Pedro Nava: diferenças entre revisões

8 bytes removidos ,  19h06min de 17 de maio de 2006
sem resumo de edição
Sem resumo de edição
Sem resumo de edição
==Obras==
 
===[[Baú de Ossos]]===
 
*"Cada açúcar no seu lugar, cada açúcar na sua hora. É por isto erro rudimentar querer classificar os açúcares em superiores, inferiores, de primeira, de Segunda. Esse é o critério de quem os vende e não de quem os degusta. Só se pode fazer melado, com rapadura. Só com ela se tempera café forte e autêntico. Só se pulveriza doce seco com o cristalizado. Só com o mulatinho se obtém o bom café-com-leite-de-açúcar-queimado. Para doce de coco, baba-de-moça e quindim - o refinado. Para o de mamão verde, idem. Idem, ainda, para a cocada branca seca ao sol e para a cocada em fita. Para as cocadas raladas de tabuleiro e de rua -açúcar preto. E assim por diante..."
*Nós não tivemos esse erro, ao contrário, usamos e abusamos da pimenta que nos veio da África, mas, por outro lado, temos como política imigratória, o não Ter política e, sim, um open door imprevidente e perigoso. No caminho que adotamos, podemos dar numa maionese perfeita, mas, como estes molhos, quando mal batidos - podemos desandar. O Brasil é sempre menos de portugueses e emigrantes e mais de indesejáveis entrantes - esquecendo que cada galego, por mais bruto e rude que seja, traz-nos cromossomos semelhantes aos navegadores, colonizadores e degredados - mantendo a nossa possibilidade de repetir um Nunálvares, um Mestre de Alviz, um Camões, um Herculano, um Egas Moniz, um Eça, um [[Antônio Nobre]], um [[Fernando Pessoa]]. E não são eles mesmos que já repontaram aqui nos que escorraçaram o batavo e o francês e no gênio de [[José de Alencar]], [[Machado de Assis]], [[Manuel Bandeira]] e [[Carlos Drummond de Andrade]]? Eu sei que não é possível princípios racistas no Brasil. Mas ao menos tenhamos uma imigração onde se procure manter a boa unidade do galinheiro. Não falo em unidade racial, Deus me livre! Peço é unidade cultural. Impossível é continuar nessa tentativa absurda de cruzar galinha com papagaio e pato com pomba-rola. Isso que se vê por aí não é democracia nem falta de preconceito, não, meus quindins. Isso não dá ovo e chama-se burrice. Mantenhamo-nos um pouco caboclos (orgulhosamente), bastante mulatos (gloriosamente), mas, principalmente, sejamos lusitanos. Vinde a nós portugas, galegos, mondrongos - mesmo se fordes da mesma massa de degredados que chegaram com os primeiros povoadores. O que esses tão degredados eram, não tinha nada demais. Ladrões? Assassinos? Nada disto. Criminosos sexuais, simpáticos bandalhos. Baste ler as Ordenanças e verificar a maioria dos motivos de degredo para o Brasil: comer mulher alheia, deflorar, estuprar, ser corno complacente e mais, e mais, e mais ainda - entretanto, nada de se temer. Fazer lembrar as delinqüências brejeiras de que um juiz mineiro que conheci, dizia, com inveja e depois de julgar -serem, exatamente, as que ele , juiz, tinha vontade de perpetrar."
 
*De [[Portugal]] nos ficou um pouco de preconceito contra tudo que cheira a "mouro". Tanto assim que sua ascensão social é acompanhada da justificativa de um aprimoramento convencional de sua raça. Em estado de mascate, metro no mãe e mercadoria às costas é o turco. Quando se estabelece, abre loja e se lhe vê a família - sírio. Já melhorou. Quando enriquece, é doutor e entra na política -libanês. Casando com paulista de quatrocentos anos, sublima-se completamente e vira armênio. Às vezes príncipe armênio, o que é chique como o Diabo! Quanto ao judeu... É preciso que ele cresça e apareça para ver se recidava o preconceito contra ele."
 
*"Tenhamos juízo -nós e eles- para que o Brasil não caia naquela odiosa história sem fim de perseguir o judeu porque ele é assim e do judeu ser assim porque é perseguido. Chega. Entretanto esses preconceitos é que fizeram necessários os linguistas paulistas e mineiros, que, com seus estudos e mais os dos fluminenses, dos baianos e pernambucanos, trouxeram imensa contribuição ao conhecimento da formação social e da antropogeografia do Brasil."
5 303

edições