Diferenças entre edições de "Erasmo de Rotterdam"

820 bytes adicionados ,  20h08min de 7 de setembro de 2010
sem resumo de edição
m
[[w:Erasmo de Rotterdam|'''Desiderius Erasmus von Rotterdam''']] ''([[27 de outubro]] de [[1466]], Rotterdam, Holanda - [[12 de julho]] de [[1536]], Basel, Suiça). Humanista e teólogo holandês''.
----
:-== Fonte: ''Elogio da Loucura'' ==
*"Duas coisas, sobretudo, impedem que o homem saiba ao certo o que deve fazer: uma é a [[vergonha]], que cega a [[inteligência]] e arrefece a [[coragem]]; a outra é o [[medo]], que, indicando o [[perigo]], obriga a preferir a inércia a ação."
 
*"O espírito do homem é feito de maneira que lhe agrada muito mais a mentira do que a verdade. Fazei a experiência: ide à igreja, quando aí estão a pregar. Se o pregador trata de assuntos sérios, o auditório dormita, boceja e enfada-se, mas se, de repente, o zurrador (perdão, o pregador), como aliás é frequente, começa a contar uma história de comadres, toda a gente desperta e presta a maior das atenções. "
:- Fonte: ''Elogio da Loucura''
 
*"Não haveria, pois, diferença alguma entre os sábios e os loucos, se não fossem mais felizes estes últimos. Sim, porque estes o são por dois motivos: o primeiro é que a [[felicidade]] dos loucos não custa nada, bastando um pouquinho de persuasão para formá-la; o segundo é que os meus loucos são mais felizes mesmo quando estão juntos com muitos outros. Ora, é impossível gozar um bem quando se está sozinho."
 
*"E foi por essa razão que o grande Arquiteto do Universo proibiu que o primeiro e lindo par de esposos, por ele feitos e unidos em [[matrimônio]], provassem o fruto da árvore da [[ciência]] do bem e do mal , sob pena de sua desgraça e morte. É a melhor prova de que a [[ciência]] é o veneno da [[felicidade]]."
 
== Outras ==
*"Não há nada de tão [[absurdo]] que o [[hábito]] não torne aceitável."
 
 
*"Os grandes [[escritor]]es nunca foram feitos para suportar a [[lei]] dos gramáticos, mas sim para impor a sua."
 
*"[[Deus]], arquitecto do [[universo]], proibiu o [[homem]] de provar os [[fruto]]s da [[árvore]] da [[ciência]], como se a [[ciência]] fosse um [[veneno]] para a [[felicidade]]."
 
*"Deve respeitar-se o [[casamento]] enquanto é um [[purgatório]], e dissolvê-lo quando se tornar num [[inferno]]."
 
*"Cada momento da vida seria triste, fastidioso, insípido, aborrecido, se não houvesse [[prazer]], se não fosse animado pelo tempero da [[Loucura]]."
 
 
{{humanismo}}
120

edições