Charles Bukowski: diferenças entre revisões

501 bytes removidos ,  5 de agosto de 2008
m
sem resumo de edição
mSem resumo de edição
mSem resumo de edição
 
*"O enterro de meu pai. Atravessamos a rua e entramos na casa mortuária. Alguém dizia que meu pai tinha sido um bom homem. Me deu vontade de contar a eles o outro lado. Que ele era um homem ignorante. Cruel. Patriótico. Com fome de dinheiro. Mentiroso. Covarde. Um impostor. Minha mãe só estava há um mês debaixo do chão e ele já estava chupando os peitos e dividindo o papel higiênico com outra mulher. Depois alguém cantou. Nós desfilamos diante do caixão. Talvez eu cuspa nele, pensei."
 
*"Os grandes poetas morrem em penicos fumegantes de merda."
 
*"O que mata não é a bebida, mas sim trabalhar antes do meio dia..."
 
*"Eu digo à mulher que seu rosto é uma grande experiência para mim e que suas mãos são minha alma - Qualquer coisa para ela abaixar a calcinha."
 
*"Nós matamos o filho de Deus. Acha que aquela Sacana vai nos perdoar? Eu posso ser louco, mas sei que Ele não nos vai perdoar."
 
*"Glendoline puxou uma cadeira e começou a falar. E como falava. Se fosse uma esfinge, ia falar, se fosse uma pedra, ia falar. Quando é que ela vai se cansar e sair, fiquei pensando. Mesmo quando parei de escutar, era como se eu estivesse sendo bombardeado com minúsculas bolinhas de pingue-pongue. Glendoline não tinha nenhuma noção do tempo e não se tocava que podia estar incomodando. Ela falava, falava."
 
*"Lá estavam as cicatrizes, o narigão de alcóolatra, a boca de macaco, os olhos reduzidos a fendas; e lá estava o sorriso burro e satisfeito de um homem feliz, ridículo, que se sente um sortudo, e nem sabe por quê. Ela tinha 30 e eu mais de 50. Não me importava." (sobre si mesmo)
 
*"Eu nunca forço a minha vulgaridade. Deixo ela buscar seus próprios meios de expressão."
5

edições