Diferenças entre edições de "Vergílio Ferreira"

332 bytes adicionados ,  17h42min de 25 de outubro de 2007
sem resumo de edição
{{Autor
[[w:Vergílio Ferreira|'''Vergílio''' António '''Ferreira''']] ''(1916-1996). Professor e escritor português.''
| Nome =
| Foto =
| Wikisource =
| Wikipedia = Vergílio Ferreira
| Wikicommons =
| Gutenberg =
| Cervantes =
| DominioPu =
| DomiPubli =
| EbooksG =
| Cor = #c0c0c0
}}
[[w:Vergílio Ferreira|'''Vergílio''' António '''Ferreira''']] ''([[28 de janeiro]] de [[1916]] - [[1 de março]] de [[1996]]). Professor e escritor português.''
----
 
 
*"Quanto maior se é, mais repetido se é. [[Platão]], [[Aristóteles]], [[Kant]], quantos outros. Ainda se não calaram nos que deles falaram. E é possível que só se calem quando a espécie humana se calar".
:- ''Fonte: "Escrever"''
 
*"Quando se apanha um mentiroso, ele pode nos perguntar: "e o que é [[verdade]]?" E o mais provável é termos de o deixar seguir".
 
*"De vez em quando a [[eternidade]] sai do teu interior e a contingência substitui-a com o seu pânico. São os amigos[[amigo]]s e conhecidos que vão desaparecendo e deixam um vazio irrespirável. Não é a sua 'falta' que falta, é o desmentido de que tu não morres".
 
*"Como em [[jogo]] de cabra-cega, em que há seres à nossa volta, a pergunta orienta-se entre os que lhe não pertencem até achar o que procura."
 
*"O grande [[sonho]] de todo o [[escritor]] - se o tiver - será o de nunca encontrar o leitor «ideal». Porque se o encontrasse, a sua obra morreria aí. Cada leitor, com efeito, recria a obra que lê; e a perpetuidade de uma obra significará a sua perpétua recriação."
 
*"Os dois grandes monumentos do [[romance]] que o século passado (XIX) nos legou, ou seja aqueles em que poderemos reconhecer-nos, foram os erguidos por [[Tolstoi]] e por [[Dostoievski]]. Mas se a lição do primeiro foi facilmente assimilada, a do segundo levou [[tempo]] - e tanto, que só hoje acabamos de entendê-la bem."
 
*"Somos um [[país]] de analfabetos[[analfabeto]]s. Destes alguns não sabem ler."
 
*"Há monumentos[[monumento]]s ao [[soldado]] desconhecido. Mas não há só um só aos heróis[[herói]]s a que não calhou poderem sê-lo."
 
*"O [[comunismo]] distingue-se fundamentalmente do [[fascismo]] porque foi o primeiro."
 
*"Tenho tantas saudades[[saudade]]s de ser eu. De ver. De me deslumbrar numa iluminação."
 
*"Da minha [[língua]] vê-se o [[mar]]."
 
*"Da minha língua vê-se o mar."
 
{{wikipédia}}
 
[[Categoria:Pessoas]]
[[Categoria:Escritores de Portugal]]
[[Categoria:Portugueses]]