Diferenças entre edições de "Escravo"

109 bytes adicionados ,  19h23min de 13 de janeiro de 2016
m
+ fontes - sem fontes
m (A migrar 7 interwikis, agora providenciados por Wikidata em d:q12773225)
m (+ fontes - sem fontes)
::- ''The man who swears allegiance to a cause has limitations stronger than a slave's because his heart is given''
:::- ''On being fit to live with: sermons on post-war Christianity‎ - Página 139, de [[Harry Emerson Fosdick]] - Harper & brothers, 1946 - 219 páginas''
 
* "O camponês não é seu escravo, ele é seu vizinho."{{carece de fontes}}
::- ''[[Andrzej Frycz Modrzewski]]''
 
* "Quanto a você, da aristocracia, que tem dinheiro mas não compra alegria, há de viver eternamente sendo escrava desta gente que cultiva a hipocrisia."
 
* "Escravo é aquele que não pode dizer o que pensa."
::- ''[[Eurípedes]] in: The Phoenician Women (c.411-409 a.C.)''
 
* "[[Escravidão|Ter escravos]] não é nada, mas o que se torna intolerável é ter [[escravo]]s chamando-lhes [[cidadão]]s."
:::- ''[[Denis Diderot]] citado em "Chronique française du XXe siècle", Volume 10‎ - Página 167, Paul Vialar - Del Duca, 1955
 
* "Morre lentamente quem se transforma em [[escravo]] do [[hábito,]]; repetindo todos os dias[[dia]]s os mesmos trajetos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece."
::- ''Muere lentamente quien se transforma en esclavo del hábito, repitiendo todos los días los mismos trayectos''
::- ''[[Pablo Neruda]]''
:::-''texto de [[Martha Medeiros]], com frequência atribuído a [[Pablo Neruda]]
:::-''Fonte: O Estado de S. Paulo, [http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,falso-poema-atribuido-a-neruda-e-da-brasileira-martha-medeiros,306181,0.htm Falso poema atribuído a Neruda é da brasileira Martha Medeiros]''
 
* "Não ficar de joelhos, que não é racional renunciar a ser livre. Mesmo os escravos por vocação devem ser obrigados a ser livres, quando as algemas forem quebradas."
::- trecho do Poema Rondó da Liberdade, escrito em São Paulo, Presídio Especial, 1939
::- ''[[Carlos Marighella]]''
:::- Poemas: rondó da liberdade‎ - Página 96, de [[Carlos Marighella]] - Publicado por Editora Brasiliense, 1994, ISBN 8511182128, 97885111821251994 - 96 páginas
 
* "Evoluímos tanto que os escravos já têm bilhete de identidade."
::- ''[[José Alberto Braga]]''
 
* "A propriedade privada introduz a desigualdade entre os homens, a diferença entre o rico e o pobre, o poderoso e o fraco, o senhor e o escravo, até a predominância do mais forte. O homem é corrompido pelo poder e esmagado pela violência."
::- ''[[Jean-Jacques Rousseau]]''
 
* "Nunca seja um escravo dos padrões que plantaram em você."
::- ''[[Augusto Cury]]''
 
* "Já sabe que me permito dizer tudo e, às vezes, faço perguntas muito francas. Repito sou seu escravo e não se tem vergonha de um escravo: o escravo não pode ofender a ninguém."
::- ''[[Fiódor Dostoiévski]] in: O Jogador''
 
* "Cem anos atrás, um grande americano, na qual estamos sob sua simbólica sombra, assinou a Proclamação de Emancipação. Esse importante decreto veio como um grande farol de esperança para milhões de escravos negros que tinham murchados nas chamas da injustiça."
::- ''[[Martin Luther King Junior]]; Discurso realizado em 28 de agosto de 1963, em Washington, EUA, no Lincoln Memorial - "I have a dream"''
 
* "Os piores senhores eram os que se mostravam mais bondosos para com seus escravos, pois assim impediam que o horror do sistema fosse percebido pelos que o sofriam, e compreendido pelos que o contemplavam."