Diferenças entre edições de "Emílio de Meneses"

1 435 bytes removidos ,  00h34min de 23 de abril de 2017
m
- sem fontes
m
m (- sem fontes)
 
: "Atriz atroz, atrás há três!"
::- ''citado em "Emílio de Menezes: o último boêmio‎" - Página 188, de Raimundo de Menezes - Publicado por Livraria Martins, 1960 - 380 páginas''
 
==Atribuídas==
{{sem fontes}}
* Sentado com amigos num bar do Rio de Janeiro da virada do século XX, eis que vê passar um afamado conquistador, de sobrenome Penha, desta vez sofrendo de amores não correspondidos por uma mulher de reputação questionável. Emílio não perdoou:
: "Um homem que se diz Penha por uma mulher que se disputa!"{{carece de fontes}}
 
* Perguntam-lhe: "Emílio, sabes qual a parte mais bonita do corpo da mulher?"
: "Sei-o!"{{carece de fontes}}
 
* Chegando numa mercearia, um parlapatão provoca-lhe: "Que vieste comprar? É milho?" E ato contínuo tenta evadir-se, para não ouvir a resposta demolidora - mas o poeta intercepta-o, pegando-lhe pelo braço e o levando até uma cadeira:
: "Não se evada... sentei-o! Não intrigo... a ti humilho."{{carece de fontes}}
 
* Apertado para aliviar a bexiga, correu até um terreno baldio. Muito gordo, estava a desafogar-se quando um pirralho grita: "Ih, eu vi seu negócio!". Satisfeito, Emílio tirou do bolso uma cédula de alguns réis, dando-lhe:
: "Tome, você merece! Há muitos anos não o vejo..."{{carece de fontes}}
* Em tempos de estudante, Emílio divagava na aula de um certo Professor Saboya. Demanda-lhe o mestre:
: "Senhor Emílio, defina a Sabedoria!"
: "A sabedoria, mestre, é algo que tem efetivamente muito peso... se colocada n'água, ela afunda."
: "E a ignorância, então?"
: "A ignorância? Ora, essa bóia!"{{carece de fontes}}
 
[[Categoria:pessoas]]