Diferenças entre edições de "Hamlet"

9 818 bytes adicionados ,  19h35min de 26 de outubro de 2010
m
Revertidas edições por 189.93.231.96, para a última versão por AnankeBot
(mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm[[[{{{<s><u><sup><sub><ref><references group="nota"/>{{DEFAULTSORT:{{DEFAULTSORT:}}}}</ref></sub></sup></u></s>}}}]]])
m (Revertidas edições por 189.93.231.96, para a última versão por AnankeBot)
[[Image:Hamlet play scene cropped.png|thumb|350px|right|Uma cena de Hamlet, retratando o momento em que a culpa de Claudius é revelada. Desenho de Daniel Maclise (1842)]]
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c9/Brazilian_Actor_Sergio_Cardoso_as_Hamlet.jpg
'''[[w:Hamlet|Hamlet]]''', ''a tragédia da dúvida, do desespero do solitário príncipe, da violência do mundo, é a peça de [[Shakespeare]] mais representada e estudada até hoje.''
----
*"Porque o Todo-Poderoso fixou suas leis contra o suicídio" Cena II, Ato I (Hamlet)
 
*"...Fragilidade, teu nome é mulher..." Cena II, Ato I (Hamlet)
Hamlet é uma tragédia de William Shakespeare, escrita entre 1599 e 1601.[1][2] A peça, passada na Dinamarca, reconta a história de como o Príncipe Hamlet tenta vingar a morte de seu pai Hamlet, o rei, executando seu tio Cláudio, que o envenenou e em seguida tomou o trono casando-se com a mãe de Hamlet. A peça traça um mapa do curso de vida na loucura real e na loucura fingida — do sofrimento opressivo à raiva fervorosa — e explora temas como a traição, vingança, incesto, corrupção e moralidade.
 
* "É melhor ter um epitáfio ruim do que a maledicência durante a vida."
Apesar da enorme investigação que se faz acerca do texto, o ano exato em que Shakespeare escreveu-o permanece em debate. Três primeiras versões da peça sobrevivem aos nossos dias: essas são conhecidas como o Primeiro Quarto (Q1), o Segundo Quarto (Q2) e o First Folio (F1).[a] Cada uma dessas possui linhas ou mesmo cenas que estão ausentes nas outras. Acredita-se que Shakespeare escreveu Hamlet baseado na lenda de Amleto, preservada no século XIII pelo cronista Saxo Grammaticus em seu Gesta Danorum e, mais tarde, retomada por François de Belleforest no século XVI, e numa suposta peça do teatro isabelino conhecida hoje como Ur-Hamlet.
:- ''Ato II, Cena II: Príncipe Hamlet
 
*"Antes mesmo que o sal da suas lágrimas hipócritas abandonasse o fluxo de seus olhos inflamados... Casada estás!" Cena II, Ato I (Hamlet)
Dada a estrutura dramática e a profundidade de caracterização, Hamlet pode ser analisada, interpretada e debatida por diversas perspectivas. Por exemplo, os estudiosos têm se intrigado ao longo dos séculos sobre a hesitação de Hamlet em matar seu tio. Alguns encaram o ato como uma técnica de prolongar a ação do enredo, mas outros a vêem como o resultado da pressão exercida pelas complexas questões éticas e filosóficas que cercam o assassinato a sangue-frio, resultado de uma vingança calculada e um desejo frustrado. Mais recentemente, críticos psicanalísticos têm examinado a mente inconsciente de Hamlet, enquanto críticos feministas reavaliam e reabilitam o caráter de personagens como Ofélia e Gertrudes.
 
*"Os manjares preparados para a refeição fúnebre foram servidos frios nas mesas do casamento." Cena II, Ato I (Hamlet)
Hamlet é a peça mais longa de Shakespeare, e provavelmente a que mais trabalho lhe deu,[3] mas encontrou nos tempos um espaço que a consagrou como uma da mais poderosas e influentes tragédias em língua inglesa: durante o tempo de vida de Shakespeare, a peça estava entre uma das mais populares da Inglaterra e ainda figura entre os textos mais realizados do mundo, no topo, inclusive, da lista da Royal Shakespeare Company desde 1879.[4] Escrita para o Lord Chamberlain's Men, calcula-se que sobre Hamlet já se escreveram cerca de 80.000 volumes[5], muitos deles certamente são obras de grandes nomes que foram influenciados pela tragédia shakesperiana, como Machado e Goethe e Dickens e Joyce, além de ser considerada por muitos críticos e artistas de todo o planeta como uma obra rica, aberta, universal e muitas vezes perfeita.[6]http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c9/Brazilian_Actor_Sergio_Cardoso_as_Hamlet.jpg
 
*"Suspeito de alguma traição" Cena II, Ato I (Hamlet)
 
*"A natureza, ao fazer-nos crescer, não só nos favorece em forças e tamanho, mas, à medida que o tempo vai passando, dilata com ele o espaço interno da inteligência e da alma." Cena III, Ato I (Laertes)
 
*"Tem cuidado em não entrar em uma briga, mas uma vez nela, faze tudo para que teu adversário sinta temor" Cena III, Ato I (Polônio)
 
*"...porque a roupa revela o homem...." Cena III, Ato I (Polônio)
 
*"Não peças nem dês emprestado a ninguém, pois emprestar faz perder ao mesmo tempo o dinheiro e o amigo e, pedir emprestado, embota o fio da economia." Cena III, Ato I (Polônio)
 
*"Não tomes, minha filha, como fogo essas labaredas que fornecem mais luz do que calor e que se extinguem completamente no momento em que mais prometem. Cena III, Ato I (Polônio)
 
*"Mas, de qualquer modo que realizares tua vingança, não contamines teu espírito, nem deixes que tua alma trame qualquer dano contra tua mãe. Cena V, Ato I (Espectro)
 
*"...não possuo arte para esconder os meus gemido; mas que te amo, que eu te adoro, não tenhas dúvidas. Adeus!" Cena II, Ato II (Polônio - Cintando carta de Hamlet)
 
*"Teu, para sempre, encantadora dama, enquanto a máquina deste corpo me pertencer." Cena II, Ato II (Polônio - Cintando carta de Hamlet)
 
*"Nada em si é bom ou mau; tudo depende daquilo que pensamos." Cena II, Ato II (Hamlet)
 
*"O próprio sonho não passa de uma sobra." Cena II, Ato II (Hamlet)
 
*"...porque para um nobre coração os mais ricos presentes tornam-se pobres, quando aquele que oferece o presente já não mais demonstra afeto" Cena I, Ato III (Ofélia)
 
*"Porque o poder da beleza transformará a honestidade em alcoviteira, muito antes que a força da honestidade transforme a beleza à sua imagem. Cena I, Ato III (Hamlet)
 
*"Amei-te, um dia" Cena I, Ato III (Hamlet)
 
*"Sou muito orgulhoso, vingativo, ambicioso, com mais pecados na cabeça do que pensamentos para concebê-los, imaginação para dar-lhes forma ou tempo para executá-los." Cena I, Ato III (Hamlet)
 
*"Mesmo que fores tão casta quanto o gelo, e tão pura quanto a neve, não escaparás da calúnia". Cena I, Ato III (Hamlet)
 
*"...pois bem sabeis, que na mulher o medo e o carinho seguem emparelhados: ou são ambos nulos, ou ambos extremados." Cena II, Ato III (Rei - Autor da peça de Hamlet)
 
*"Aquilo que prometemos no calor da paixão, acalmada a paixão, é por nós abandonado." Cena II, Ato III (Rei - Autor da peça de Hamlet)
 
*"Que eu seja cruel, mas nunca desnaturado. Meu único punhal será minha palavra. Cena II, Ato III (Hamlet)
 
*"Colocai-a na terra e que de sua bela e imaculada carne brotem perfumadas violetas!" Cena I, Ato V (Laertes)
 
*"Com estas flores pensava, doce donzela , adornar teu leito nupcial e não espalhá-las sobre tua sepultura." Cena I, Ato V (Rainha)
 
*"O resto é Silêncio" Cena II, Ato V (Hamlet)
 
*"A todos, teu ouvido; a voz, a poucos; ouve opiniões, mas forma juízo próprio." Cena III, Ato I
 
*"Há algo de podre no reino da Dinamarca." Ato I, Cena IV
 
*Há mais coisas entre o céu e a terra, Horácio, do que sonha a nossa vã filosofia".Ato I - Cena V
 
*"Duvida da luz dos astros, de que o Sol tenha calor, duvida até da verdade, mas confia em meu amor." Ato II, Cena II
 
*"Se fôsseis tratar todas as pessoas de acordo com o merecimento de cada uma, quem escaparia da chibata? Tratai deles de acordo com vossa honra e dignidade. Quanto menor o seu merecimento, maior valor terá nossa generosidade." Ato II, Cena II
 
*Ser ou não ser... Eis a questão. Que é mais nobre para a alma: suportar os dardos e arremessos do fado sempre adverso, ou armar-se contra um mar de desventuras e dar-lhes fim tentando resistir-lhes? Morrer... dormir... mais nada... Imaginar que um sono põe remate aos sofrimentos do coração e aos golpes infinitos que constituem a natural herança da carne, é solução para almejar-se. Morrer..., dormir... dormir... Talvez sonhar... É aí que bate o ponto. O não sabermos que sonhos poderá trazer o sono da morte, quando alfim desenrolarmos toda a meada mortal, nos põe suspensos. É essa idéia que torna verdadeira calamidade a vida assim tão longa! Pois quem suportaria o escárnio e os golpes do mundo, as injustiças dos mais fortes, os maus-tratos dos tolos, a agonia do amor não retribuído, as leis morosas, a implicância dos chefes e o desprezo da inépcia contra o mérito paciente, se estivesse em suas mãos obter sossego com um punhal? Que fardos levaria nesta vida cansada, a suar, gemendo, se não por temer algo após a morte - terra desconhecida de cujo âmbito jamais ninguém voltou - que nos inibe a vontade, fazendo que aceitemos os males conhecidos, sem buscarmos refúgio noutros males ignorados? De todos faz covardes a consciência. Desta arte o natural frescor de nossa resolução definha sob a máscara do pensamento, e empresas momentosas se desviam da meta diante dessas reflexões, e até o nome de ação perdem." Ato III, cena I
 
*"Eu, de mim, considero-me mais ou menos honesto, mas poderia acusar-me de tais coisas, que teria sido melhor que minha mãe não me houvesse dado à luz. Sou orgulhoso, vingativo, cheio de ambição, e disponho do maior número de delitos do que de pensamentos para vesti-los, imaginação para dar-lhes forma ou tempo para realizá-los. Para que rastejarem entre o céu e a terra tipos como eu? Todos somos consumados velhacos; não deves confiar em ninguém." Ato III, cena I
 
*"Que nobre inteligência assim perdida! O olhos do cortesão, a língua e o braço do sábio e do guerreiro, a mais florida esperança do Estado, o próprio exemplo da educação, o espelho da elegância, o alvo dos descontentes, tudo em nada! E eu, a mais desgraçada das mulheres, que saboreei o mel de suas juras musicais, ter de ver essa admirável razão perder o som, qual sino velho, essa forma sem par, a flor da idade, fanada pela insânia! Ó dor sem fim! Ter já visto o que vi, e vê-lo assim!" Ato III, Cena I
 
*"É sempre ousada a loucura dos grandes não vigiada." Ato III, cena I
 
*"O exagero ou descuido, no ato de representar, podem provocar riso aos ignorantes, mas causam enfado às pessoas judiciosas, cuja censura deve pesar mais em tua apreciação do que os aplausos de quantos enchem o teatro." Ato III, cena II
 
*"(...) que indigna criatura acreditas que eu seja? Estás querendo fazer de mim um divertimento; estás procurando aparentar que conheces meus registros; estás querendo arrancar os meus segredos mais íntimos; pretendes sondar-me, fazendo que emita desde a nota mais grave até a mais aguda de meu diapasão; e possuindo tal abundância de música e tão excelente voz neste pequeno órgão, tu, contudo, não podes fazê-lo falar. Pelo sangue de Deus! Estás pensando que seja eu mais fácil de ser tocado que uma flauta? Toma-me pelo instrumento que melhor te agrade e por muito que me dedilhes, posso garantir-te que não conseguirás tirar qualquer som de mim(...)" Ato III, Cena II
 
*"Foi curto.
Tal como o amor das mulheres." Ato III, cena II
 
*"Dar-vos uma resposta sadia. Meu espírito está doente."Ato III cena II
 
*" ..vossa conduta lhe causou assombro e admiração." Ato III, cena II
 
*"Mas que pode fazer com quem não sabe arrepender-se?" Ato III Cena III
 
*"Necessito de sangue em vez de lágrimas."Ato III, Cena IV
 
*"Hamlet, o coração em dois me partes.
Jogai fora a metade que não presta, para com a outra parte serdes pura."Ato III, Cena IV
 
*"O hábito, esse demônio que devora todos os sentimentos"Ato III, Cena IV
 
*"Preciso ser cruel para ser bom"Ato III, Cena IV
 
*"Como é belo ver a astúcia vencer a própria astúcia!"Ato III, Cena IV
 
*"chora a morte que ele mesmo causou." Ato IV, Cena I
 
*"Não onde ele come, mas onde é comido. Certa assembléia de vermes políticos se ocupa justamente dele. Um verme desse gênero é o verdadeiro imperador da dieta. Engordamos as criaturas, para que nos engordem, e engordamo-nos para dar de comer aos gusanos. Um rei gordo e um mendigo magro são iguanas diferentes; dois pratos, mas para a mesma mesa: eis tudo." Ato IV, cena III
 
*"HAMLET: Pode-se pescar com um verme que haja comido de um rei, e comer o peixe que se alimentou desse verme.
O REI: Que queres dizer com isso?
HAMLET: Nada; apenas mostrar-vos como um rei pode fazer um passeio pelos intestinos de um mendigo." Ato IV, cena III
 
*"Que é o homem, se sua máxima ocupação e o bem maior não passam de comer e dormir?" Ato IV, cena IV
 
*"O ser, de fato, grande não é empenhar-se em grandes causas; grande é quem luta até por uma palha, quando a honra está em jogo." Ato IV, cena IV
 
*"Cara Gertrudes, as tristezas não andam como esías, mas sempre em batalhões." Ato IV, cena V
 
*"É então possível que a razão de uma jovem seja frágil como o alento de um velho?" Ato IV, cena V
 
*"À tristeza, à paixão, ao próprio inferno, a tudo ela dá graça e empresta encanto." Ato IV, cena V
 
*"Nada conserva sempre o mesmo aspecto; qua até mesmo a bondade, em demasia, morre do próprio excesso. Ato IV, cena VII
 
*"...é pena que neste mundo os grandes tenham mais direito de se enforcarem e afogarem do que seus irmãos em Cristo." Ato V, cena I
 
*"É isso; as mãos que trabalham pouco são mais sensíveis." Ato V, cena I
 
*"Levarem tanto tempo esses ossos para se formarem, só para virem a servir de bola! Só de pensar em tal coisa, sinto doer os meus." Ato V, cena I
 
*"...conhecermos bem uma pessoa, é conhecermos a nós mesmos." Ato V, cena II
 
*"Se tem de ser já, não será depois; se não for depois, é que vai ser agora; se não for agora, é que poderá ser mais tarde. O principal é estarmos preparados, umas vez que ninguém sabe o que deixa" Ato V, cena II
 
*"O instrumento fatal se acha em tuas mãos, sem guarda e envenenado. Minha astúcia se virou contra mim. Jazo por terra para sempre. (...)O rei... É ele o culpado." Ato V, cena II
 
*"Estou morto, Horácio." Ato V, cena II
 
*"Eu poderia viver recluso em uma casca de nóz e me considerar rei do universo infinito."
 
*"Mata-se o corpo, e não a alma."
 
*"O ser grande não é se empenhar em grandes causas: grande é quem luta até por uma palha, quando a honra está em jogo".
 
*"Onde o prazer se exalta a dor se encolhe".
 
*"Leviandade, teu nome é mulher".
 
*"As ações más, embora a terra as cubra, não se subtraem aos olhos dos mortais".
 
*"Mostrar tão grande obstinação no luto é dar indícios de teima e de impiedade; é a dor dos fracos; revela (...) coração débil, mente anarquizada, inteligência pobre e sem cultivo".
 
*"É bem freqüente não cumprirmos a jura mais ardente. Da memória a intenção é simples serva".
 
*"Do jeito em que o mundo anda, ser honesto é ser escolhido entre dez mil".
 
*"Ó filho estupendo, que chega a causar assombro à própria mãe".
 
*"Sê fiel a ti próprio: segue-se disso, como o dia à noite, que a ninguém serás falso jamais".
 
*"Tem amigos que nunca aos outros importuna".
 
*"Um grande amor nos sustos se confirma".
 
*"As coisas em si mesmas não são nem boas nem más, é o pensamento que as torna desse ou daquele jeito".
 
*"Não faças como alguns desses pastores que aconselham aos outros o caminho do céu, cheio de abrolhos, enquanto eles seguem ledos a estrada dos prazeres, sem dos próprios conselhos lembrarem".
 
*"À todos, teu ouvido; a voz, a poucos; ouve opiniões, mas forma juízo próprio". Ato I, Cena III.
 
 
{{wikipédia}}
{{wikisource2|Hamlet}}
 
[[Categoria:Livros da Inglaterra]]
[[Categoria:Teatro]]
 
[[bs:Hamlet]]
[[cs:Hamlet]]
[[et:Hamlet]]
[[en:Hamlet]]
[[es:Hamlet]]
[[eo:Hamleto]]
[[eu:Hamlet]]
[[gl:Hamlet]]
[[it:Amleto]]
[[he:המלט]]
[[hu:Hamlet, dán királyfi]]
[[pl:Hamlet]]
[[ro:Hamlet]]
[[ru:Гамлет]]
[[sl:Hamlet]]
[[sv:Hamlet]]
[[tr:Hamlet]]
[[zh:哈姆雷特]]
35

edições