Plínio Marcos

Escritor, Autor, Roteirista brasileiro
Plínio Marcos em outros projetos:

Plínio Marcos de Barros (Santos, 29 de setembro de 1935 - São Paulo, 19 de novembro de 1999). Foi um escritor brasileiro, autor de inúmeras peças de teatro, escritas principalmente na época da censura. Foi também ator, diretor e jornalista. É pai do dramaturgo Léo Lama.


  • "Um povo que não ama e não preserva suas formas de expressão mais autênticas jamais será um povo livre."
- Jesus homem: peça e debate‎ - Página 47, de Plínio Marcos - Publicado por Editora do Grêmio Politécnico, 1981 - 77 páginas
- O Carnaval dos Cordões, em Folha de São Paulo, 13 de fevereiro de 1977
- Jesus homem: peça e debate‎ - Página 16, de Plínio Marcos - Publicado por Editora do Grêmio Politécnico, 1981 - 77 páginas
- Na barra do Catimbó - página 122, Plínio Marcos - Global, 1978 - 125 página
  • "Os andarilhos sempre incomodam, mexem, arrebentam estruturas. — O que você está estranhando, Frajola? E assim mesmo! Quem tem medo do ridículo são os homens-pregos, sempre ridículos, com seus medos idiotas. Sempre com seus empregos"
- O truque dos espelhos: e outras histórias de pequenos artistas - página 92, Plínio Marcos - Una Editoria, 1999, ISBN 8587284061, 9788587284068 - 111 páginas

AtribuídasEditar

  • "Não faço teatro para o povo, mas o faço em favor do povo. Faço teatro para incomodar os que estão sossegados. Só para isso faço teatro"
- citado em "Visão", Volume 31,Edições 14-25 - página 45, 1967
- citado em "Plínio Marcos: a crônica dos que não têm voz" - página 24, Fred Maia, Javier Arancibia Contreras, Vinícius Pinheiro - Boitempo Editorial, 2002, ISBN 8585934840, 9788585934842 - 191 páginas
  • "Teatro só faz sentido quando o palco é uma tribuna livre, onde se possa discutir até as últimas consequências os problemas do homem."
- citado em "Visão" - página 85, 1974
  • "Porém (e sempre tem um porém), o que quero dizer e o que pesa na balança...nos estreitos, esquisitos e escamosos caminho do roçado do bom Deus, onde o vento encosta o lixo e as pragas botam os ovos...o povão só berra da geral sem nunca influir no resultado."
- Fonte: www.pliniomarcos.com - Site Oficial de Plínio Marcos