Diferenças entre edições de "Georges Sorel"

sem resumo de edição
'''[[w:Georges_Sorel|Georges Eugène Sorel]]''' ([[2 de novembro]] de [[1847]] – [[29 de agosto]] de [[1922]]), engenheiro formado pela ''École Polytechnique'', foi um teórico [[França|francês]] do sindicalismo revolucionário, muito popular em seu país, assim como na [[Itália]] e nos [[Estados Unidos]].
----
 
= Citações =
 
* Não tenho razão alguma para supor que [[Vladimir_Lenin|Lenin]] tirou suas ideias de meus livros; mas se isso for verdade, eu não deveria ter o menor orgulho por ter contribuído para o desenvolvimento intelectual de um homem que me parece ser ao mesmo tempo o maior teórico do socialismo desde Marx e um estadista cujo gênio lembra o de Pedro, o Grande.
*:: Fonte: ''The Myth of the Nation and the Vision of Revolution: The Origins of Ideological Polarization in the 20th Century'', [[w:Jacob Talmon|Jacob L. Talmon]], University of California Press (1981) p. 451. Sorel’s March 1921 conversations with Jean Variot, published in Variot’s ''Propos de Georges Sorel'', (1935) Paris, pp. 53-57
 
* Mussolini não é um socialista comum. Você o verá um dia, talvez, como líder de um batalhão consagrado, saudando as bandeiras da [[Itália]] com sua espada. Ele é um italiano do século XV, um ''condottiere''. Não há outro homem, senão ele, com o necessário vigor para remediar a fraqueza do governo.
*: ''Mussolini is not an ordinary socialist. You will perhaps see him one day as a leader of a consecrated battalion, saluting the flags of Italy with his sword. He is an Italian of the fifteenth century, a condottiere. He is the only man with the strength to correct the weakness of the government''.
*:: Fonte: ''The Genesis of Georges Sorel'', James H. Meisel, Ann Arbor, Wahr (1951), p. 220, n. 21
 
* Todo o futuro do [[socialismo]] reside no desenvolvimento autônomo dos sindicatos de trabalhadores.
*: ''All the future of socialism resides in the autonomous development of workers’ syndicates''.
*:: Fonte: ''Essays in Political Philosophy'', Vidya Dhar Mahajan, Doaba House, Lahore, 1943 p. 41
 
= Citações sobre Sorel =
 
* Sorel, o dreyfusard, acabou se transformando em um amargo anti-semita, convocando a Europa a se defender do perigo judeu da mesma forma que a América lutava contra o perigo amarelo; ele culpava os membros judeus do partido bolchevique pelo terror chekista.
:- [[Jacob Talmon]] in: ''The Myth of the Nation and the Vision of Revolution: The Origins of Ideological Polarization in the 20th Century'', University of California Press, 1981. ISBN 0436513994, ISBN 9780436513992. p. 474
 
* Sorel declarou que a teoria de Marx era `a maior inovação na filosofia em séculos; era o ponto de partida de uma transformação frutífera na nossa forma de especulação. Todas as nossas ideias deveriam se concentrar em torno dos novos princípios do socialismo científico`.
:- [[Zeev Sternhell]], com Mario Sznajder, Maia Asheri, in: ''The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution'', Princeton, New Jersey, Princeton University Press, 1994. ISBN 0691044864, ISBN 978-0691044866. p. 39
 
* Sorel (...) se lançou em uma longa e violenta campanha antissemita. Assinou um longo artigo louvando Urbain Gohier, o mais festejado dos antissemitas vivos, a quem encorajava a continuar `sustentando que a França deve defender o seu estado, os seus costumes, e as suas ideias contra os invasores judeus que querem dominar tudo`.
:- [[Zeev Sternhell]], com Mario Sznajder, Maia Asheri, in: ''The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution'', Princeton, New Jersey, Princeton University Press, 1994. ISBN 0691044864, ISBN 978-0691044866. p. 85
 
* A nascente ideologia do Fascismo derivava o seu conteúdo básico inicial da síntese sindicalista-nacionalista. Essa síntese não seria possível sem a contribuição original de Sorel, que havia pregado o ódio à herança do século XVIII, por Voltaire e Rousseau, pela Revolução Francesa, pelo racionalismo e pelo otimismo, pela democracia liberal e pela sociedade burguesa.
:- [[Zeev Sternhell]], com Mario Sznajder, Maia Asheri, in: ''The Birth of Fascist Ideology: From Cultural Rebellion to Political Revolution'', Princeton, New Jersey, Princeton University Press, 1994. ISBN 0691044864, ISBN 978-0691044866. p. 90
 
[[Categoria:Filósofos da França]]
718

edições