Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 14h27min de 27 de janeiro de 2018
m
sem resumo de edição
* "O [[poder]] não corrompe o [[homem]]; é o homem que corrompe o poder. O homem é o grande poluidor, da [[natureza]], do próprio homem, do poder. Se o poder fosse corruptor, seria maldito e proscrito, o que acarretaria a anarquia".
::- ''[[Ulysses Guimarães]] In: discurso proferido em 18 de junho de 1967, em Florianópolis; Rompendo o cerco - página 19 (Volume 2 de Coleção Documentos da democracia brasileira), Ulysses Guimãraes, Paz e Terra, 1978 - 188 páginas
 
* "Na [[ditadura]], à [[sombra]] de [[Marco Aurélio]], pululam e ficam impunes os Calígulas sangüinários, os Torquemadas da Inquisição e da [[intolerância]], os enxudiosos Faruks da [[corrupção]]."
::- ''[[Ulysses Guimarães]] In: discurso proferido em 18 de junho de 1967; Rompendo o cerco - Volume 2 de Coleção Documentos da democracia brasileira, Página 59, [[Ulysses Guimarães]] - Paz e Terra, 1978 - 188 páginas
 
* A pior das corrupções não é aquela que desafia as [[lei]]s; mas a que se corrompe a ela própria"