Abrir menu principal

Alterações

187 bytes removidos ,  19h09min de 7 de janeiro de 2017
* “É necessário que tenhamos a postura corretíssima dos fortes! Não é invadindo prisões que se castigam criminosos. Nada mais falível e relativo do que esta [[justiça]] humana condecorada pela [[metafísica]] com o qualificativo de absoluta. Há nos sentimentos que ambos tributamos à [[República]] uma diferença enorme: s. ex. tem por ela um amor tempestuoso e cheio de delírios de amante, eu tenho por ela os cuidados e a afeição serena de um filho.” (carta aberta de Euclides ao redator d'''O Tempo'', 20 fev. 1894)
* “Então... eu não creio em [[Deus]]?! Quem te disse isto? Puseste-me na mesma roda dos singulares infelizes, que usam o [[ateísmo]] como usam de gravatas — por ''chic'', e para se darem ares de sábios... Não.” (carta a Coelho Neto, 22 nov. 1903)
* “...se as nações estrangeiras mandam cientistas ao [[Brasil]], que absurdo haverá de encarregar-se de idêntico objetivo um brasileiro?” (carta a José Veríssimo, 24 jun. 1904)
* “Num país em que toda a gente acomoda a sua vidinha num cantinho de secretaria, ou numa aposentadoria, eu estou, depois de haver trabalhado tanto, galhardamente, sem posição definida! Reivindico, assim, o belo título de último dos românticos, não já do Brasil apenas, mas do mundo todo, nestes tempos utilitários! Julgo, entretanto, que hei de arrepender-me muito, mais tarde, desta [[vaidade]]...” (carta a Oliveira Lima, 25 maio 1908)
* “Quem definirá um dia essa [[Maldade]] obscura e misteriosa das coisas, que inspirou aos gregos a concepção indecisa da Fatalidade?” (carta a Vicente de Carvalho, 10 fev. 1909)
Utilizador anónimo