Diferenças entre edições de "Ronald Dworkin"

55 bytes removidos ,  15h07min de 1 de fevereiro de 2008
sem resumo de edição
 
 
* "Nós vivemos nano e pelasegundo leio Direito. Faz-nosEle ofaz quede nós o que somos: cidadãos e, empregados, emédicos, doutorescôjuges e esposos e povos que possuem coisasproprietários. É espada, protetor,escudo e ameaça: nóslutamos insistimos empor nosso salário, ourecusamo-nos recusamosa pagar nosso aluguel, ou somos forçadosobrigados paraa perderpagar penalidades,multas ou fechadosmandados acimapara naa cadeia, tudo noem nome de o que nossanosso soberanasoberano abstrataabstrato e etéreaetéreo, ao leiDireito, decretouestabeleceu. E nós '' "discutimos" oos ''seus sobre o que foi decretadodecretos, mesmo quando os livros que estãosupostamente supostosregistram parasuas gravar seus comandosinstruções e sentidosdeterminações sãoestão silenciosos; nós agimos então como se ao Direito leiapenas tivesse murmurado seussuas sentidosordens, demasiado baixo para ser ouvidosouvidas distintamentecom nitidez. Nós somos assuntossúditos do império dado leiDireito, sujeitosvassalos ade seus métodos e ideais, limitadossubjugados noem espírito quando nós debatermos o que nós devemos conseqüentementeportanto fazer".
::- ''We live in and by the law. It makes us what we are: citizens and employees and doctors and spouses and people who own things. It is sword, shield, and menace: we insist on our wage, or refuse to pay our rent, or are forced to forfeit penalties, or are closed up in jail, all in the name of what our abstract and ethereal sovereign, the law, has decreed. And we ''argue'' about what it has decreed, even when the books that are supposed to record its commands and directions are silent; we act then as if law had muttered its doom, too low to be heard distinctly. We are subjects of law's empire, liegemen to its methods and ideals, bound in spirit while we debate what we must therefore do.''
::- Preface to ''Law's Empire''
 
* "Se nósé devermospara sersermos moral e éticamente responsáveis, não pode haver nenhuma desistênciaretorno uma vez que nós encontramosdescobrimos, como nós encontramosdescobrimos, que alguns dos presupostos mais básicosfundamentais destesdesses valores estão confundidosequivocados. JogarBrincar comde deusDeus é certamente jogarbrincar com fogo. Mas aquele é oaquilo que nós mortais fizemos desde PrometheusPrometeu, o santo patronopatroeiro dedas descobertas perigosas. Nós jogamosbrincamos com fogo e fazemosassumimos exame dasas conseqüências, porque a alternativa é a convardia naem caraface do desconhecido".
::- "If we are to be morally and ethically responsible, there can be no turning back once we find, as we have found, that some of the most basic presuppositions of these values are mistaken. Playing God is indeed playing with fire. But that is what we mortals have done since Prometheus, the patron saint of dangerous discoveries. We play with fire and take the consequences, because the alternative is cowardice in the face of the unknown."
::- ''Sovereign Virtue'', Cambridge, Massachusetts, 2000, p. 446
Utilizador anónimo