Diferenças entre edições de "Jardim"

789 bytes adicionados ,  16h11min de 5 de dezembro de 2010
m
+ fontes - sem fontes
m (Bot: Adicionando: sk:Záhrada)
m (+ fontes - sem fontes)
 
* "Quem ama o [[jardim]] conserva o seu [[Éden]]."
::- ''Who loves a garden still his Eden keeps''
:::- ''Tablets‎ - Página 10, de [[Amos Bronson Alcott]] - Publicado por A. Saifer, 1969 - 208 páginas ''
 
* "Se ao lado da [[biblioteca]] houver um [[jardim]], nada faltará."
:- ''[[Cícero]]''
 
* "[[Puritano]] é quem atravessa o [[jardim]] da [[vida]] colhendo [[espinho]]s e jogando as [[rosa]]s."
 
* "[[Amor]] não resiste a tudo, não. Amor é [[jardim]]. Amor enche de erva daninha. [[Amizade]] também, todas as formas de amor."
::- ''[[Caio Fernando Abreu]]; Carta a Jaqueline Cantore''
 
* "Há [[pecado]] até na nossa [[santidade]], há incredulidade na nossa [[fé]]; há ódio no nosso próprio [[amor]]; há lama da [[serpente]] na mais bela [[flor]] do nosso [[jardim]]."
::- ''there is sin in our very holiness; there is unbelief in our faith; there is hatred in our very love; there is the slime of the serpent upon the fairest flower of our gard
:- ''[[Charles Haddon Spurgeon]]''
:::- ''The Metropolitan Gabernacle Pulpit - [http://books.google.com.br/books?id=TPtdTSANr2EC&pg=PA126 Página 126], Rev. C.H. [[Spurgeon]] - 1863
 
* "No recinto impregnado de [[vinagre]] em que dissecamos aquele morto, o qual não era mais o [[filho ]] ou o amigo, mas apenas um belo exemplar da máquina humana, experimentei pela primeira vez a sensação de que a mecânica, de um lado, e a Grande [[Arte]], de outro, tratam apenas de aplicar ao estudo do [[universo]] as [[verdade]]s que nos ensinam nossos corpos, nos quais se repete a estrutura do Todo. Não seria bastante toda uma [[vida]] para cotejar um com o outro este [[mundo]] em que estamos e este mundo que somos. Os pulmões eram o fole que reanima a brasa; o pênis, uma arma de arremesso; o [[sangue]] nos meandros do corpo era a água circulante das canaletas de um jardim oriental; o [[coração]], conforme se adotasse esta ou aquela teoria, era a bomba ou o braseiro; o cérebro, o alambique em que se destila uma [[alma]]..."
::- ''[[Marguerite Yourcenar]]; A Obra em Negro''
 
* "Os estrangeiros, eu sei que eles vão gostar, tem o [[Atlântico]], tem vista pro [[mar]]. A [[Amazônia]] é o [[jardim]] do quintal e o dólar deles paga o nosso mingau".
::- ''[[Raul Seixas]]; Aluga-se''
 
* "Pode ser que haja [[fada]]s no fundo do [[jardim]]. Não há evidências disso, mas você não pode provar que não existe fada alguma, então não devíamos ser agnósticos quanto às fadas?".
::- ''There may be fairies at the bottom of the garden. There is no evidence for it, but you can't prove that there aren't any, so shouldn't we be agnostic with respect to fairies?
:- ''[[Richard Dawkins]]''
::- ''[[Richard Dawkins]] citado em "Do Science and the Bible Conflict?" - Página 31, Judson Poling - Zondervan, 2003, ISBN 0310245079, 9780310245070 - 80 páginas''
 
* "Um [[livro]] é como um jardim carregado no bolso."
::- ''[[Provérbios árabes]]''
 
* "Podemos ser donos do jardim, mas nunca das flores, nem das árvores."
:- ''[[Cícero]]
 
* "O meuNossos [[corpo]]s ésão umnossos jardimjardins, a minhanossas [[vontade]]s osão seunossos jardineirojardineiros. "
::- ''Our bodies are our gardens, to the which our wills are gardeners.
:- ''[[William Shakespeare]]
:::- ''"Othello", Scene X in: "The plays of William Shakespeare, with the corrections and illustr. of various commentators, to which are added notes by S. Johnson" - [http://books.google.com.br/books?id=qRoOAAAAQAAJ&pg=PA351 Página 351], [[William Shakespeare]], Samuel Johnson - 1765
 
{{wikipedia|Jardim}}