Hannah Arendt: diferenças entre revisões

1 254 bytes adicionados ,  3 de outubro de 2018
sem resumo de edição
m (img)
Sem resumo de edição
::- ''Es ist allgemein bekannt, daß der radikalste Revolutionär am ersten Tag nach der Revolution zum Konservativen wird.
:::- ''"Zur Zeit: politische Essays" - página 139, Hannah Arendt, Marie Luise Knott - Deutscher Taschenbuch Verlag, 1989, ISBN 3423111526, 9783423111522 - 206 página
 
* "Num mundo incompreensível e em perpétua mudança, as massas haviam chegado a um ponto em que, ao mesmo tempo, acreditavam em tudo e em nada, julgavam que tudo era possível e que nada era verdadeiro. A própria mistura, por si, já era bastante notável, pois significava o fim da ilusão de que a credulidade fosse fraqueza de gente primitiva e ingênua, e que o cinismo fosse o vício superior dos espíritos refinados. A propaganda de massa descobriu que o seu público estava sempre disposto a acreditar no pior, por mais absurdo que fosse, sem objetar contra o fato de ser enganado, uma vez que achava que toda afirmação, afinal de contas, não passava de mentira Os líderes totalitários basearam a sua propaganda no pressuposto psicológico correto de que, em tais condições, era possível fazer com que as pessoas acreditassem nas mais fantásticas afirmações em determinado dia, na certeza de que, se recebessem no dia seguinte a prova irrefutável da sua inverdade, apelariam para o cinismo; em lugar de abandonarem os líderes que lhes haviam mentido, diriam que sempre souberam que a afirmação era falsa, e admirariam os líderes pela grande esperteza tática."
 
:::- ''As origens do totalitarismo'' - Parte III, Capítulo 2.
 
==Atribuídas==
Utilizador anónimo