Diferenças entre edições de "Antoine de Saint-Exupéry"

360 bytes adicionados ,  12h37min de 16 de maio de 2010
m
+ fontes
m (Desfeita a edição 106291 de 189.26.136.154 (discussão | contribs))
m (+ fontes)
 
*"O [[amor]] não consiste em olhar um para o outro, mas sim em olhar juntos para a mesma direção."
::- ''[[Torre dos Homens]]''
 
*"Cada um que passa em nossa [[vida]], passa sozinho, mas não vai só, nem nos deixa sós; leva um pouco de nós mesmos, deixa um pouco de si mesmo."{{carece de fontes}}
::- ''citado em "Psicopedagogia - um modelo fenomenologico" - [http://books.google.com.br/books?id=M3oFtZ7VxyQC&pg=PA179 Página 179], Roseli Bacili Laurenti - Vetor Editora, 2004, ISBN 8575850652, 9788575850657 - 202 páginas
 
*"Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, pois cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra."{{carece de fontes}}
 
*"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas."
::- ''[[O Pequeno Príncipe]] - página 68-69, de Antoine de Saint-Exupéry, publicado por Editora Agir, 1986''
 
*"O significado das coisas não está nas coisas em si, mas sim em nossa atitude com relação a elas."{{carece de fontes}}
::- ''citado em "Sabedoria da Qualidade, A: os desafios dos fatores humanos" - Página 29, Jose Sergio Schirato - Senac, 2006, ISBN 8573594829, 9788573594829, 256 páginas
 
*"O [[homem]] é, acima de tudo, aquele que cria."{{carece de fontes}}
 
*"O essencial é invisível aos olhos. Só se vê bem com o coração."
::- ''[[O Pequeno Príncipe]]''
 
*"Se você não encontra o sentido das coisas é porque este não se encontra, se cria."{{carece de fontes}}
 
*"Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós."{{carece de fontes}}
::- ''citado em "Frases Geniais"‎ - Página 175, Paulo Bacubaum, Ediouro Publicações, 2004, ISBN 8500015330, 9788500015335, 440 páginas
 
*"Foi o [[tempo]] que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante."
::- ''[[O Pequeno Príncipe]] - página 69, de Antoine de Saint-Exupéry, publicado por Editora Agir, 1986''
 
*"Só conseguirá compreender o que é uma propriedade quem lhe tiver sacrificado uma parte de si próprio, quem tiver lutado para a salvar e sofrido para lhe dar beleza."{{carece de fontes}}
 
*"Não confundas o amor com o delírio da posse, que acarreta os piores sofrimentos. Porque, contrariamente à opinião comum, o amor não faz sofrer. O instinto de propriedade, que é o contrário do amor, esse é que faz sofrer. (...) Eu sei assim reconhecer aquele que ama verdadeiramente: é que ele não pode ser prejudicado. O amor verdadeiro começa lá onde não se espera mais nada em troca."
::-''Cidadela''
 
*"Sua tarefa não é de prever o futuro, mas sim de o permitir."
::-''Cidadela''
 
* Quando a gente lhes fala de um novo amigo, elas jamais se informam do essencial. Não perguntam nunca: "Qual é o som da sua voz? Quais os brinquedos que prefere? Será que coleciona borboletas?" Mas perguntam: "Qual é sua idade? Quantos irmãos ele tem? Quanto pesa? Quanto ganha seu pai?" Somente então é que elas julgam conhecê-lo. Se dizemos às pessoas grandes: "Vi uma bela casa de tijolos cor-de-rosa, gerânios na janela, pombas no telhado..." elas não conseguem, de modo nenhum, fazer uma idéia da casa. É preciso dizer-lhes: "Vi uma casa de seiscentos contos". Então elas exclamam: "Que beleza!"
::- ''[[O Pequeno Príncipe]]''
 
* "Claro que te farei mal. Claro que me farás mal. Claro que podemos, mas essa é a condição da existência. Receber a Primavera significa correr os riscos do Inverno. Se desistir agora será correr o risco do desaparecimento. Amo-te."
::- ''parte de uma carta escrita a [[Natalie Paley]] citada no livro "Sept lettres à Natalie Paley (1942 – 1943)''"
 
==Veja também==