Diferenças entre edições de "Tony Duvert"

872 bytes adicionados ,  23h45min de 30 de outubro de 2014
 
== Sobre Tony Duvert ==
* O escritor Tony Duvert, de 63 anos, fuefoi encontrado morto, na quarta-feira 20 de agosto, em sua casa, na aldeia de Thoré-la-Rochelle (Loir-et-Cher). A sua morte teria acontecido há aproximadamente um mês. Foi aberta uma investigação, mas ele parece ter morto por causas naturais. Tony Duvert não tinha publicado livros desde 1989. Tinha sido quase esquecido, e no entanto deixou marca em sua época -os anos 1970- pela extrema liberdade que manifestava tanto nas suas obras como na sua vida, pelo seu tom único de crudeza e de elegância, pelo ritmo das suas frases, muitas vezes sem puntuação, deixando-se levar unicamente pela expressividade do desejo, capaz, como se acreditava então, de cambiar o mondo.
:::<div style="font-size:10pt">Jean-Noël Pancrazi. «Tony Duvert». ''Le Monde'', 24 de agosto de 2008.</div>
 
*Esse pobre corpo abandonado no Loir-et-Cher não é o resíduo das andanças do passado, nem dá testemunho das ilusões que teriam sido precisas para alcançar a felicidade contemporânea. É o corpo de um escritor mágico, que agora toca redescobrir –se é que essa miserável tragédia pode servir para algo–, um escritor mágico cuja caixa correio levou um mês a transbordar, porque como bem sabem, a magia, os escritores, todas essas bobagens, e a liberdade pela qual tenham lutado, hoje em dia não estão nem aí<ref>Georgesco, Florent. «[http://www.leoscheer.com/blog/2008/08/26/719-tony-duvert-est-mort La boîte aux lettres de Tony Duvert]». ''Blog des ELS'', 28 de agosto de 2008 [Consultado el 2014-10-29].</ref>.
* Tony era um teatro de sombras no qual se representavam todos os papeles e no qual todos os papeles eram ele<ref>Sebhan, Gilles. ''Tony Duvert: L'enfant silenciueux''. Paris: Éditions Deoël, 2010, p. 123.</ref>.
:::<div style="font-size:10pt">GillesFlorent Sebhan,Georgesco. «La boîte aux lettres de ''Tony Duvert:». L'enfant'Blog des silenciueuxELS'', 28 de agosto de 2008.</div>
 
* Tony era um teatro de sombras no qual se representavam todos os papelespapéis e no qual todos os papelespapéis eram ele<ref>Sebhan, Gilles. ''Tony Duvert: L'enfant silenciueux''. Paris: Éditions Deoël, 2010, p. 123.</ref>.
:::<div style="font-size:10pt">Gilles Sebhan, ''Tony Duvert: L'enfant silenciueux''.</div>
 
== Bibliografia ==
428

edições