Diferenças entre edições de "Árvore"

2 983 bytes adicionados ,  01h14min de 17 de novembro de 2010
m
+ fontes - sem fontes
m
m (+ fontes - sem fontes)
 
* "Não há nenhuma [[árvore]] que o vento não tenha sacudido."
::- ''[[Provérbios hindus]]''
 
*"Se você sacode uma [[árvore]], fique por perto para colher as frutas."
 
* "Já matei bastantes [[árvore]]s no mundo."
::- ''[[Stephen King]] anunciando que não escreverá mais e com isso economizará papel, poupando as [[árvore]]s; citado em Revista Veja, Edição 1737, 06.02.2002.''
 
* "Nunca se preocupe com o tamanho da sua [[árvore]] de natal. Aos olhos das crianças, todas elas têm 30 pés (cerca de 9 metros) de altura".
::- ''Never worry about the size of your Christmas tree. In the eyes of children, they are all thirty feet tall.
:- ''[[Larry Wilde]]''
:::- ''[[Larry Wilde]] citado em "Positive Anonymous 12 Step Program" - página 125, de Vasu K. Brown, Editora Lulu.com, 2006, ISBN 1419644823, 9781419644825
 
*"Por conhecer as [[árvore]]s, compreendo o sentido da [[paciência]]. Por conhecer a [[grama]], dou [[valor]] à [[persistência]]."
 
* "A tristeza é um livro sábio que se tem no coração e que nos diz centenas de coisas - impede-nos de apodrecer como um cogumelo debaixo de uma [[árvore]]; pouco a pouco vai fabricando uma provisão de ensinamentos para a vida".
::- '' A smutek niby mądra książka w sercu żyje, I mówi wiele rzeczy, i człowiek nie gnije Jak muchomór pod sosną.
:- ''[[Juliusz Slowacki]]''
:::- ''[[Juliusz Slowacki]]; [[s:pl:Kordian/Akt I|Kordian]], Akt I, Scena I
 
* "No paraíso perdido, a mulher mordeu o fruto da [[árvore]] do conhecimento dez minutos antes do homem; desde então, mantém essa vantagem."
::- ''La femme, dans le paradis... perdu, a mordu au fruit de l'arbre de la science dix minutes avant l'homme ; elle a toujours depuis gardé ces dix minutes
:- ''[[Jean-Baptiste Alphonse Karr]]''
:::- ''Au soleil‎ - Página 268, [[Alphonse Karr]] - Calmann Lévy, 1890 - 352 páginas
 
* Noite. Oh! Saudade!... A dolorosa rama / Da [[árvore]] aflita pelo chão derrama / As folhas, como lágrimas... Lembrar!"
::- ''[[Olavo Bilac]] no poema "Ciclo"; (veja texto integral no [[s:Ciclo#quote1|Wikisource]])''
 
*"As [[carícia]]s são tão necessárias para a [[vida]] dos [[sentimento]]s como as folhas para as [[árvore]]s. Sem elas, o amor morrer pela raiz".
::- ''Caresses, expressions of one sort or another, are necessary to the life of the affections, as leaves are to the life of a tree. If they are wholly restrained, love will die at the roots.
:- ''[[Nathaniel Hawthorne]]''
:::- ''Our old home: a series of English sketches‎ - [http://books.google.com.br/books?id=-kYgAAAAMAAJ&pg=PA236 Página 236], [[Nathaniel Hawthorne]] - Houghton, Mifflin, 1868 - 380 páginas
 
*O sagüim é um animalzinho assaz bonito: / é mesmo o mais bonito de todos, pela selva; / anda nas [[árvore]]s, esconde-se, espia, foge depressa / e há deles, na terra viçosa, número infinito.
::- ''[[Cecília Meireles]]; Crônica trovada da cidade de Sam Sebastiam: no quarto centenário ..., página 52, Cecília Meireles - Livraria José Olympio editôra,1965 - 83 páginas''
:- ''[[Cecília Meireles]]''
 
* "A [[árvore]] nascente aguarda-te a bondade e a tolerância para que te possa ofertar os próprios frutos em tempo certo."
::- ''[[Chico Xavier]] citado em "O Mestre Chico Xavier" - Página 88, Luis Eduardo Matos, Universo dos Livros Editora LTDA, 2007, ISBN 8599187449, 9788599187449
:- ''[[Chico Xavier]]''
 
* “Um dia esbranquiçado passava pela janela sem cortinas, entreviam-se as copas das [[árvore]]s, e mais além a pradaria meio afogada na névoa que fumava ao luar.”
::- ''Dans la chambre, au premier, un jour blanchâtre passait par les fenêtres sans rideaux. On entrevoyait des cimes d'arbres, et plus loin la prairie, à demi noyée dans le brouillard, qui fumait au clair de la lune, selon le cours de la rivière.
:- ''[[Gustave Flaubert]]''
:::- ''Madame Bovary: mœurs de province‎ - [http://books.google.com.br/books?id=wZEGAAAAQAAJ&pg=PA121 Página 121], [[Gustave Flaubert]] - L. Conard, 1921 - 630 páginas
 
* "Se a poesia não surgir tão naturalmente como as folhas de uma [[árvore]], é melhor que não surja mesmo".
::- ''That if poetry comes not as naturally as the leaves to a tree, it had better not come at all.
:- ''[[John Keats]]''
:::- ''"The complete poetical works and letters of John Keats" - página 289, [[John Keats]], Horace Elisha Scudder - Houghton, Mifflin and company, 1899 - 473 páginas
 
*"O ideal, como a [[árvore]], deve ter suas raízes na terra."
:- ''[[Arturo Graf]]''
*"Se eu tivesse nove horas para cortar uma [[árvore]], passaria seis horas afiando o meu machado"
::- ''If I had nine hours to cut down a tree, I would spend six hours sharpening my axe
 
* “Na favela não existem [[árvore]]s que dão fuzil nem plantação de coca. A força do tráfico está fora dos morros”
::- ''[[MV Bill]]; Fonte: Revista ISTO É, Edição 1768. ''
 
* "O regime sionista é uma [[árvore]] podre, seca, que será eliminada por uma tempestade."
::- ''[[Mahmoud Ahmadinejad]]; declaração sobre o Estado de Israel, 3 dias após anunciar que o país conseguiu enriquecer urânio.; [http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u94829.shtml Folha], 14/04/2006 ''
 
* "Deus, arquitecto do universo, proibiu o homem de provar os frutos da [[árvore]] da ciência, como se a ciência fosse um veneno para a felicidade."
::- ''[[Erasmo de Rotterdam]] in: "Elogio da Loucura"''
 
* "Nunca choverão rosas: se quisermos mais rosas, teremos de plantar mais [[árvore]]s".
::- ''It will never rain roses: when we want to have more roses we must plant more trees''
:- ''[[George Eliot]]''
:::- ''The Spanish Gypsy: A Poem‎ - [http://books.google.com.br/books?id=wwwOAAAAYAAJ&pg=PA206 Página 206], de [[George Eliot]] - Publicado por Ticknor and Fields, 1868 - 287 páginas''
 
* "Uma vida sem amor é como [[árvore]]s sem flores e sem frutos. E um amor sem beleza é como flores sem perfume. Vida, amor, beleza: eis a minha trindade".
::- ''[[Khalil Gibran]]; citado em "O Poder de Transformação: Dinâmicas de Grupo" - página 107, Canísio Mayer, Papirus Editora, ISBN 8530808266, 9788530808266, 160 páginas''
:- ''[[Khalil Gibran]]''
 
* «Mas será isto verdade? Não estarei eu sonhando? Será verdade que este pedaço de terreno sagrado, que o dinheiro da solidariedade humana resgatou, pertence de hoje em diante a um grupo de homens que são irmãos, a umas dúzias de indivíduos que querem ser livres na Terra Livre, a um punhado de seres que detestam a vida irracional das grandes cidades? Será verdade que morreu aqui a [[árvore]] maldita da propriedade privada? Será verdade que estes 3 quilómetros benditos vão ser explorados em benefício comum? Será verdade que aqui vai ser a divina cidade da Luz e que além, daqui a 3 mil e tal metros, é a terra das trevas, o sítio do vício, a estrada do crime?»
::- ''[[António Gonçalves Correia]]; Janeiro de 1916 (in ROCHA, Francisco Canais, e LABAREDAS, Maria Rosalina, 1982: pp. 168-69)''
 
* "Urubus são denúncias negras que voam sobre o Juqueri. Se nada nos fosse dado a ver, lá nos escondidos do hospício, os urubus serviriam para que pudéssemos imaginar o que acontece. Por que eles agitam tanto as asas sobre os pátios do que já foi um hospital? A resposta está aqui dentro: todos os pátios do Juqueri são de muros altos, muito altos, a modo de esconder muita miséria humana. Chão nu, duro de pisado por muitos passos aflitos. Alguns têm outra [[árvore]] (sempre coalhadas de urubus) a derramar um pouco de sombra sobre muita infelicidade. O que completa a paisagem dos pátios são criaturas humanas - nossos desamados irmãos loucos - que choram, gritam, urram, blasfemam, rezam ou fazem gestos sem beleza. Sobre elas, manchando o azul do céu, os urubus."
::- ''[[Audálio Dantas]]; Reportagem sobre o Hospício do Juqueri, em Franco da Rocha (SP). Superlotação, tratamento desumano, o caos total, enfim, eram alguns dos problemas de um manicômio que tinha apenas 76 médicos para cerca de 13 mil internos. (Fonte: DANTAS, Audálio. O circo do desespero. São Paulo: Símbolo, 1976, p. 33.)''
 
* "Isso morre comigo. Não conto nem amarrado na [[árvore]] levando facão. Assumo toda responsabilidade civil e criminal."
::- ''[[Roberto Jefferson]] ao negar-se a contar como usou os supostos R$ 4 milhões que recebeu do [[Partido dos Trabalhadores]] durante interrogatório na CPI dos Correios, para não envolver outras pessoas do seu partido que alegou serem inocentes, em 30/Junho/2005. ''
 
* Durante a evacuação, a pessoa não deve se agachar de cara para o sol ou para a lua, a não ser que cubra o sexo. Para defecar, deve também evitar se agachar exposto ao vento, nos lugares públicos, na porta da casa ou sob uma [[árvore]] frutífera. Deve-se igualmente evitar, durante a evacuação, comer, demorar e lavar o ânus com a mão direita. Finalmente, deve-se evitar falar, a menos que se seja forçado, ou se eleve uma prece a Deus.
::- ''"Ditados de [[Ayatollah Khomeini]]" ''
 
* "Os comunistas sempre souberam chacoalhar as [[árvore]]s para apanhar no chão os frutos. O que não sabem é plantá-las..."
::- ''[[Roberto Campos]]; "Na virada do milênio", ‎Página 280, de Roberto de Oliveira Campos - Publicado por Topbooks, 1999 - 486 páginas''
:- ''[[Roberto Campos]]''
 
* "No início, você entra em choque, e então depois, você se conforma. Eu sou muito mais tolerante agora do que antes, que sei que estou no fim do meu tempo. Eu vejo as [[árvore]]s, as flores, e as meninas bonitas. Eu vejo a beleza que eu tinha esquecido. Em verdade, hoje aprecio melhor a vida no seu dia a dia".
 
* “A meia altura de uma [[árvore]] indeterminada, um pássaro invisível empenhava-se em que fosse breve o dia, explorando com uma nota prolongada a solidão circundante, mas recebia desta uma réplica tão unânime, um contragolpe tão reduplicado de silêncio e imobilidade que dir-se-ia que ele acabava de parar para sempre o instante que procurava fazer passar mais depressa.”
::- ''[[Marcel Proust]] na obra "No caminho de Swann"''
 
* "Por que você se assusta? O que acontece para a [[árvore]], acontece também para o homem. Quanto mais deseja elevar-se para as alturas e para a luz, mais vigorosamente enterra suas raízes para baixo, para o horrendo e profundo: para o mal."
::- ''Was erschrickst du deshalb? – Aber es ist mit dem Menschen wie mit dem Baume. Je mehr er hinauf in die Höhe und Helle will, um so stärker streben seine Wurzeln erdwärts, abwärts, ins Dunkle, Tiefe – ins Böse.
:- ''[[Friedrich Nietzsche]]''
:::- ''Also sprach Zarathustra: ein buch für alle und keinen mit Peter ..., página 43, [[Friedrich Wilhelm Nietzsche]] - A. Kröner, 1930 - 426 páginas
 
{{w}}