macedo.
  • "E quando ali retornares / Verás que nunca nos fomos / Pois o lugar onde estamos / O lugar onde estaremos / É sempre o lugar que somos".
- Prece a uma aldeia perdida, poemas, Ed. Record.


Ligações externasEditar