Diferenças entre edições de "Virgílio"

4 bytes removidos ,  11h42min de 30 de março de 2017
m
linha-->verso
m (linha-->verso)
[[w:Virgílio|'''Publius Vergilius Maro''']] ([[15 de Outubro]] de [[70 a.C.]] - [[21 de Setembro]] de [[19 a.C.]]), também conhecido como '''Virgílio''' ou '''Vergílio''' em português, foi um poeta romano.
 
== ''BucólicasÉclogas'' (37 a.C.) ==
 
* ''O formose puer, nimium ne crede colori.''
** Oh formoso rapaz, não confies demasiado na tua beleza.
** Livro II, linhaverso 17.
 
* ''Latet anguis in herba.''
** Uma serpente está escondida na erva.
** Livro III, linhaverso 93.
 
* ''Nunc scio quid sit Amor.''
** Agora sei o que é o Amor!
** Livro VIII, linhaverso 43.
 
* ''Non omnia possumus omnes.
** Todos nós não podemos tudo.
** Livro VIII, verso 63
 
* ''Omnia fert aetas, animum quoque.''
** O tempo leva tudo, mesmo as nossas mentes.
** Livro IX, linhaverso 51.
 
* ''Cantantes licet usque (minus via laedit) eamus.''
** Cantemos enquanto caminhamos: a estrada será menos cansativa.
** Livro IX, linhaverso 64.
 
* ''Omnia vincit Amor; et nos cedamus Amori.''
** O amor vence tudo; cedamos também nós ao amor.
** Livro X, linhaverso 69.
 
== ''Geórgicas'' (29 a.C.) ==
* ''Ut varias usus meditando extunderet artis / paulatim.''
** A prática e o pensamento podem gradualmente forjar muitas artes.
** Livro I, linhasversos 133-134.133–134
<!--
* ''O ubi campi!''
** Oh, onde estão esses campos!
** Livro II, linhaverso 486.
-->
* ''Felix qui potuit rerum cognoscere causas.''
** Feliz aquele capaz de compreender as causas das coisas.
** Livro II, linhaverso 490 (referindo-sehomenagem a [[Lucrécio]]).
 
* ''Sed fugit interea, fugitFugit irreparabile tempus.''
** Mas foge entretanto, fogeFoge o tempo irreparável.
** Livro III, linhaverso 284.
 
== ''Eneida'' (29-1929–19 a.C.)==
:<small>Traduzida em verso português por [[w:João Franco Barreto|João Franco Barreto]] (1664).</small>
* ''Arma virumque cano, Troiae qui primus ab oris<br />Italiam fato profugus Laviniaque venit<br />Litora, multum ille et terris iactatus et alto<br />Vi superum, saevae memorem Iunonis ob iram.''
** '''As armas e o [[w:Eneias|varão]] canto''', piedoso,<br />Que primeiro de Tróia desterrado<br />A Itália trouxe o Fado poderoso,<br />E às praias de Lavino veio armado;<br />Aquele que, no golfo tempestuoso<br />E nas terras, foi muito contrastado,<br />Por violência dos Deuses e excessiva<br />Lembrada ira de Juno vingativa.
** Livro I, linhasversos 1–4.
 
* ''Tantaene animis coelestibus irae?''
** Tantas iras em ânimos divinos!
** Livro I, linhaverso 11.
 
* ''O terque quaterque beati!''
** Ó três e quatro vezes venturosos.
** Livro I, linhaverso 95.
 
* ''Apparent rari nantes in gurgite vasto.''
** Raros no vasto mar se vêem nadando.
** Livro I, linhaverso 118.
 
* ''O socii—neque enim ignari sumus ante malorum—<br />O passi graviora, dabit deus his quoque finem.''
** Ó sócios meus, ó vós, que padecido<br />Haveis mais graves cousas, porque ignaros<br />Não somos do trabalho endurecido,<br />Por quem sereis do mundo assaz preclaros;<br />Fim dará Deus a todas, comovido<br />De piedade e amor, e em nós seus claros<br />Olhos porá da região superna,<br />Que não há cá no mundo pena eterna.
** Livro I, linhasversos 198–199.
 
* ''Revocate animos, maestumque timorem<br />Mittite: forsan et haec olim meminisse iuvabit.''
** Tende ânimo, e esse peito, traspassado<br />De temor, confortai, e estai constantes,<br />Que, por dita, '''algum dia esta memória<br />Vos será de mor lustre, e de mor memória.'''
** Livro I, linha 202–203.
 
* ''Lacrimis oculos suffusa nitentis.''
** banhando de mimosa<br />Em lágrimas os olhos cristalinos.
** Livro I, linaverso 228 (referindo-se asobre [[w:Vênus (mitologia)|Vénus]]).
 
* ''Lumenque iuventae / purpureum.''
** A luz púrpura da juventude.
** Livro I, linhasversos 590-591 (tradução livre).
 
* ''Mens sibi conscia recti.''
** Uma mente consciente de sua própria rectidão.
** Livro I, linha 604 (tradução livre).
 
* ''Non ignara mali miseris succurrere disco.''
** ...sei cos miseráveis ser clemente<br />Porque aos males estou acostumada.
** Livro I, linhaverso 630 ([[w:Dido|Dido]]).
 
* ''Equo ne credite, Teucri.<br />Quidquid id est, timeo Danaos et dona ferentes.''
** '''Não tenhais no [[w:Cavalo de Troia|cavalo]] confiança''',<br />Alguma cousa é isto, a Grécia temo,<br />E como visto em sua feia usança,<br />Todos seus dões, incrédulo, blasfemo.
** Livro II, linhasversos 48-49.48–49
 
* ''Quantum mutatus ab illo!''
** Quão mudado, ai de mim!
** Livro II, linhaverso 274 (referindo-sesobre aoo estado lastimável de [[w:Heitor|Heitor]]).
 
* ''Dis aliter visum.''
** Os deuses pensaram o contrário.
** Livro II, linhaverso 428.
 
* ''Auri sacra fames.''
** Maldita fome de ouro!
** Livro III, linhaverso 57.
 
* ''Degeneres animos timor arguit.''
** O medo é prova de uma mente degenerada.
** Livro IV, linhaverso 13.
 
* ''Quis fallere possit amantem?''
** Quem pode enganar uma amante?
** Livro IV, linha verso 296.
 
* ''Possunt, quia posse videntur.''
** Eles podem porque pensam que podem.
** Livro V, linhaverso 231.
 
* ''Cede Deo.''
** Cede a Deus.
** Livro V, linhaverso 467.
 
* ''Superanda omnis fortuna ferendo est.''
** As adversidades devem ser superadas com paciência.
** Livro V, linhaverso 710.
 
* ''Bella, horrida bella.''
** [[Guerra|Guerras]], horríveis guerras.
** Livro VI, linhaverso 86.
 
* ''Facilis descensus Averni:<br>Noctes atque dies patet atri ianua Ditis;<br>Sed revocare gradium superasque evadere ad auras.<br>Hoc opus, hic labor est.''
** &nbsp;.&nbsp; .&nbsp; .&nbsp; .&nbsp; .&nbsp; .&nbsp; .&nbsp; .&nbsp; .&nbsp; . &nbsp; .&nbsp; '''ao Averno<br>Sempre descer se pode facilmente.'''<br>Noites, e dias do profundo Inferno<br>A tenebrosa porta está patente:<br> Porém tornar atrás, à claridade,<br>É grã trabalho, é grã dificuldade.
** Livro VI, linhasversos 126-129.126–129
 
* ''Malesuada Fames.''
** A fome é má conselheira.
** Livro VI, linhaverso 276.
 
* ''Mens agitat molem.''
** A [[alma]] move toda a matéria do [[mundo]].
** Livro VI, linha 727 (''Revista Caras'', ed. 674).
** Tradução literal: A mente move a matéria.
 
* ''Quisque suos patimur Manes.''
** Cada um de nós carrega os seus próprios fantasmas.
** Livro VI, linhaverso 743.
 
* ''Flectere si nequeo superos, Acheronta movebo.''
** Se não posso dobrar o Céu, então moverei o Inferno.
** Livro VII, linhaverso 312.
 
* ''Heu pietas, heu prisca fides''
** Ah, piedade! Ah, fé antiga!
** Livro VI, linhaverso 878.
<!--
* ''Pacemne huc fertis an arma?''
** Traz paz ou guerra?
** Livro VIII, linhaverso 114.
 
* ''Fortunati ambo! si quid mea carmina possunt, <br> Nulla dies uuquam memori vos eximet aevo.''
** Oh amigos com sorte! Se os meus versos vos podem <br> dar vida imortal, a vossa fama viverá para sempre!
** Livro IX, linhasversos 446-447.446–447
-->
* ''Audentes fortuna juvat.''
** A sorte favorece os corajosos.
** Livro X, linhaverso 284.
 
== Sobre Virgílio ==
* ''Animae dimidium meae.''
** Metade da minha alma.
** [[Horácio]], ''Odes'', Livro I, ode iii, linhaverso 8.
 
* ''O Virgile! ô poète! ô mon maître divin!''
100

edições