Diferenças entre edições de "Harold Bloom"

3 072 bytes adicionados ,  15h23min de 4 de dezembro de 2005
sem resumo de edição
'''Harold Bloom''' é atualmente um dos críticos literários mais populares do mundo ocidental. Em 2000, fez furor ao publicar, no The Wall Street Journal, um ensaio em que condenava os livros com o personagem [[Harry Potter]], da inglesa [[J. K. Rowling]].
Simplesmente alguém que não tem nada de grandioso em si. Ao julgar mal o mestre '''Stephen King''', esse senhor demonstrou isso.
 
*É um fenômeno de mercado. A maior parte dos livros para crianças à venda nas livrarias é idiota, não serve para nada, muito menos para suprir a necessidade de leitura de uma criança ou do leitor de qualquer faixa etária. Livros estão sendo confeccionados para vender e se tornar sucessos no cinema e na televisão. Isso nada mais é que uma máscara que oculta o rosto cada vez mais estúpido da era da informação. Os tais livros infantis ajudam a destruir a cultura literária.
:Analisando o sucesso da literatura infantil do início do século XXI
:Fonte: Revista Época Edição 246 - 03/02/2003
 
*Odeio [[Harry Potter]]. É bruxaria barata reduzida a aventura. É prejudicial ao leitor. Não tem densidade. A escrita é horrível. Lancei a polêmica, sabendo que eu atuaria como [[Hamlet]], que defronta com um oceano de aborrecimentos. Continuo me incomodando com os fãs do pequeno feiticeiro.
:Fonte: Revista Época Edição 246 - 03/02/2003
 
*A noção de gênio está fora de moda há muito tempo na universidade, desde meados do século XIX. Os intelectuais a desprezam, por ser um resquício do espiritualismo romântico. Estou tentando restaurar uma idéia arraigada na história do Ocidente há milênios. No livro, tratei de buscar a genealogia dos gênios em todos os tempos e todos os lugares. Resultou no maior volume que já produzi em minha vida, com cerca de 1.000 páginas. E foi mal recebido nos Estados Unidos. Há um preconceito dos intelectuais americanos em relação à genialidade. O que vale aqui é a cultura 'do homem comum'. Genialidade é algo antipático para a cidadania americana. Gênio é uma palavra com duplo sentido e vem dos gregos, fundamentando nossa tradição cultural. Tanto designa uma família de escritores talentosos ao longo da História, ligados por características semelhantes, como indica o daemon, a entidade divina da inspiração que todos carregamos dentro de nós. É um conteúdo sagrado que não podemos ignorar de forma alguma, mesmo que os acadêmicos insistam que ele não existe.
:Fonte: Revista Época Edição 246 - 03/02/2003
 
*Escritores como [[Shakespeare]], [[Dante]], [[Cervantes]] e [[Milton]] não têm rival na história literária. São escritores tão fortes que suas obras e personagens alteraram os rumos da história literária futura. Continuamos vivendo sob seu impacto. Eles são dotados de poderes literários extraordinários. Chamá-los de gênios, portanto, é fazer-lhes justiça.
:Fonte: Revista Época Edição 246 - 03/02/2003
 
*Machado reúne os pré-requisitos da genialidade. Possui exuberância, concisão e uma visão irônica ímpar do mundo. Procuro um grande poeta brasileiro vivo. Até agora não encontrei nenhum.
:Sobre o escritor brasileiro [[Machado de Assis]]
:Fonte: Revista Época Edição 246 - 03/02/2003
 
==Links==
* [http://www.secrel.com.br/jpoesia/hbloom.html#infantil Entrevista na íntegra]
 
[[Categoria:Pessoas]]
5 299

edições