Diferenças entre edições de "Federico Fellini"

724 bytes removidos ,  14h36min de 20 de maio de 2018
m
+fonte -sem fonte
m (Bot: removing existed iw links in Wikidata)
m (+fonte -sem fonte)
 
[[w:Federico Fellini|'''Federico Fellini''']] ''(nasceu em Rimini no dia [[20 de janeiro]] de [[1920]] e faleceu em [[Roma]] no dia [[31 de outubro]] de [[1993]]). Foi um [[cinema|cineasta]] [[Itália|italiano]].''
----
 
* "O [[cinema]] tem isso para cumprimentar: mesmo que o [[desejo]] original tenha desaparecido, a realização envolve uma série de [[problema]]s concretos que você segue em frente e faz a coisa sem perceber que não se lembra mais dela. O [[filme]] o transforma sem saber exatamente o que é"
::- ''Il cinema ha questo di salutare: anche se la voglia originaria si è dileguata, la realizzazione comporta una tale serie di problemi concreti che vai avanti a fare la cosa senza renderti conto di non ricordarla più. Il film lo giri senza sapere esattamente di che si tratta.
:::- ''E la nave va - Página 166, [[Federico Fellini]], Volume 91 de La Gaja scienza - Longanesi, 1983, 174 páginas
 
==Atribuídas==
{{sem fontes}}
 
* "O [[cinema]] é o modo mais direto de entrar em competição com [[Deus]]".{{carece de fontes}}
::- ''Il cinema è il modo più diretto per entrare in competizione con Dio .
 
* "A [[vida]] é uma combinação de [[magia]] e [[espaguete]]".{{carece de fontes}}
 
* "O [[arte|artista]] é sempre um provinciano. Ele vive entre um mundo tangível e um intangível - essas são as fronteiras da sua província".{{carece de fontes}}
[[File:Se quisermos compreender alguma coisa, precisamos nos dedicar ao silêncio. Federico Fellini, 1920-1993.svg|thumb|left|250px|Se quisermos compreender alguma coisa, precisamos nos dedicar ao silêncio.]]
* "Se quisermos compreender alguma coisa, precisamos nos dedicar ao [[silêncio]]".{{carece de fontes}}
 
* "A única objetividade que eu conheço é a subjetividade."
 
* "Você existe apenas naquilo que faz".{{carece de fontes}}
 
* "Essa história de confusão mental é típica dos reacionários, que acham necessário ter idéias claras sobre tudo, interpretar tudo de modo racional, sem precisar duvidar de nada".{{carece de fontes}}
 
* "O artista, como qualquer homem, precisa enfrentar com decisão as dúvidas, aceitar sua guerra. Não pode achar que tudo já está concordado. É isso que dá dignidade à missão do artista e do homem".{{carece de fontes}}
 
* “Toda a [[arte]] é autobiográfica, a pérola é a autobiografia da ostra.”
 
* “O cinema é uma velha prostituta, como o circo e variedade, que sabe dar muitos tipos de prazer.”
 
* “Falar sobre [[sonhos]] é como falar de filmes, uma vez que o cinema utiliza a linguagem dos sonhos; anos podem passar em um segundo e você pode ir de um local para outro. É uma linguagem feita de imagens. E no verdadeiro [[cinema]], cada objeto e cada luz significa alguma coisa, como em um sonho.”
 
* “Não há fim. Não há nenhum começo. Existe apenas a infinita [[paixão]] da [[vida]].”
 
* “Não acredito em total [[liberdade]] para o [[artista]]. Deixado consigo mesmo, livre para fazer qualquer coisa que ele gosta, o artista acaba não fazendo nada. Se há uma coisa que é perigosa para um artista, é precisamente esta questão de total liberdade, à espera de inspiração e do resto.”
 
* “O que interessa não é o que dizemos, mas como dizemos.”
 
* “O público tem perdido o hábito de ir ao cinema, porque ir ao cinema já não possui o charme, o carisma hipnótico, a autoridade que já teve. A imagem na posse de todos nós - a de um sonho que sonhou com os olhos abertos - desapareceu. É ainda possível que mil pessoas possam agrupar-se no escuro e experimentar o sonho de que um único indivíduo?”
:- Sobre o Declínio do Cinema.
 
* “É mais fácil de ser fiel a um restaurante do que a uma mulher.”
:- Sobre a Fidelidade.
 
* “[[Nietzsche]] afirmou que o seu [[gênio]] estava em suas narinas, e penso que é um excelente lugar para se estar.”
 
* “Se sou um cruel satirista pelo menos eu não sou um hipócrita: Eu nunca julgo o que outras pessoas fazem. Nem um político, nem um padre, eu nunca censuro o que os outros fazem. Nem um filósofo, um psiquiatra, eu nunca incomodo tentando analisar e resolver meus medos e neuroses.”
 
* “Dinheiro está em toda parte, mas é tão poético. O que falta são os poetas.”
 
* “Uma boa abertura e um bom final para fazer um bom filme desde que venham juntos.”
:- Receita de um bom filme.
 
* “Os jovens vêem [[televisão]] vinte e quatro horas por dia, eles não lêem e eles raramente escutam. Este bombardeio incessante de imagens tem desenvolvido uma condição de olho hipertrofiado transformando-os em uma raça de mutantes. Eles deveriam passar uma lei para uma total reeducação de jovens, fazendo as crianças visitarem a Galleria Borghese, em uma base diária.”
 
* “Acho televisão traiu o significado do discurso democrático, acrescentando caos visual para a confusão de vozes. Qual é o papel do [[silêncio]] em todo esse barulho?”
 
* “Uma língua diferente é uma visão diferente da vida.”
 
* “Um filme toma forma fora da sua vontade como um construtor; todas as informações vêm através de uma verdadeira inspiração.”
 
* “Não me diga o que estou fazendo. Eu não quero saber.”
 
* “No mito do cinema, o [[Oscar]] é o supremo prêmio.”
 
* “O"O [[cinema]] é como uma velha [[prostituta]], como o [[circo]] e a variedade, quee sabe dar muitosmuitas tiposformas de [[prazer]]".
* “Meu [[trabalho]] é só a minha relação com tudo.”
::- ''Il cinema è come una vecchia puttana, come il circo e il varietà, e sa come dare molte forme di piacere.
:::- [[Federico Fellini]] como citado in SENTIERI DI CELLULOIDE n.8: La Storia del Cinema vissuta dai Capolavori del Neorealismo..., [https://books.google.com.br/books?id=qeRnBwAAQBAJ&pg=PT7 página 7], Joe Denti - Simonelli Editore, 2015, ISBN 8876476164, 9788876476167, 56 páginas
 
* "O Visionário[[cinema]] é o único[[caminho]] emais verdadeirodireto realistapara competir com [[Deus]]."
::- ''Il cinema è il modo più diretto perdi entrare in competizione con Dio .
:::- ''[[Federico Fellini]] como citado in: Comunicare con il Video - [https://books.google.com.br/books?id=6zJWAwAAQBAJ&pg=PA74 Página 74], Alessandro Bandinelli & Valentina Zaggia - Bruno Editore, 2011, ISBN 8861743218, 9788861743212
 
* "O [[cinema]] não precisa da grande [[idéia]], dos [[amor]]es inflamados, do desdém: impõe uma única obrigação diária, a do fazer. "
::- ''Il cinema non ha bisogno della grande idea, degli amori infiammati, degli sdegni: ti impone un solo obbligo quotidiano, quello di fare.
:::- ''[[Federico Fellini]] como citado in: Fellini - Página 494, Tullio Kezich - Camunia, 1987 - 567 páginas
 
* "A [[censura]] é sempre um instrumento [[político]], certamente não é um instrumento [[intelectual]]. O meio intelectual é a [[crítica]], que pressupõe o [[conhecimento]] do que se julga e luta. Criticar não é destruir, mas trazer um objeto de volta ao lugar certo no processo dos objetos. A censura é destruir, ou pelo menos se opor ao processo do real. Existe uma censura italiana que não é uma invenção de um partido político, mas que é natural para o próprio costume italiano. Existe o medo da autoridade e do dogma, submissão ao cânon e à fórmula, que nos tornaram muito obsequiosos. Tudo isso leva diretamente à censura. Se não houvesse censura, os italianos fariam isso sozinhos".
::- ''La censura è sempre uno strumento politico, non è certo uno strumento intellettuale. Strumento intellettuale è la critica, che presuppone la conoscenza di ciò che si giudica e combatte. Criticare non è distruggere, ma ricondurre un oggetto al giusto posto nel processo degli oggetti. Censurare è distruggere, o almeno opporsi al processo del reale. C'è una censura italiana che non è invenzione di un partito politico ma che è naturale al costume stesso italiano. C'è il timore dell'autorità e del dogma, la sottomissione al canone e alla formula, che ci hanno fatto molto ossequienti. Tutto questo conduce dritti alla censura. Se non ci fosse la censura gli italiani se la farebbero da soli.
:::- ''[[Federico Fellini]] como citado por Maurizio Di Fazio in: [http://www.repubblica.it/spettacoli/cinema/2016/01/29/news/_ultimo_tango_a_parigi_-131876146/ Indimenticabile "Ultimo tango a Parigi", 40 anni fa la condanna al rogo]'', ''Repubblica.it'', 29 de janeiro de 2016.
 
[[Categoria:Pessoas]]