Diferenças entre edições de "Anticristo, O"

5 667 bytes adicionados ,  06h43min de 15 de julho de 2011
m
Revertidas edições por 201.76.115.85, para a última versão por Javuh
( texto trocado por 'Jesus retornará e todos vocês morrerão, seu ateus cagões.')
m (Revertidas edições por 201.76.115.85, para a última versão por Javuh)
[[w:O Anticristo|'''O Anticristo''']], escrita em [[1888]] e publicada em [[1895]], é uma das mais ácidas críticas de [[Nietzsche]] ao [[cristianismo]] e ao [[budismo]].
Jesus retornará e todos vocês morrerão, seu ateus cagões.
 
[[Nietzsche]] tornou-se um destruidor de ídolos e foi um crítico veemente de todos aqueles que se consideravam donos da verdade. Neste livro o autor faz ruir o Cristianismo como base valorativa do Ocidente, pois apresenta uma crítica contundente contra a instituição cristã, para ele, diferenciada do Cristo. A crítica do filósofo contra o Cristianismo é no sentido da negação desta vida em nome de outra no além.
----
 
 
*"Que importância tem o resto? – O resto é somente a humanidade. – É preciso tornar-se superior à humanidade em poder, em grandeza de alma – em desprezo..."
 
*"Enquanto o padre, esse negador, caluniador e envenenador da vida por profissão for aceito como uma variedade de homem superior, não poderá haver resposta à pergunta: Que é a verdade? A verdade já foi posta de cabeça para baixo quando o advogado do nada foi confundido com o representante da verdade."
 
*"Quando um homem sente que possui uma missão divina, digamos, melhorar, salvar ou libertar a humanidade – quando um homem sente uma faísca divina em seu coração e acredita ser o porta-voz de imperativos supranaturais – quando tal missão o inflama, é simplesmente natural que ele coloque-se acima dos níveis de julgamento meramente racionais. Sente a si próprio como santificado por essa missão, sente que faz parte de uma ordem superior!..."
 
*"Após o conceito de “natureza” ter sido usado como oposto ao conceito de “Deus”, a palavra “natural” forçosamente tomou o significado de “abominável” – todo esse mundo fictício tem sua origem no ódio contra o natural (– a realidade! –), é evidência de um profundo mal-estar com a efetividade... Isso explica tudo. Quem tem motivos para fugir da realidade? Quem sofre com ela. Mas sofrer com a realidade significa uma existência malograda.."
 
*"No seu íntimo o cristianismo possui várias sutilezas que pertencem ao Oriente. Em primeiro lugar, sabe que é de pouca relevância se uma coisa é verdadeira ou não, desde que se acredite que é verdadeira. Verdade e fé: aqui temos dois mundos de idéias inteiramente distintas, praticamente dois mundos diametralmente opostos – os seus caminhos distam milhas um do outro. Entender esse fato a fundo – isso é quase o suficiente, no Oriente, para fazer de alguém um sábio. Os brâmanes sabiam disso, Platão sabia disso, todo estudante de esoterismo sabe disso. Quando, por exemplo, um homem sente qualquer prazer através da idéia de que foi redimido do pecado, não é necessário que seja realmente pecador, mas que simplesmente sinta-se pecador. Mas quando a fé é exaltada acima de tudo, disso segue-se necessariamente o descrédito à razão, ao conhecimento e à investigação meticulosa: o caminho que leva à verdade torna-se proibido."
 
*"Considerados psicologicamente, os “pecados” são indispensáveis em toda sociedade organizada sobre fundamentos eclesiásticos; são os únicos instrumentos confiáveis de poder; o padre vive do pecado; tem necessidade de que existam “pecadores”... Axioma Supremo: “Deus perdoa a todo aquele que faz penitência” – ou, em outras palavras, a todo aquele que se submete ao padre."
 
*"Esse santo anarquista incitou o povo de baixeza abissal, os réprobos e “pecadores”, os chandala do judaísmo a emergirem em revolta contra a ordem estabelecida das coisas – e com uma linguagem que, se os Evangelhos merecem crédito, hoje o conduziria à Sibéria – esse homem certamente era um criminoso político, ao menos tanto quanto era possível o ser em uma comunidade tão absurdamente apolítica. Foi isso que o levou à cruz: a prova consiste na inscrição colocada sobre ela. Morreu pelos seus pecados – não há qualquer razão para se acreditar, não importa quanto isso seja afirmado, que tenha morrido pelo pecado dos outros."
 
*"Lei contra o cristianismo - Dada no dia da Salvação primeiro dia do ano Um (a 30 de Setembro de 1888, pelo falso calendário): ''Artigo Primeiro'' - É vício qualquer forma de antinatureza. A mais viciosa espécie de homens é o padre: ele ensina a antinatureza. Conta o padre não temos razões, temos a casa de correção; ''Artigo Segundo'': Qualquer participação num ofício divino é um atentado contra a moral pública. Seremos mais duros para um protestante do que para um católico, mais duros para um protestante liberal que para um puritano. Quanto mais próximo se está da ciência, maior é o crime de se ser cristão. Por conseguinte o maior dos criminosos é o filósofo; ''Artigo Terceiro'': O lugar de maldição onde o cristianismo chocou seus ovos de basilisco será completamente arrasado e, sendo sobre a Terra o local sacrílego, constituirá motivo de pavor para a posteridade. Aí serão criadas serpentes venenosas; ''Artigo Quarto'': A apologia da castidade é uma pública incitação ao antinatural. Desprezar a vida sexual, enxovalhá-la com a noção de 'impuro', eis o verdadeiro pecado contra o Espírito Santo da Vida; ''Artigo Quinto'': Comer à mesa com um padre exclui-vos; fazendo, excomungam-se da justa sociedade. O padre é o nosso tchandala - será encarcerado, privado de alimentos, expulso para um local como o deserto; ''Artigo Sexto'': Dar-se-á à história 'santa' o nome que merece, isto é, história maldita; serão usadas as palavras 'Deus', 'Salvador', 'Redentor', 'Santo' para injuriar, para com elas marcar os criminosos; ''Artigo Sétimo'': O resto nasce aqui."
 
 
{{wikipédia}}
 
[[Categoria:Livros da Alemanha]]
 
[[en:The Antichrist]]
113

edições