Abrir menu principal

Alterações

Sem alteração do tamanho, 21h08min de 8 de julho de 2012
m
+ fontes - sem fontes
 
*"A [[corrupção]] nunca foi compulsória."
::- ''Corruption never has been compulsory
:- ''[[Anthony Eden]]''
:::- ''[[Anthony Eden]] citado em "Let the record speak" - página 139, Dorothy Thompson - Houghton Mifflin company, 1939 - 408 páginas
 
*"As canções que falam de [[política]] e [[corrupção]] mantêm-se sempre atuais".
:- ''[[Gabriel, O Pensador]]''
 
* "Da [[pátria]] o [[seio]] a [[corrupção]] invade".
::- ''[[Bastos Tigre]] do poema "Esta República" (1904), citado em "Humor e humorismo: poesia e versos, e paródias de poemas famosos; antologia‎" - Página 195, de Idel Becker - Publicado por Editôra Brasiliense, 1961 - 351 páginas''
:- ''[[Bastos Tigre]]''
 
* “[[Fraude]], [[corrupção]] e [[violência]] fazem parte da condição humana”
::- ''[[Patrus Ananias]] citado em Revista ISTO É, Edição 1825.''
 
* "O subdesenvolvido procura soluções mágicas. Quando faltava [[chuva]], o inca não tinha dúvida: sacrificava algumas [[criança]]s ao [[deus]] de plantão. Aqui, a mágica agora é o denuncismo do 'pega corrupto'. Esquecemos as razões profundas da [[corrupção]], a falência múltipla do Estado, obsoleto, corporativo, ocupado por interesses espúrios, cuja ineficiência tem por maiores vítimas os [[pobres]] e indefesos. Se continuarmos a pensar nos sintomas, e não na [[doença]], não conseguiremos mudar as coisas. Só se [[Deus]] for mesmo brasileiro..."
::- ''[[Roberto Campos]]; "Na virada do milênio", ‎Página 223, de Roberto de Oliveira Campos - Publicado por Topbooks, 1999 - 486 páginas''
:- ''[[Roberto Campos]]''
 
* "A principal fonte de erro para o [[repórter]] [[político]] é a própria [[vaidade]] e seu maior instrumento de trabalho não é a caneta, o bloco de anotações nem o [[computador]], mas o semancol, em doses que devem aumentar com o passar do tempo. Pois a sensação ilusória da proximidade com os poderosos dada ao repórter que segue seus passos é a pior conselheira que ele pode ter. O convívio é uma forma de cooptação mais terrível. A proximidade e a freqüência são poderosas [[arma]]s a serviço da pura e simples adesão, às vezes piores do que a própria [[corrupção]].
::- ''[[José Nêumane]], no livro "Jornalismo é..."''
 
* "Está bem. [[Deus]] é brasileiro. Mas pra defender o [[Brasil]] de tanta [[corrupção]] só colocando Deus no gol".
::- ''Millôr definitivo: a bíblia do caos‎ - Página 12, [[Millôr Fernandes]] - L&PM Editores, 1994, 3a. ed., ISBN 8525404349, 9788525404343 - 524 páginas
:- ''[[Millôr Fernandes]]''
 
* "Os [[costume]]s, cuja excelência torna o [[governo]] quase inútil e cuja [[corrupção]] o torna quase impossível".
:- ''[[Charles Tocqueville]]''
 
* "A [[publicidade]] é o princípio, que preserva a [[justiça]] de corromper-se".
::- ''[[Ruy Barbosa]]; Discurso pronunciado pelo sr. dr. Ruy Barbosa no banquete que: a 30 de novembro de 1895, lhe foi offerecido pelo director do Jornal do commercio - página 18, Ruy Barbosa - Typ. do Jornal do commercio, 1895 - 22 páginas''
:- ''[[Ruy Barbosa]]''
 
* "O [[povo]] não tem representante porque as maiorias partidárias, reunidas nas duas casas do Congresso, distribuem a seu bel-prazer as cadeiras de uma e de outra casa, conforme os interesses das facções a que pertencem. O [[povo]] sabe que não tem [[justiça]]; o povo tem certeza de que não pode contar com os tribunais; o povo vê que todas as [[lei]]s lhe falham como abrigo no momento em que delas precise, porque os governos seduzem os magistrados, os governos os [[corrupção|corrompem]], e, quando não podem dominar e seduzir, os desrespeitam, zombam das suas sentenças, e as mandam declarar inaplicáveis, constituindo-se desta arte no juiz supremo, no tribunal da última instância, na última corte de revisão das decisões da justiça brasileira."
::- ''Obras completas - Página 81, de [[Ruy Barbosa]] - Publicado por Ministério da Educação e Saúde, 1942
:- ''[[Ruy Barbosa]]''
 
* O [[poder]] não corrompe, revela".
::- ''[[Elke Maravilha]]; Fonte: Revista ISTO É Gente, Edição 363 ''
 
* "Quando o [[poder]] conduz a [[homens]] para a [[arrogância]], a [[poesia]] lembra-o de suas limitações. Quando o [[poder]] estreita as áreas de interesse do [[homem]], a [[poesia]] lembra-o da [[riqueza]] e da [[diversidade]] de sua [[existência]]. Quando o [[poder]] corrompe, a [[poesia]] limpa".
 
* “O [[poder]] não corrompe o [[homem]]; é o homem que corrompe o poder. O homem é o grande poluidor, da [[natureza]], do próprio homem, do poder. Se o poder fosse corruptor, seria maldito e proscrito, o que acarretaria a anarquia”.
::- ''[[Ulysses Guimarães]] In: discurso proferido em 18 de junho de 1967, em Florianópolis; Rompendo o cerco - página 19 (Volume 2 de Coleção Documentos da democracia brasileira), Ulysses Guimãraes, Paz e Terra, 1978 - 188 páginas
:- ''[[Ulysses Guimarães]]''
 
* A pior das [[corrupção|corrupções]] não é aquela que desafia as [[lei]]s; mas a que se corrompe a ela própria"