Lya Luft: diferenças entre revisões

266 bytes adicionados ,  9 de janeiro de 2010
m
fonte
Sem resumo de edição
m (fonte)
*"Escrevo sobre [[isolamento]] e [[ternura]], a perturbadora ambivalência nossa, [[frivolidade]] e [[covardia]], às vezes a graça e o riso".
::- ''"Pensar é transgredir", Página 11; de Lya Fett Luft; Publicado por Editora Record, 2004; ISBN 8501069698, 9788501069696; 185 páginas''
 
* "Talvez a [[elite]] verdadeira sejafosse a dos bem informados e instruídos, não importa em que grau, não importam dinheiro nem sofisticação. Um povo pouco informado acredita no primeiro demagogo que aparece, engole suas mentiras como pílulas salvadoras e, por cegueira ou por carência, segue o caminho de seu próprio infortúnio".{{carece de fontes}}
::- ''[[Lya Luft]] no artigo "As elites e o povão" in [http://veja.abril.com.br/250106/ponto_de_vista.html Revista Veja], Edição 1940 . 25 de janeiro de 2006
 
==Atribuídas==
 
*"Não existe isso de [[homem]] escrever com vigor e mulher escrever com fragilidade. Puta que pariu, não é assim".{{carece de fontes}}
 
*"Talvez a [[elite]] verdadeira seja a dos bem informados. Um povo pouco informado acredita no primeiro demagogo que aparece e, por cegueira ou por carência, segue o caminho de seu próprio infortúnio".{{carece de fontes}}
 
* "Seja como for, não sou saudosista. Acho esquisito falar 'no meu [[tempo]]', porque nosso deve ser o hoje. Somos tão fixados no mito da eterna juventude que, depois dos 30 anos, nem o tempo é mais nosso, somos exilados da própria [[vida]]."{{carece de fontes}}