Abrir menu principal

O Cortiço é um livro publicado originalmente em 1890, do escritor brasileiro Aluísio de Azevedo, nascido em São Luís em 1857, morto em Buenos Aires em 1913. Aluísio de Azevedo é considerado como o principal representante do romance naturalista brasileiro. “Envolto num clima de sensualidade até então desconhecido em nossa literatura, O Cortiço põe a nu a condição degradante de grande parte da população brasileira.’’



  • "João Romão foi, dos treze aos vinte e cinco anos, empregado de um vendeiro que enriqueceu entre as quatro paredes de uma suja e obscura taverna nos refolhos do bairro do Botafogo; e tanto economizou do pouco que ganhara nessa dúzia de anos, que, ao retirar-se o patrão para a terra, lhe deixou, em pagamento de ordenados vencidos, nem só a venda com o que estava dentro, como ainda um conto e quinhentos em dinheiro. "
- Capítulo I, página 5 [1]
  • "E durante dois anos o cortiço prosperou de dia para dia, ganhando forças, socando-se de gente .E ao lado o Miranda assustava-se, inquieto com aquela exuberância brutal de vida."
- Capítulo II, página 12 [2]
  • "Desde que a febre de possuir se apoderou dele totalmente, todos os seus atos, todos, fosse o mais simples, visavam um interesse pecuniário. Só tinha um preocupação: aumentar os bens."
- "Capítulo I, página 25 [3]

Referências

  1. O Cortiço, Editora Moderna (São Paulo), 1991, 128 p., ISBN 85-16-00149-0.
  2. O Cortiço, Editora Moderna (São Paulo), 1991, 128 p., ISBN 85-16-00149-0.
  3. O Cortiço, Editora Martin Claret (São Paulo), 2001, 225 p.
A Wikipédia possui um artigo de ou sobre: O Cortiço.
O Wikisource tem texto original relacionado a: