Abrir menu principal

Ernst Bloch

professor académico alemão
Nota: Se procura músico estadunidense, consulte: Ernest Bloch.


Ernst Simon Bloch
Ernst Bloch
Ernst Bloch em outros projetos:

Ernst Simon Bloch (8 de julho de 1885 - 4 de agosto de 1977), filósofo marxista alemão nascido em Ludwigshafen.


  • "O que caracteriza o amplo espaço da vida ainda aberta e ainda incerta é a possibilidade de velejar em sonhos, muitas vezes do tipo totalmente sem base na realidade. (...) Aquilo que agora é pântano pode ser drenado. Redobrando-se a coragem e o saber, o futuro não virá como fatalidade sobre o ser humano, mas o ser humano virá sobre o futuro e ingressará nele com o que é seu "
- O Princípio Esperança
  • Pensar significa ultrapassar
- O Princípio Esperança
  • "Tudo que é inteligente pode já ter sido pensado sete vezes. Mas, repensado de novo em um outro tempo e em situação outra, não é mais a mesma coisa. Não somente o pensador, mas , e sobretudo, a coisa a pensar mudaram nesse meio tempo."
- Avicenne et la Gauche Aristotélicienne. (ISBN 978-2-913534-08-7)
  • "Em último caso, por isso, resta a alternativa cambiante entre o nada absoluto e o tudo absoluto: o nada absoluto é o fracasso decidido da utopia, enquanto que o tudo absoluto – na pre-aparência do reino da liberdade – é o cumprimento decidido da utopia ou o ser como utopia. O triunfo do nada ao final foi pensada mitologicamente como inferno; o triunfo do tudo ao final, como céu: na verdade, o próprio tudo não é outra coisa senão a identidade do homem que retorna a si mesmo com o mundo bem sucedido para ele".


  • "Nesta linha, se encontra a solução da questão estética da verdade: a arte é um laboratório e, na mesma medida, uma festa de possibilidades desenvolvidas, junto às alternativas experimentadas, tendo presente que tanto o desenvolvimento como o resultado, tem lugar na maneira da aparência fundada, ou seja, da pré-aparência perfeita no mundo. Na grande arte, tanto o exagero como a fabulação são claramente vistos, e mais do que nunca, como dirigidos em direção a uma consequência tendencial e a uma utopia concreta. Mas é claro, se esse clamor pela perfeição – que pode ser chamada de oração atéia da poesia – vai se tornar, de alguma maneira, prático e não vai permanecer simplesmente na pré-aparẽncia estética, é algo que não se decide na poesia, mas na sociedade".
-O Princípio Esperança